Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

terça-feira, 5 de outubro de 2010

LULA, O GRANDE PERDEDOR

A opinião é pessoal e certamente não será endossada por muitos. Para mim, o grande perdedor desta eleição foi o gurumór. Ele insistiu em fazer uma eleição plebiscitária e não conseguiu. A terceira via veio de onde ele menos esperava, por uma pessoa que ele “engoliu” enquanto esteve no ministério e só não a colocou fora antes por causa da pressão internacional, dado o respeito que ela tinha. Uma ex-militante petista, que representa O PT não lambuzado com as mazelas de mensalão e Erenices, com um tema que não lhe agrada, vez que, vira e mexe ataca o Ibama por causa das licenças ambientais. Ele fez o PT de Minas engolir uma aliança esdrúxula com o PMDB para assegurar a vitória do Hélio Costa e deu no que deu. Nem o Senador conseguiu fazer. Perdeu de goleada. Ele investiu na candidatura do Mercadante, veio a público e usou da TV para pedir votos, mas não conseguiu fazê-lo passar dos 30% históricos que o PT tem no estado de São Paulo. Ele jogou as fichas na candidatura do Netinho e viu o candidato que estava na ponta, segundo as pesquisas, dançar e ficar em terceiro lugar. Ele jogou todas as fichas na candidatura da Ideli Salvati em Santa Catarina e ela amargou uma derrota acachapante. Investiu no Agnelo Queiroz no DF e, apesar dos escândalos envolvendo o Roriz e a renúncia deste e a substituição por uma candidata laranja, o candidato do PT vai a segundo turno. Pode-se afirmar que ele fez o governador do RS, mas lá, com o desastre da Yeda, qualquer poste falante ganharia a eleição. Ele fez o Jaques Wagner na Bahia, mas me pergunto se a eleição se deu pelo apoio do Lula ou tinha gravidade própria. No Maranhão (estranha aliança com a oligarquia mais longeva deste Brasil, que merece ser estudada por detetives), teve a eleição da Roseana na bacia das almas, assim como também o foi a do Tião Viana no Acre. A pergunta é por que o Lula, com tão alta popularidade, não conseguiu passar este apoio aos seus candidatos? Eu me pergunto: se o Lula estivesse concorrendo a um terceiro mandato, ele teria 80% dos votos. Toda a discussão sobre os Fichas Limpa tem levado mais gente a ficar atenta às denúncias de corrupção e o caso da Casa Civil foi emblemático. Mais do que isto, tenho para comigo que o que tirou votos foi a verborragia presidencial e o ódio destilado contra a imprensa. Foi um tiro no pé. Quero um país com liberdade de expressão e de imprensa e não um país a la Chavez e Castro que determinam o que deve ou não ser publicado. Pela liberdade de imprensa, tantas vezes ameaçada por este governo do PT, voto contra. Marcos Inhauser

terça-feira, 28 de setembro de 2010

JUSTIÇA ELENTORAL

Estamos no imbróglio jurídico. A Suprema Corte gastou um baita tempo para não decidir nada. Demorou para tratar do recurso impetrado pelo Roriz e quando o considerou, não chegou a lugar nenhum. Repetiu-se na suprema casa o que vem acontecendo nas instâncias inferiores, quando já tivemos eleitos que foram cassados no final de um mandato que nunca poderiam ter assumido. Esta vagareza jurídica, associada aos meandros advocatícios e a infinidade de recursos e truques para delongar a sentença final tem dado ao povo brasileiro um senso de balbúrdia jurídica. Mesmo uma lei que foi sancionada sob demanda de quase dois milhões de assinaturas, com a pressão feita aos parlamentares, houve um estratagema malicioso de trocar uma única palavra no texto aprovado pela Câmara, coisa que jogou areia na farofa da festa que se queria fazer com a lei da Ficha Limpa. Não é a primeira vez que os espertalhões colocam vírgulas ou palavras de sentido dúbio com o objetivo de não fazer a “lei pegar”. Isto não é novidade, uma vez que o Jobim veio a público dizer que, como relator da Constituição de 88, enxertou nela coisas não aprovadas pelo Congresso. E em casas com várias centenas de “atos secretos”, não se pode esperar transparência. Aliado ao impasse, ao menos para mim, veio a confirmação da suspeita de que os notáveis inventores de sentenças atravessadas, Gilmar Mendes, Toffoli e Marco Aurélio Mello, e o também promulgador geral de habeas corpus (Gilmar Mendes), não frustariam àqueles que esperavam ver o STF dar corda às candidaturas suspeitas. Por outro lado, o presidente, acertadamente não deu o voto de minerva, mas também, e equivocadamente, não proclamou o que deveria proclamar, que a decisão da instância inferior deveria prevalecer. A lentidão que este processo revela há também a não menos tartaruguice do grumór, quem deveria, em agosto, ter indicado o substituto do Eros Grau e não o fez. Tudo indica que não o fez por conveniência política, para deixar ao próximo presidente, que ele tem certeza será a Dilma (eu tenho minha dúvidas), escolher quem lhe poderia facilitar a vida, tal como aconteceu com a última indicação do notável saber jurídico do antigo advogado de sindicatos. Com esta e mais aquelas, sugiro que se troque o nome de Justiça Eleitoral para Justiça É-lento-ral. Seria mais justo com a velocidade com que julga as coisas. Marcos Inhauser

QUARENTA ANOS DEPOIS

No último sábado tivemos a reunião celebrativa dos quarenta anos de formatura no Colégio Culto à Ciência, que ocorreu no dia 7 de dezembro de 1970. Os antigos adolescentes meio virando jovens alí estavam, com o mesmo pique de outrora, relembrando antigas façanhas e traquinagens. Creio que não há quem participe destes eventos de rever velhos amigos que não tenha a atitude inconfessa de olhar para os outros e ver o quanto o tempo afetou a anatomia de cada um. É impressionante a capacidade que o tempo tem de presentear com barrigas, roubar ou tingir de prata os cabelos. Uma constatação empírica é que o tempo é muito mais cruel com os homens que com as mulheres. Elas ali estavam sem grandes mudanças quanto ao que eram. A reunião comemorativa trouxe-me, além da alegria de rever amigos e reviver momentos ímpares da vida, a surpresa ao ver que todos podíamos, quarenta anos depois, ainda cantar de memória o hino do nosso colégio. Isto mostra que o Culto à Ciência foi algo marcante na vida dos que ali tiveram a oportunidade de estudar. Digo isto porque por muitas vezes eu afirmei a amigos e conhecidos que tive a honra de ter sido o pior aluno de uma das melhores classes brasileiras do Científico. O CECC era referência, padrão de educação para outros, ali estavam os melhores professores e o ingresso se dava por um vestibulinho. E até hoje não entendo como consegui fazer parte desta turma. Nas conversas recordamos professores, seus modos e tiques. Não podíamos deixar passar as recordações do Milton Urubu e seu indefectível terno preto que, segundo a lenda, vinha sozinho ao Colégio, tão acostumado estava. Outro tema constante foram os antigos comerciais, produtos e guloseimas. Falamos de Glostora, Óleo de Quina de Petróleo, Conga, Xarope São João, Grapette, Pasquim, entre tantas outras coisas. Ali sentado e conversando eu me perguntava aos botões: haverá este tipo de comemoração para a geração que hoje está se formando no segundo grau? Não tenho muita vivência nas escolas de hoje para aquilatar com precisão, mas tenho a impressão de que hoje os alunos não tem mais este sentido de pertencimento ao Colégio onde estudam, a escola não é mais tão marcante como o foi na década de 70. Passar de ano era uma façanha digna de comemorações etílicas. Nem passava pelas nossas cabeças a tal da aprovação automática. Colar nas provas era uma engenharia digna de filmes de 007. Tirar boas notas era façanha a ser conquistada a cada mês em todas as disciplinas. Não quero ser saudosista, mas o sendo: já não se fazem professores, diretores e Colégios como os que tivemos no CECC nos 60 e 70! Marcos Inhauser

QUEREMOS SOCIEDADE E NÃO AGLOMERAÇÃO

Recebi o seguinte artigo do meu amigo Marcos Kopeska, que o uso com pequenas edições para caber neste espaço: Para os que sonham com uma sociedade justa, o Projeto de Lei “Ficha Limpa” foi um bom começo, mas ainda começo. Talvez possa uma dose de ópio para acalmar os ânimos dos mais pessimistas. Sonhamos com ética na política. Em 2005 circulou a sátira que reflete este anseio: “Haverá um dia em que todos voltaremos a ser felizes. Será o dia em que Rosinhas serão apenas flores... Garotinhos apenas crianças... Genuínos serão coisas verdadeiras... Serra será apenas um acidente geográfico ou uma ferramenta... Genro apenas o marido da filha... Lula apenas um molusco marinho... E Severino, apenas o porteiro do prédio" O estudioso da ética, John Rawls, diz que "uma sociedade em que certo mínimo de valores não seja partilhado pela grande maioria não só não é democrática, como não é uma sociedade. É uma aglomeração". Creio sim, que o cristianismo pode contribuir com a política, apontando para a ética e acordando a sociedade para a retomada dos valores mais nobres da sociedade. Necessitamos urgentemente de uma reinterpretação da presença profética da igreja na sociedade, não fazendo alianças políticas corruptas e egocêntricas, mas orientando processos transformadores. Segundo a clássica definição do filósofo grego Aristóteles, (328 a.C.), “política é a ciência, arte, técnica e estratégia de administrar para o bem comum; mais decisivo do que o bem individual”. Sob esta ótica não tenho nenhum peso de consciência em dizer que quem faz alianças políticas pensando em ganhar ônibus, materiais para construir templos ou concessões de rádios, estão sendo anti-éticas (por definição), para não dizer “partidárias da corrupção gospel”. Como cristãos articulemos e trabalhemos para que nossos governantes e legisladores: • Vejam na política não uma ambição do poder pelo poder num jogo de interesses pessoais, familiares ou corporativos; • Estejam profundamente comprometidos com a cidadania, o povo, os necessitados, explorados e marginalizados; • Façam parcerias, não com detentores costumeiros do poder, mas com quem serve ao povo (universidades, igrejas, uniões e organizações de classe capazes de procurar o bem comum); • Tenham decência, lisura e honestidade que constituem o contrário da corrupção ativa ou passiva; • Tenham competência, conhecimento profundo das formas, métodos e práticas políticas, sem o qual de nada adianta a decência; • Tenham experiência administrativa ou legislativa; • Tenham coerência entre o ser humano e o homem político; vida pessoal e democrática e o exercício do poder; • Tenham a eficiência, habilidade e capacidade de realizar de um projeto político para o bem comum. Assim sendo, seremos mais do que aglomerado; seremos sociedade. Marcos Inhauser

PARADOXOS BRASILEIROS

Um semialfabetizado que sucede um acadêmico reconhecido, termina seus dois mandatos com níveis de popularidade nunca alcançados pelo antecessor. Um sindicalista feito presidente que consegue transformar a democracia representativa em república sindical, onde líderes dos trabalhadores mamam salários de elite. Sindicatos que fazem política partidária e transformam causas trabalhistas em questões semânticas e negociações com benesses por baixo da mesa. Um governo que consegue a façanha de cada vez arrecadar mais impostos e entregar menos serviços à população. Um país onde se paga duas ou três vezes pela segurança: via imposto, via taxas condominiais e via segurança privada. Um país onde o que mais cresceu nos últimos tempos foram câmeras para flagrar desvios nos trânsitos, via radar, e multar abestalhadamente o máximo que se pode, sem, contudo, diminuir os índices de acidentes e mortes no trânsito. Um país que sustenta nababescamente a Senadores e Deputados, com salários nominais baixos, mas ganhos superlativos nas comissões e extras (por cima e por baixo da mesa), mas que discute meses a fio o aumento de merrecas no salário mínimo e aposentados. Um país com a segunda maior frota de helicópteros no mundo, mas que só consegue construir uma dúzia de quilômetros de metrô a cada decênio. Um país com uma penca de bitributação: IPVA + pedágio, ISSQN no local da prestação do serviço e no local sede da empresa; imposto para saúde + planos de saúde; impostos para escolas + mensalidades de escolas privadas; previdência social + previdência privada; etc. Um país com uma miríade de taxas de todos os tipos: para emissão de passaporte, para emissão de segunda via de qualquer declaração, de transferência, de permanência, de anuência, de ausência. Faltam as taxas para insistência e sobrevivência. Um país onde o presidente se orgulha de não ter estudado, e que se gaba de ser o que mais escolas construiu. Um presidente que elege uma novel em política e sai fazendo shows Brasil afora para angariar votos para a sua eleita. Um governo que sair da oposição e que ganhar a eleição e que, depois de oito anos, a considerar-se em perspectiva os dados das pesquisas, não mais terá oposição, mas um bando de fisiológicos querendo mamar na teta da vaca Brasil. O país da legislação Ficha Limpa, com um sem fim de fichas sujas alardeando santidade e pedindo votos, amparados na leniência e morosidade da justiça. Um país com votação eletrônica, que tem sistemas públicos de rede de dados que ficam “fora-do-ar” mais de três dias. Um país com tantos milagreiros prometendo a prosperidade e tanta gente na pobreza. Com tantos templos e a secularização e o ateísmo crescendo a olhos vistos. Marcos Inhauser

terça-feira, 17 de agosto de 2010

UNÇÃO DE MELQUISEDEQUE

Deu a louca no mundo gospel! Os loucos da fé andam pirados e mais parecem que andam fumando um baseado antes de ministrar (com o perdão do termo). Aí está o José Luis de Jesus Miranda com seu movimento religioso “Crescendo em Graça”, quem afirma ser Jesus Cristo homem, que prega que o pecado não existe e que Deus não nos vê em carne, mas como “alma vivente” e que, por isto, podemos fazer o que quisermos com este corpo. O tal gosta do luxo, usa o número 666 em suas adorações e afirma não ser este o número do anticristo. Ele é chamado de “pai” pelos seus seguidores. Ele afirma ter recebido do próprio Jesus a missão, os seus seguidores acreditam que ele não vai morrer e que seu corpo, tal como o de Jesus, será glorificado, e ainda afirma que os seguidores da Crescendo em Graça não vão morrer. Outro loucodafé foi aos Estados Unidos receber de um parceiro de delírios a unção de Abraão. O Terranova, que também se faz chamar de “pai apóstolo” (qualquer semelhança com o outro loucodafé que se diz ser Jesus Cristo Homem não é mera coincidência), recebeu do Morris Cerullo a tal unção e depois disto andou distribuindo unções a torto e a direito, fabricando apóstolos em série. Mais, anda ungindo tudo, a ponto de ter feito uma viagem a Dubai e ungido a cidade toda, porque “É uma verdadeira ilha de idéias fantásticas! Podemos ver que os filhos do deserto tem a bênção do Eterno!”, “Dubai desafia nossa alma e denuncia a nossa mediocridade no poder de criar coisas novas. Estamos sendo ampliados! Hoje estivemos em muitos lugares, o deserto floresceu mesmo, Dubai é profético e bíblico... Hoje vimos em Dubai muita coisa, ungimos toda cidade profetizamos, fizemos atos proféticos em pontos estratégicos, e ministramos a alguns... De fato essa terra tem a mão de Deus para tanta riqueza está brotando do solo e dos aranha-céus!!! Hoje, junto com alguns guerreiros em Dubai, levantamos o nome de Yeshua! Nas adorações de afronta, entramos em intercessão para que o Reino de Deus chegue a Dubai!!!!” (palavras do próprio loucodafé e paiapóstolo). Quero entrar nesta onda. Quero a unção de Melquisedeque: “Porque este Melquisedeque, que era rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, ... saiu ao encontro de Abraão quando ele regressava ... e o abençoou; a quem também Abraão deu o dízimo de tudo...” Esta unção me habilitaria receber os dízimos de todos os que tem a “unção de Abraão”. Juro que repartiria algumas migalhas com os pobres, mas antes compraria um canal de televisão, uma Ferrari, um relógio Patek Philippe cravejado de diamantes, uma cobertura em Dubai. Marcos Inhauser

terça-feira, 10 de agosto de 2010

COLCHA DE RETALHOS

Lá pelos anos setenta eu batia na tecla de que a música e os cânticos nas igrejas precisavam deixar de lado o ranço anglosaxônico e assumir o sabor dos ritmos brasileiros. Eu não estava só nesta empreitada, haja visto que muitos, como eu, batíamos nesta tecla. Algumas coisas começaram a surgir. Um xote aqui, um samba ali, um baião, etc. Paralelo a isto, havia um outro grupo que sustentava que os cânticos deviam ser os mais bíblicos possíveis, e muitos se dedicaram a musicalizar trechos inteiros dos salmos e outras partes bíblicas. Não há que negar que houve uma forte efervescência e renovação na hinódia. Nestes dias tenho prestado atenção aos cânticos que as igrejas estão cantando e há algumas coisas que me chamam a atenção. A primeira delas é a saturação de cânticos de louvor e adoração, em detrimento de outros temas como confissão, consagração, crescimento espiritual, etc. Um amigo liturgista que toma o Pai Nosso como modelo litúrgico afirma que os cânticos só ficam no “Pai Nosso que estás nos céus” e se esquecem das demais petições da oração dominical. Isto leva a uma religiosidade alienada e alienante. Outro que toma o texto de Isaías ¨, afirma idêntica coisa, dizendo que a parte do “Ai de mim! Pois estou perdido; porque sou um homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de impuros lábios” não entra mais na liturgia das igrejas. O segundo aspecto que me tem chamado a atenção é o uso e abuso de jargões, quase todos tirados de trechos das Escrituras, fazendo com que as letras dos cânticos se tornem em verdadeiras “colchas de retalho” de fragmentos bíblicos. Temos como o poder de Deus, a santidade de Deus, a onipotência, são repetidos ad nausean, sem que tais letras acrescentem absolutamente nada ao que já se tem. Com isto, estes cânticos não traduzem a reflexão de alguém, o teologizar. É como se juntassem frases soltas relacionadas a um mesmo tema e disto fazem a letra “inspirada” de um cântico. A terceira coisa é que o momento dos cânticos domina boa parte do tempo de culto, em detrimento do tempo de ensino da Palavra, com cantores/pregadores de sermonetes que são repetições dos mesmos jargões cantados nos hinos. Com isto o culto, na grande parte das igrejas empobreceu, para não dizer que faliu. Há quantidade de música e pobreza de teologia. Há ministração de louvor sem ministração da Palavra. Depois me perguntam porque muitos já não querem mais ir às igrejas. Marcos Inhauser

AGÊNCIAS PARA NADA

A recente crise aérea com a Gol, que causou mais de 400 cancelamentos de vôos e inúmeros atrasos, vem, uma vez mais, e de forma contundente, revelar a incompetência, incapacidade, incúria e inutilidade deste e de outros cabides de emprego. No apagão aéreo a inépcia já se tornou visível, a inutilidade patente e explícito o incesto das agências reguladoras com as empresas que por elas deveriam ser reguladas, supervisionadas, fiscalizadas e multadas. Quem já teve a experiência de buscar algum amparo na ANAC, ANATEL, ANTT, ANVISA, ANS e quejandas, teve a triste constatação de que o que menos interessa a eles é atender ao cidadão. No meu caso, logo após a regulamentação dos callcenters, quando estes deveriam atender em um minuto às chamadas, liguei para a ANATEL e fiquei pendurado mais de uma hora nas várias tentativas, pois não só não atendiam como derrubavam a chamada. Certa feita, em função de problema com uma viagem interestadual de ônibus, busquei a ANTT, onde protocolei a denúncia e por mais de dois anos cobrei resposta, sem nunca haver recebido qualquer notícia do andamento do processo. Nos vários problemas que enfrentei (e ainda enfrento) com a NET, seja na televisão, no telefone ou na internet, por duas vezes acionei a ANATEL e me deram um número de protocolo. Ao tentar saber resultado da denúncia, havia a informação de que a operadora comunicou a solução do problema, quando o mesmo persistia. Davam o caso por encerrado sem que, ao menos, a outra parte fosse ouvida. O mesmo aconteceu quando recorri à ARTESP, por causa de problemas com uma viagem intraestadual. Nada de nadica. Em problema com o plano de saúde, busquei a ANS e esta disse que não atendia a casos particulares e nem recebeu a reclamação. Se se olha os salários que tais marajás recebem, as mordomias que tem (recordem-se das passagens aéreas que os antigos membros da ANAC desfrutavam), do status, da possibilidade de empregar parentes, há que se reconhecer que, além de inúteis, são impostoras: ganham e cobram para fazer o que não fazem. Exemplo disto é a INFRAERO, que tem a incumbência de administrar aeroportos, que cobra taxas de embarque exorbitantes, mas presta serviço de rodoviária de cidade decadente. No entanto, como o guru nunca sabe de nada, decidiu criar mais uma para “supervisionar” a exploração do préssal. A conta, com certeza, será salgada. Marcos Inhauser

LUGAR DE ANJO É NO CÉU

Aprendi no Seminário que os anjos são imortais, mas, hoje, tenho lá minhas dúvidas: a mãe Izolina morreu. Ela foi o anjo que Deus colocou em minha vida para, de várias maneiras e em diversas oportunidades ser o canal de benção de Deus para mim e para a minha família. Lembro-me como se fosse hoje aquele domingo que vim fui à igreja, o primeiro depois de minha conversão. Há três dias eu não comia nada, sem dinheiro para pagar ônibus ou comer algo. Terminada a Escola Dominical, ela já ia indo embora, quando voltou-se, veio até mim e me perguntou: — Onde você vai almoçar? — Não sei, respondi eu. — Venha almoçar comigo. — Mas eu não tenho dinheiro para o ônibus. — Eu sei disso. Fui e almocei. Naquela dia ela me adotou como filho. Durante quase um ano todos os domingos eu ia à sua casa almoçar, ela lavou minha roupa e me apoiou. Mais tarde, quando já estava no seminário, minha esposa e eu havíamos jantado uma porção de pipoca sem sal, porque era a única e última coisa que tínhamos para comer. À meia noite batem à nossa porta. Vou abrir e era a mãe Izolina, feito anjo do Senhor, trazendo uma oferta para nós, lá naquele fim de mundo onde estávamos. Quando minha primeira filha nasceu em Campinas, havíamos programado retornar a São Paulo na quinta-feira e isto eu comuniquei à mãe Izolina, pois eu queria que ela fosse uma das primeiras a ver a nenê. Por uma série de razões, regressamos na quarta à tarde. Chegando em casa minha sogra me pediu que eu comprasse uma série de coisas que não havia na casa: arroz, leite, canjica, açúcar, etc. Eu não tinha um centavo para comprar aquilo tudo que ela me pedia e não queria dizer à minha sogra que eu não tinha dinheiro para comprar comida para a minha família. Fui a um canto orar. Logo depois batem à porta. Era mãe Izolina com uma cesta de mantimentos. Era tudo o que estava na lista da minha sogra. Quando lhe perguntei porque ela tinha vindo na quarta sabendo que nós tínhamos planejado vir na quinta, mãe Izolina me respondeu: — Eu estava em casa e uma coisa me disse lá dentro de mim: Vai prá casa do Marcos e leva comida. E eu vim. Era outra vez que o anjo do Senhor vinha ao nosso socorro. Mãe Izolina foi o anjo de Deus para suprir, para admoestar, para disciplinar, para acariciar. Quantas vezes e por quantas horas desfrutamos um do outro nas conversas, nos cafés que tomamos juntos, nas horas em que ela foi avó de meus filhos. O anjo morreu. Mas as bençãos que ela trouxe, a benção que ela foi para minha vida e para a minha família ainda está viva. Lugar de anjo é no céu. Ela foi pro seu lugar. Marcos Inhauser

O DIÁLOGO NA CONSTRUÇÃO DA RELAÇÃO

Somos produto da relação de um “eu” e um “tu”. Aprendemos a ser gente na relação com dois “tus”: um pai e uma mãe. Somos frutos da relação de diálogo, sentimentos, emoções, corpos que se relacionaram com corpos que nos fizeram. A base da vida é o fato de que há um homem e uma mulher que se relacionaram e como fruto disso nascemos. Não há como pensar no ser humano como ilha, isolado dos outros, da sociedade, do contexto em que vive. Para que possamos nos conhecer é necessário que conheçamos as relações que mantemos com outras pessoas que formam nosso sistema. O “eu” é conhecido na medida em que se conhece os “tus” com os quais este “eu” se relaciona. O namoro é um “eu” que se relaciona com um “tu” procurando conhecer os “tus” do outro “tu”. Quando se conversam uma moça e um rapaz, querem saber o que outro é. Como se vai saber quem é? Fazendo perguntas. O mesmo é verdade para a construção de equipes de trabalho. Cada vez que encontramos alguém e começamos a conversar, procuramos explorar, conhecer as relações que esta pessoa tem, o que ela faz, com quem trabalha, o que estudou, o que gosta e não gosta de fazer. Da mesma forma é o aconselhamento. Quando se começa um aconselhamento, o que se faz é ouvir e não falar. O verdadeiro aconselhamento é aquele que tem a disposição de conhecer as relações que uma pessoa tem, de conhecer o sistema onde esta pessoa está inserida. Quando uma pessoa sai à procura de alguém para namorar, existe na sua cabeça, inconscientemente, um quê (eu não tenho outro jeito de dizer), e a pessoa vai se sentir atraída por alguém que tem mais ou menos o mesmo modelo de relação familiar que a pessoa teve ou tem. Isso é mais do que lógico e normal. Se vai constituir uma família, que família conhece para servir de modelo? Se foi se acostumou a dormir em colchão de mola, na noite que dormir em um colchão de espuma vai se sentir mal. Vai buscar alguém para casar-se que tenha um “ninho” mais ou menos igual aquele que é o seu. Isto é tão inconsciente, tão simbólico, tão invisível que é difícil explicar. Por exemplo: bati o olho em alguém, gostei e pergunto alguma coisa. A maneira como ela me responde, o tom de voz como responde, se for mais ou menos parecido ao tom de voz que estou acostumado a ouvir, entro em sintonia com a pessoa e vou procurando saber se o ninho dela é mais ou menos igual ao meu. Então a levo para conhecer a minha família, a sogra olha e se ela disser sim, amém. Se ela torcer o nariz é porque aquele pato não faz parte daquela patada. Quantos casamentos tiveram problemas e passaram por duras penas ou separaram e que a gente constata que os pais de um ou de outro tinham restrições, porque a linguagem, os modos, a forma de falar, o tom de voz, a cosmovisão não batiam? Assim, o diálogo prescrutador é de vital importância na construção de relacionamentos duradouros. Marcos Inhauser

MARIO GATTI DA GRAÇA

Popularmente o chamam de Mario Grátis, por se tratar de hospital público. Confesso que nunca olhei para ele com simpatia, exatamente por ser público e atender ao SUS, o que, pela mídia, se sabe do descalabro que é. No entanto, por força da internação do meu pai no HMMG, decidi acompanhá-lo durante os dias em que esteve hospitalizado para uma cirurgia menor, poupando minha mãe e irmãos que moram fora de Campinas do incômodo das viagens e do custo dos pedágios entre Indaiatuba e Campinas (verdadeiros roubos, e ainda o Serra fica irritado quando perguntado sobre este triste capítulo da administração tucana). A pequena cirurgia de meu pai se complicou em função de um infarto seguido de edema pulmonar. Fiquei indo, vindo e permanecendo no hospital por treze dias. Desta experiência, que não é nova porque eu mesmo fiquei mais de mês em hospital, também em função de cirurgia e complicações posteriores, quero vir a público, da forma que tenho acesso, para dizer o que ali constatei. Fiquei admirado, surpreso e gratificado por ver o carinho, atenção e dedicação da equipe de enfermagem dos segundo e terceiro andares, bem assim da UTI. Confesso que não vi nem ouvi da parte de nenhum deles (e não são poucos os que ali conheci) uma única palavra de reclamação, não percebi falta de vontade, comportamento reativo às solicitações. Muito pelo contrário, o que vi foi alegria, brincadeiras com os pacientes, gestos de afago e encorajamento. Tenho certeza de que no rebanho da enfermagem deve ter a ovelha negra, mas eu não a vi nem a reconheci. Antes, com os estagiários, quando fui agradecer o que haviam feito e o cuidado com meu pai, o que vi foi um sorriso nos lábios e a frase; “quem deve agradecer somos nós, por nos sentirmos úteis”. O mesmo quero dizer dos médicos da Urologia e da UTI. Não se furtaram a dar as informações solicitadas, abriram o jogo quando a situação estava grave, foram solícitos às demandas do paciente e familiares e, principalmente, reverteram o quadro, mesmo quando o paciente era não colaborativo. Diante disto, deixo aqui, de público, o meu reconhecimento pela excelência da equipe que conheci, e a declaração pública de que mudei minha opinião sobre o Mario Gatti. Da ignorância, passei à vivência da manifestação da graça de Deus, no serviço ao próximo. Marcos Inhauser

TIPOS DE LIDERANÇA

Fiquei pasmo ao saber hoje, através de uma emissora de TV, que a vitória da África do Sul foi a primeira vitória do Parreira comandando uma seleção que não fosse a brasileira. Nunca entendi muito bem como este senhor chegou onde chegou, porque nunca consegui ver nele méritos. Não consigo entender como esteve em seis Copas do Mundo, duas vezes dirigindo a Seleção Brasileira e outras quatro. Uma vez foi campeão com a brasileira em um jogo que não foi ganho, mas entregue pelos italianos em dois pênaltis chutados fora. Em 2006 foi o desastre que todos sabemos. Nunca jogou bola, escreveu um livro sobre futebol que depois se descobriu ser plagiado de um inglês. No entanto, a mídia globalizada o aponta como senhor técnico. Ele é o líder pastel chinês: grande, mas sem recheio. Outro tipo de liderança é a do francês Domenech. Um cara sem nenhuma competência relacional é guindado ao posto máximo no futebol francês, arruma um monte de confusão, o Anelka lhe diz umas poucas e boas, o grupo sai em defesa do Anelka contra o técnico, instala-se o caos, perdeu dois jogos, empatou um e só marcou um gol. Triste liderança. Ele é o líder “casaca de ferida”: cada vez que mexe, sangra. Há o líder holofote, aquele que, mesmo sem jogar, traz todas as luzes e holofotes sobre ele. É o Maradona. Gosta de microfone e declarações polêmicas como poucos, porque sabe que isto lhe dá audiência e holofote. Ele está aparecendo mais que o Messi, o melhor jogador do mundo. De salto alto, como sempre esteve em toda a sua vida, mesmo quando o internaram por vício em cocaína, vai conseguindo alguns resultados e espero que ele não tenha que cumprir a promessa que lhe renderá mais holofotes: desfilar nu em Buenos Aires. Há o líder “casca grossa”. O Dunga é o exemplo acabado desta liderança. Tudo que pode influenciar, interferir ou ser considerado vazamento para a imprensa, ele se irrita e sai ofendendo em balbucios e rosnadeiras. Assim foi com a Alex Escobar na última coletiva que deu, obrigado pelo regulamento. Adepto do “só eu no comando”, mostra insegurança. Seu comportamento infantil provém de uma cosmovisão de que “boas cercas produzem ótimas comunidades”, lema preferido de certo grupo religioso. Na versão Dunga “isolamento produz boa equipe”. É verdade que a seleção melhorou no segundo jogo, mas também é patente que ele não foi competente para tirar o Kaká de campo quando se via a irritação que redundaria em expulsão. Preferiu deixar ser expulso, talvez porque assim pode colocar no time um outro peixinho seu, o Júlio Batista. Com estas e outras, algo se aprende com esta Copa. marcos Inhauser

SOFRI....SOFREMOS....

Sofreremos.... Foi duro ver o jogo da seleção do Dunga. Não que eu esperasse mais de uma seleção com um técnico campeão do mundo em uma seleção que ganhou o título porque o Paulo Rossi chutou para fora o pênalti. Ele nunca me convenceu como jogador e muito menos como técnico. Mas, tinha lá eu alguma esperança, considerando o fato de que a Coréia do Norte é uma das mais fracas seleções desta Copa do Mundo. Achei que se poderia marcar uns quatro e não levar nenhum. Mas, quando terminou o primeiro tempo sem gols, minha tênue esperança ruiu. A quantidade de vezes que o Kaká errou passes me deu a impressão de que estava com a camisa errada e jogava para a Coréia. O Luis Fabiano era mais banheira que atacante, pela quantidade de vezes em que esteve impedido. O Robinho mais parecia galo ciscando no galinheiro que fazendo algo construtivo. A vitória construída com gols não feitos pelos atacantes, a meu ver, mostra o que se pode esperar desta seleção: nada. Um futebol burocrático, feio, sem arte, sem criatividade. Acho que o Dunga tem tanto medo da criatividade que isto o levou a não convocar o Neymar e o Ganso, porque poderiam inventar coisas que não estavam na sua tabuleta e nem no seu script de jogo. Ele quer a eficiência mínima: ganhando de um é certeza de três pontos, que é o que interessa. Pior do que ver o jogo da seleção é vê-lo com a narração do Galvão Bueno e os comentários do Casagrande. Fui ver o jogo na casa da filha, e como a casa não era minha, me submeti à escolha da maioria. Tive que agüentar o festival de patriotadas do garoto-propaganda da CBF e do Kaká. Mais de uma vez ele chamou a atenção para o fato de que o Kaká se movimentava em campo, como se isto fosse uma grande coisa e não o natural e o esperado dele em campo. Ouvi-lo dizer que o time viria forte para o segundo tempo e ver o que se viu, só pode ter vindo da boca de um narrador cuja credibilidade há muito se perdeu. Esta patriotada do Galvão casa muito bem com a do Dunga. Ele acha que patriotismo, orgulho de vestir a camisa, treino secreto e resposta zangada às perguntas dos jornalista é receita infalível de vitória. Talvez isto ele tenha aprendido nos livros de autoajuda do Augusto Cury. Ouvi-lo depois do jogo dizer que houve evolução, fez o Darwin se retorcer no túmulo. Poucas vezes na minha vida consegui dormir assistindo a um jogo. Hoje isto aconteceu nos minutos finais e não porque eu quisesse, mas a seleção é enfadonha. Ou ENFADUNGA? Marcos Inhauser

AMIGOS DE JÓ

Certa feita recebi a notícia de que um garotinho de seis anos que estava trazendo a família à igreja havia falecido por afogamento. A notícia me pôs em estado de choque. Mal refeito do susto, a primeira coisa que passou pela minha cabeça naquele momento foi: o que falar para os pais para consolá-los. Tenho a impressão que esta pergunta ou similar já foi feita por muita gente. É nestas horas que se conhece uma pessoa que é líder de uma que é gerente, liderada ou comandada. Quero apresentar um exemplo bíblico de pessoas que se envolveram com situações difíceis e como se saíram. O exemplo é o dos três "amigos" de Jó. O texto bíblico nos narra que "combinaram ir juntamente condoer-se”de Jó pois este passara por provação muito grande. Estavam preocupados com as perdas que Jó havia sofrido (bens, propriedades, filhos), sabiam que ele estava em depressão, não estava comendo e se lamentava o dia todo. Para consolá-lo lá se foram os amigos. Mas o que se vê depois de sete dias e noites de silêncio é uma seqüência de repreensões a Jó, receitas e expliacções dos atos de Deus. Era um interminável falar, repreender, censurar, insinuar. Os amigos queriam explicar o que Deus tinha feito, queriam que Jó se conformasse com a tragédia. Jó lhes disse: "Já ouvi tudo isto antes; em vez de me consolarem, vocês me atormentam. Será que estas palavras ocas não têm fim? Porque vocês não param de me provocar? (Jó 16.1-3, Bíblia na Linguagem de Hoje) . Muito embora houvesse neles a disposição ajudar num momento de crise, não o lograram porque se preocuparam em explicar Deus, em censurar a Jó e em dar receitas de como Jó deveria agir para sair de tal situação. Não se identificavam com ele na dor que tinha, não houve neles a solidariedade com o amigo sofredor, não conseguiram sentir na própria pele a dor pela qual passava o amigo. Não exerceram efetivamente a consolação porque tinham somente um palavrório, um "receituário", uma coleção de explicações para os atos de Deus. Nas vezes em que Jó quis expressar seus sentimentos diante da perda de seus filhos e bens, foi repreendido, exortado. Há muitos que se sentem tão entendidos de Deus que reproduzem o martírio de Jó ao se colocarem na situação de seus amigos. Explicam o inexplicável, interpretam o imprevisto, tentam colocar lógica no absurdo. Que Deus nos livre dos amigos de Jó e suas interpretações que nos culpabilizam ainda mais. O Deus da graça não precisa de inquisidores, nem acusadores. Ele nos dá colo, o que muitos profissionais da religião não sabem fazer. Marcos Inhauser

ASSASINATO DE ESTADO

Esta é a forma como alguns governos estão classificando o ataque de Israel à frota de ajuda humanitária que buscava chegar à Zona de Gaza. O que aconteceu é digno de nota e repúdio. É inadmissível, sob quaisquer argumentos e pretextos, que uma ajuda humanitária levada por mais de 500 pessoas de várias nacionalidades, seja impedida e de cumprir com seu cometido. Se se considera que o evento deu-se em águas internacionais e que a ajuda se destinava a uma região massacrada pelo estado de Israel, que tem impedido de forma sistemática que as ajudas, mesmo as da ONU cheguem aos necessitados, o caso se reveste ainda de maior gravidade. O assassinato não só se deu em alto mar, mas se dá a cada dia quando mulheres, crianças, jovens e velhos são impedidos de receber o que o mundo lhes destina. O que Israel tem feito com os palestinos na Faixa de Gaza é o que aprendeu com os alemães nazistas nos campos de concentração. Replicam o que condenam sistematicamente, mostrando-se como vítimas de um genocídio praticado por Hitler, mas fazem isto para extermínio dos palestinos, por crer na superioridade da raça, por crer-se nação eleita. Se na Alemanha de Hitler a supremacia era vendida na genética ariana, em Israel a supremacia é vendida na superioridade religiosa. E causa espanto a leniência dos Estados Unidos e a fraqueza da ONU em condenar as sucessivas violações cometidas por Israel. Tivesse o barco sido atacado pelo Irã, os sionistas sairiam em coro pedindo a guerra e destruição do Irã. Se o ataque fosse árabe, montanhas de papéis de condenação seriam produzidos. Mas como é o estado queridinho dos EUA e de várias nações européias, o que se vê é uma condenação formal e um pedido de investigação imparcial. Haja ingenuidade de nossa parte para agüentar este teatro mais uma vez. Não estou aqui defendendo os árabes, nem judeus. Estou querendo mostrar que o discurso da “nação eleita, povo escolhido de Deus”, pode ter sido aplicado a Israel pelos antigos, mas, tenho a convicção que não se aplica a este estado pós 48. Pode um estado destes ser abençoado? Só se o é pelo analfabetismo bíblico de pregadores autoordenados e praticantes de uma espiritualidade cega e sionista. É um estado tão podre como o é outros que são achacados, e com razão, pela mídia e pelo público. Vide Coréia do Norte, Zimbabue, Irã, Venezuela e etc... Marcos Inhauser

PETULÂNCIA

O excêntrico cientista americano J. Craig Venter, e sua equipe do instituto que leva seu nome, dizem ter desenvolvido a primeira célula controlada por um genoma sintético. O estudo, publicado na revista Science, pode representar o início de uma nova era na biologia sintética e na biotecnologia. A equipe liderada por Venter havia conseguido sintetizar quimicamente o genoma de uma bactéria e feito um transplante de genoma de uma bactéria para outra. Agora juntaram as duas técnicas para criar a "célula sintética", onde apenas o genoma é sintético, mas a célula que recebeu o genoma é natural, não sintetizada pelo homem. A façanha alvoroçou a equipe e outros envolvidos na manipulação genética, ao ponto de se afirmar que "isto se torna um instrumento poderoso para que possamos tentar determinar o que queremos que a biologia faça. Temos uma ampla gama de aplicações (em mente)", disse Venter. Eles planejam criar algas que absorvam dióxido de carbono e criem novos hidrocarbonetos. Eles também procuram formas de acelerar a fabricação de vacinas, a criação de novas substâncias químicas, ingredientes para alimentos e métodos para limpeza de água. Indevidamente, houve quem afirmasse que se havia criado a vida a partir de informações genômicas guardadas em computador, o que, para os leigos, parecia computador virando vida. Mas o que me chamou a atenção foi a discussão acalorada que se deu em seguida, com cientistas apressando-se em afirmar que isto provaria que não foi Deus quem criou a vida, que ela é fruto do acaso pela aleatoriedade que permitiu que um dia, em determinado lugar, se juntassem todos os elementos indispensáveis à vida e esta surgiu espontaneamente e daí adiante por reprodução e evolução. Ouvi um deles afirmar que se Deus criou algo, o que Ele criou foi, no máximo, uma “gosma biológica” que evoluiu para se ter a vida no nível que hoje se conhece. Não estou negando nem afirmando o evolucionismo, nem o criacionismo. Estou me rebelando contra a petulância de quem se julga capaz de, com um arroubo de retórica a la Lula, decretar a inexistência de Deus. Para mim é muito mais fácil acreditar que Deus criou do que acreditar que o acaso produziu condições para que milhares, se não milhões de variáveis, se harmonizassem para que a vida surgisse. É muita sorte e acaso envolvidos. Marcos Inhauser

GOLS NA PRORROGAÇÃO

Gols na prorrogação não são fatos isolados, acontecem com certa frequência e trazem muita alegria e tristeza, dependendo do time para o qual se torce. O time ganhador verá nos minutos adicionais a providência divina para salvar o time da derrota. Para o perdedor, fica o gosto amargo de ter sido roubado, vítima de erro da arbitragem e tudo o mais que se pode atribuir ao fato. No que se refere à Copa de 2014 há indícios de que algo parecido está para ocorrer. Nas negociações para quer o país fosse o escolhido para sediar a Copa, muitas cidades se apresentaram como candidatas a sede dos jogos, com promessas de estádios construídos ou reformados, prazos factíveis estipulados, cálculo de custos com as obras, promessa de que não haveria dinheiro público na empreitada, etc. Passados meses de tais promessas, da escolha das sedes e da largada para o evento, nada ou quase nada foi feito em termos de se atender ao que prometido foi. Onde se vê alguma coisa sendo feita é na iniciativa privada, em estádios a eles pertencentes. Na esfera pública a coisa vai a passos de cágado. Em muitos casos nem a licitação ainda foi feita. Isto leva a uma prática comum nos governos municipal, estadual e federal: deixar as coisas para última hora para depois contratar sob regime de urgência, quando preços e sobrepreços sobem astronomicamente. Tal ocorreu por ocasião dos Jogos Panamericanos, quando o orçamento inicial foi estourado várias vezes e até hoje ninguém foi punido. Ao preço elevado das obras em regime de urgência, há também um relaxamento na fiscalização, porque os prazos precisam ser cumpridos e as obras devem ser levadas a “toque de caixa”. Gente extra precisa ser contratada, turnos noturnos são necessários e isto tudo favorece o desvio, a corrupção e o enriquecimento de uns poucos e financiamento de campanhas políticas. Quem acompanha os noticiários com certa acuidade, notará que as empreiteiras são alvo de denúncias constantes. São também as maiores contribuintes “por dentro” e “por fora” dos partidos e políticos. Não há mês que não apareça alguma investigação que se depare com a participação nada transparente das construtoras, sem que nunca sejam punidas. A muitas vezes pedida CPI dos Corruptores nunca saiu do papel. O lobby é poderoso e generoso. Há a denúncia de que uma delas pagou as aventuras amorosas e o sustento do filho de um senador, também exímio criador de gados, tendo tudo para ser enquadrado no Guiness pelos sucessivos recordes de produtividade animal. O senador continua lépido e faceiro, dando as cartas na república sindicalista. Marcos Inhauser

PEDOFILIA EVANGÉLICA

Tenho constatado certa alegria disfarçada entre alguns pastores e membros de igrejas chamadas evangélicas com as recentes e crescentes denúncias de pedofilia por parte de clérigos católicos. Há na atitude uma ingênua avaliação de que tal não ocorre nos arraiais evangélicos porque grande parte destas igrejas prega a santidade e seus pastores são casados. Apontam ainda o fato de que, até agora, nenhum caso foi revelado e os que o foram não ganharam repercussão. Ledo engano. Sendo minha esposa alguém que atua na área do aconselhamento e terapia familiar há mais de vinte anos, posso afirmar que os casos são bem mais constantes do que faz supor o certo silêncio sobre o assunto que paira sobre tais igrejas. Resguardado pela ética do trabalho feito, só posso afirmar que, sim, há casos de pastores pedófilos, de membros de igrejas que são abusadores e estupradores. A igreja evangélica não está livre das estatísticas que mostram ser os familiares os principais abusadores. Neste sentido mostra-se significativo a convocação para o Dia Nacional de Enfrentamento ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes para 18 de maio, no qual será feita uma marcha com o intuito de mobilizar as crianças, adolescentes, sociedade e governo, a combater essa violação de direitos. A convocatória é feita pela Comunidade do Estudante Universitário (CEU), como comunidade cristã que realiza projetos junto à comunidade universitária em Campinas, especialmente no distrito de Barão Geraldo, e a Makanudos de Javeh, ONG que atua nas escolas públicas realizando projetos que visam a reforma social pelo resgate de valores éticos. Em Campinas, os trabalhos foram iniciados na escola Hilton Federici, situada em Barão Geraldo. Também foi criado o site www.estaacontecendoagora.com. O principal objetivo da marcha em Campinas é impactar e alertar a população acerca da problemática, com finalidade de impulsionar discussões e ideias para que a sociedade e as igrejas evangélicas possam enfrentar e atacar essa realidade de maneira mais efetiva. A saída da marcha está prevista para as 10:00 horas no largo do Rosário. Além da marcha, as igrejas e pastores estão sendo convidados a introduzir o tema em suas prédicas e aulas de Escola Dominical. Marcos Inhauser

SINDICALISMO PELEGO

Ficou patente neste primeiro de maio a diferença entre os sindicatos ao redor do mundo e o sindicalismo brasileiro. O noticiário trazia manifestações em várias partes do mundo, todas enfocando direitos e reivindicações dos operários. Talvez, a mais candente delas tenha sido a dos sindicatos gregos que convocaram os operários para protestar contra o anunciado corte de salários e aumento de impostos. Tanto em Atenas quanto em Tessalônica a coisa esquentou nos enfrentamentos entre manifestantes e polícia. Na Espanha a coisa também foi movimentada. Com uma taxa de desemprego nas alturas, sindicatos chamaram às ruas para protestas contra as políticas do governo. Na Alemanha não foi diferente. Lá também a polícia teve de intervir. Países como Portugal, Suíça e Áustria também tiveram suas mobilizações e protestos por conta do dia do trabalho. Aqui, na terra da República Sindicalista, a coisa foi bem diferente. Centrais Sindicais, endinheiradas com o imposto sindical onde cada trabalhador brasileiro, sindicado ou não, contribui compulsoriamente com um dia de trabalho, fizeram festa chapa branca. Financiados por estatais, promoveram shows, sorteios e transformaram o palco das apresentações em palanque de candidatura oficial. O sindicalista-mor foi ao evento e se gabou de “nunca na história um presidente se apresentou em uma concentração de trabalhadores depois de sete anos de governo”. Dinheiro público, via estatais e bancos, pagaram a conta de um sindicalismo que tem seus dirigentes e ex-dirigentes lotados nas Diretorias de Estatais, ganhando polpudos subsídios pela contribuição que dão nestes Conselhos Deliberativos. Tente saber onde estão estes sindicalistas. Vamos a alguns exemplos: Jair Meneguelli ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC foi promovido Presidente do Conselho Nacional do Sesi. Heiguiberto Navarro, ex-presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC é assessor do Secretário Nacional de Estudos e Políticas da Presidência da República. João Vacari Neto ex-presidente do Sindicato dos Bancários de São Paulo é membro do Conselho Nacional de Itaipu. Paulo Okamoto, ex-tesoureiro da CUT é presidente do SEBRAE. Luis Marinho, ex-presidente da CUT, acabou virando ministro da Previdência e atualmente é prefeito de São Bernardo. Wilson Santarosa, do Sindicato dos Petroleiros de Campinas, é gerente de comunicação da Petrobrás e membro do Conselho Deliberativo da Petros. João Antonio Felício, ex-presidente da CUT é membro do conselho do BNDES. O Vicentinho virou prefeito Outros mais poderiam ser citados. Salário médio destes novos dirigentes do capitalismo de Estado: R$ 25.000,00 mensais. Deste jeito fica fácil achar patrocínio oficial para os convescotes de primeiro de maio, pois estão todos lotados em áreas “estratégicas”. O sindicalismo chapa-branca e pelego se transformou na militância político partidária, com dirigentes pelegos apoiando a candidata oficial. Marcos Inhauser

RUIM DILMAIS

Estava girando os canais da televisão para encontrar algum que estivesse dando notícias e eis que me deparo com o programa do Datena (na minha opinião, devia ir para o Guiness pela capacidade de repetir as mesmas frases ad nausean). No início, confesso que não a reconheci. Quando a reconheci, fiquei com dó. Mais parecia a Dona Xepa. Um figurino do tipo comprado em camelô, uma postura de quem estava desconfortável. Fui forçado a reconhecer que era ela, a candidata nascida a fórceps. Sua presença, postura e fala foram ruins dilmais. Ela parecia mais um ET que uma candidata a presidente. Senti insegurança, desconforto e falta de molejo para responder às perguntas. Sofrível. Comecei a me perguntar o que será do horário eleitoral gratuito. Aguentar o Serra tentando ser professor, a Dilma vendendo ser cria do Lula (mas que nem com DNA se acha traços de parentesco), a Marina com seu discurso monótono-ambietalista. As perspectivas de se melhorar o quadro com os vices parece que também que está fadada ao enfadonho. Temer, Dornelles e Guilherme Leal. Deste jeito, a cada programa que assistir, vou tomar um Prozac. Mas a cara de ET da Dilma deve ser vista junto com algumas outras coisas. A cara que ela tem hoje, não é a cara que ela tinha e deveria ter ao natural. A plástica que fez mudou a cara (acho que o mesmo cirurgião plástico que fez as plásticas da Elza Soares fez a da Dilma e a da primeira dama). O seu currículo acadêmico também passou por uma plástica, que arredondou formas incluindo um doutorado em Ciências Econômicas na Unicamp que nunca fez. Depois soube-se que seu relatório sobre as obras do PAC também tinham cirurgias plásticas, indicando realizações não feitas. Nas andanças com o gurumór, inaugurou obras inacabadas, plástica de mostrar o que não existe. O PAC2 rejuvenesce obras do PAC1, outra obra plástica. Nestes dias descobriu-se que ela é ruim dilmais também na net: colocou em seu site (http://www.dilmanaweb.com.br/) uma foto de juventude que não é sua, mas da Norma BengelL, participando de passeata no Rio. Os desavisados vão engolir gato por lebre e achar que ela é quem está na foto do meio, porque a da esquerda e da direita são dela. Confesso que recebi outra foto da Dilma, em uniforme militar e com um charuto na boca. Nesta ela estava mais à vontade que diante das câmeras do Datena e mais natural que a foto da Norma Bengell. Parece que o povo simples é quem está com a razão: é a Vil-má Duxefe! Marcos Inhauser

PALAVRAS MÁGICAS

Quero falar palavras mágicas. Quero falar da educação com sua realidade de um sistema educacional elitizante, gerado por empresários-educadores, que vendem a peso de ouro o diploma que habilita ao exercício de uma profissão, pago às custas da fome dos filhos, embrulhado com palavras mágicas como "doutor", "bacharel", etc.. Quero colocar minha inquietação com o currículo que se obedece nos anos de estudo, quando ensinam palavras mágicas como "competição", "competência", "excelência", "carreira profissional". Ensinam a obediência a processos, mas sem nos alertar que procedimentos, normas, princípios, podem ajudar na execução ou amarrar e escravizar. Fazem-nos entendidos em processos, mas não em pessoas. Ensinam-nos a lidar com as palavras, mas não nos mostram como trabalhar com o próximo. Um ensino que não nos leva a ver no próximo, ser humano, imagem e semelhança de Deus, mas a considerá-lo funcionário, cliente, paciente. E cliente é palavra mágica: ela provoca o aparecimento do dinheiro. Dinheiro, palavra mágica. Tem o poder de comprar o direito e de assassinar a justiça. Compra pareceres, fabrica laudos, acelera o andamento processual, mas também pode paralisá-lo. Compra favores, corrompe, lubrifica engrenagens burocráticas, aluga horas de carícias e amor. A palavra dinheiro transforma pessoas em milionários. A palavra dinheiro abre portas antes fechadas, incrementa o número de amigos. Pobre. Eis aqui uma palavra, a única talvez, que não seja mágica. A palavra pobre não tem poder, não cria coisas, não abre portas. Pobre não é cliente: é paciente; não é cliente: é réu. O pobre não tem advogado, tem "assistência jurídica" que a magia das palavras dos ricos transformou em "justiça gratuita". Mas a magia das palavras revela coisas. Se há "justiça gratuita", há "justiça paga”, e seria isto eufemismo para "justiça comprada"? Pobre. Objeto de desprezo, pessoa jurídica portadora de deveres e obrigações, nunca de direitos. Elemento indesejável nas ante-salas de consultórios e escritórios. Palavra amorfa e inócua. Pobres não tem casa, terra, comida, saúde, médico. Não tem direitos, não recebe justiça, não tem advogado. Advogado. Palavra com apelo: provém de "ad" mais "vocare" no sentido de "chamar ao lado de", "chamar para estar junto de". A idéia está ainda mais clara no grego "parácleto", que comporta a idéia daquele que ajuda, anima, intercede, defende a causa alheia". Advogado, portanto, está mais para sinônimo de amigo, na dimensão daquele que se dá a favor do próximo, principalmente o próximo necessitado. Advocacia é algo muito próximo do sacerdócio, do ministério de servir, de amparar necessitados, de lutar pelos direitos de outrém. Ocorre que, pela prática de alguns (e o plural aqui é significativo porque abrangente) conseguiram a mágica de transformar a advocacia, sinônimo de amizade e sacerdócio, em algo que induz a pensar em trambique. Advocacia-sacerdócio e advocacia-amizade aprende-se nos bancos escolares e no convívio com mestres e profissionais do Direito que vivem a realidade da verdadeira advocacia. Quais verdadeiros sacerdotes e amigos, servem eles de exemplo e modelo. Marcos Inhauser

quinta-feira, 15 de abril de 2010

A MAGIA DAS PALAVRAS MÁGICAS

Eu não entendia bem. Era muito prá minha cabeça: por que tanta celeuma sobre o orador da turma? A minha confusão aumentou ainda mais quando decidiram pedir uma prévia aos possíveis oradores. Eu me perguntava: prá que tanta coisa, tanto medo, tanto controle se o que orador fará é ir à frente, num dia de festa, prá dizer algo a um auditório desatento e a formandos em vias de despedir-se? Prá mim, ser orador da turma era o cumprimento de uma formalidade, um dizer por dizer, um falar às paredes. Mas se o orador da turma profere discurso tão inócuo quanto eu cria, era muito prá minha cabeça o processo que estávamos vivendo prá ver se me deixavam falar às paredes no dia da formatura. Então surgiu-me a suspeita de que, ainda que nem todos ouçam o que diria, isto tem poder muito grande sobre os que prestam atenção. Poderá ser pequeno frasco com poderoso veneno ou suave aroma reconfortante. Se pode ser veneno ou perfume, o problema se resume nas palavras empregadas. Tudo vai da escolha certa das palavras para o momento certo. Seria julgado se escolhi bem ou mal as palavras. Mais recentemente pensei que estas meditações antigas se aplicavam também a escrever semanalmente esta coluna. Palavras. Proferir ou escrevê-las. Esta é a minha missão. Tenho consciência de que usar palavras transcende ao emitir sons ou grafar com tinta. Não é o concatenar palavras de forma a dar sentido ao que falo. O mundo das palavras é um mundo mágico, que faz aparecer o oculto, cria sensações, ilude, esconde. Magia é a tentativa humana de manipular os deuses. Palavras mexem com os deuses e eles podem não gostar. Palavras tiram os véus que encobrem e trazem à luz o que estava oculto e isto pode não agradar. Palavras revelam, diagnosticam, amaldiçoam e bendizem, fazem revoluções e guerras, celebram acordos, estabelecem a paz. Palavras provocam iras e paixões; amor e ódio; ofendem e acariciam; destroem e constroem. Palavras constroem mundos, realizam sonhos, concretizam a Utopia. Compram votos com oferta de empregos. Palavras entram no coração do ser humano. Palavra, a maior ferramenta que alguém possui, traço indelével da obra criadora de Deus. Não emito sons. Não falo às paredes. Não sou orador porque orador é quem fala bonito, esperando o aplauso e o elogio ao final da fala. Não discurso. Discurso é próprio de palanque, onde a verborragia fácil vende ilusões, qual camelô vendendo ervas medicinais. Gosto da magia. E qual mágico que de sua cartola e fraque tira coisas escondidas, quero também eu tirar da cartola do meu coração inquietações, coisas que muitos não sabem que lá existem. Qual mágico, quero tirar para fora do meu coração, não as pombas brancas, meigas e dóceis, mas a dura realidade de um país onde uma minoria de latifundiários, banqueiros e empresários mata à fome parcela da população, usando para escamotear a realidade palavras mágicas como "justiça social", "reforma agrária" "desenvolvimento", "produtividade" e outras mais. Marcos Inhauser

terça-feira, 6 de abril de 2010

PEDOFILIA E RELIGIÃO

Os recentes casos de pedofilia que vieram a público envolvendo sacerdotes são coisas que vão saindo das catacumbas do silêncio dos que sofreram, exigindo a abertura dos arquivos canônicos dos que se silenciaram. Quando o pedófilo é um religioso, seja ele sacerdote católico, pastor evangélico, pai-de-santo, ou seja lá o que qual título tenha em função de sua função religiosa, a figura do sagrado e o simbólico que se encarnam nestes líderes têm uma forte carga emocional e religiosa, desequilibrando as relações de poder entre estes e seus fiéis. As palavras dos religiosos, no imaginário dos fiéis, estão muito próximas de ser “vox Dei”. Eles falam em nome de Deus e muitos falam e agem como se deuses fossem. Esta aura do sagrado que acompanha a figura do religioso é também compreendida pelo imaginário popular associada à santidade dos atos, palavras e pensamentos. Por conseguinte, quando um religioso faz uma abordagem sensual ou uma investida sexual, há nesta sua ação um poder muito maior que a mesma ação feita por um leigo ou não religioso. A investida clerical tem a capacidade de apresentar-se como algo divino, sagrado, isento de culpa ou pecado. No imaginário de quem sofre a investida, pode ocorrer a idéia que aceder às insinuações ou investidas sexuais de um religioso é forma de agradar a Deus, porque se está agradando a um “servo de Deus”. Assim, o ato hediondo pode revestir-se de sacralidade e o pecado do abuso ser entendido como salvação. Um dado a ser considerado neste contexto é que muitas vezes os religiosos manejam informações passadas em confessionários, aconselhamentos ou sessões. Nos casos mais recentes que se conhece, havia a condição de internos em instituição ou de coralistas. As pessoas procuram religiosos para abrir a eles problemas, dificuldades, traumas, abusos. Elas se expõem a eles no desejo sincero de serem ajudadas, orientadas, ouvidas, entendidas, amadas. Muitas confessam suas fraquezas, tropeços, necessidades, carências. O uso indevido destas informações, especialmente para valer-se delas em uma investida sexual, é algo tão ou mais ignominioso que usar sedativo para entorpecer a vítima. Quando esta investida se dá com crianças ou adolescentes a coisa se torna monstruosa. Se no imaginário de pessoas adultas já há a possibilidade de confundir e misturar a pessoa humana com o sagrado que ela representa, o que não passará na cabeça de crianças que sofrem a investida de um “servo de Deus”? Elas foram ensinadas que os religiosos são pessoas sérias, confiáveis, que exigem certos comportamentos de seus fiéis, como não roubar, não matar, não mentir, honrar pai e mãe. Mas eles nunca ouviram de púlpito que não podiam ser abraçados, tocados ou beijados pelo sacerdote, pastor ou religioso, mesmo porque estes temas são proibidos nos púlpitos e nas classes de catequese ou estudo bíblico. Marcos Inhauser

IGREJA DOS ESCÂNDALOS

Há quem se assuste com recentes episódios escandalosos envolvendo as igrejas. Nestes dias, as acusações de pedofilia contra clérigos católicos, acusações que remontam quase duas décadas e que já obrigou a Igreja Católica a fazer acordos, chegou bem perto do papa. Na Alemanha, Irlanda, Bélgica Estados Unidos e Brasil, pipocaram denúncias e surgiram possíveis vítimas de tais abusos. No entanto, parece-me que muitos há que se esquecem de algumas coisas relacionadas a escândalos e a igreja. Se olharmos para a narrativa evangélica vamos perceber que o ato maior da vida de Cristo se deveu a um escândalo: no círculo mais próximo a Jesus, um seu discípulo roubava e o vendeu por trinta moedas de prata. Mais adiante um pouco, quando a igreja dava seus primeiros passos houve o escândalo de Ananias e Safira, que mentindo, retiveram parte do produto da venda de um imóvel. Um pouco mais adiante, vamos encontrar o escândalo das viúvas dos helenistas que estavam sendo preteridas na distribuição da comida, o que levou a igreja a criar o diaconato. Há ainda o caso do mago Simão, que quis comprar o dom do Espírito para com ele ganhar algum dinheiro, gerando o termo “simonia”, mais tarde usado para os que vendiam ou compravam postos eclesiásticos e por causa disto amealhavam fortunas. Cito estes casos para ficar nos bíblicos. Se fosse percorrer a história da igreja, poderia elencar uma infinidade de escândalos envolvendo clérigos, leigos e a instituição igreja. À luz destes fatos, os recentes escândalos do “apóstolo e a bispa” (sic) flagrados com entrada ilegal de dinheiro nos EUA, as muitas acusações feitas pela Receita e Polícia Federal à maneira como a IURD maneja seus fundos, as rádios “evangélicas piratas”, a compra a peso de ouro de tempo nas televisões, as acusações de desvio moral contra líderes das igrejas, nos colocam em xeque. Por outro lado, estes episódios, tantos os bíblicos como os não registrados nas Escrituras porque mais recentes, mostram que a Igreja, no que pese sua aludida origem divina, é formada de seres humanos e estes são tão falhos como se na igreja não estivessem. Mas o fato de cometerem o que cometem sendo membros das igrejas, não devem ser protegidos nem escondidos, mas devem receber exemplar punição, o que, não tem acontecido. Se a igreja não o faz, perde sua credibilidade e claudica na sua função profética. A Igreja é divino/humana, mas os escândalos são totalmente humanos, mesmo que alguns queiram atribuir tais obras a Satanás.

terça-feira, 23 de março de 2010

DE RAINHA A RELES Já foi o tempo em que a teologia era a Rainha das Ciências. Nos idos tempos da Idade Média, a ciência era medida como verdadeira pela sua consonância com os ensinamentos da Igreja. Quando discordava da teologia, morte aos hereges era a sentença, haja visto o que aconteceu a Galileu, entre outros. Já foi o tempo em que a Igreja reinou soberana e entronizava e destronava reis, promovia a Inquisição e não era questionada pela sociedade. Os poucos que a isto se aventuravam eram condenados. Lá se vão os tempos em que a teologia e a Igreja ditavam o que podia ou não ser lido, criando o Index, relação dos livros e autores proibidos. Idos são os tempos em que, como representante de Deus na terra, por ser Ele o Criador de tudo, a Igreja era a autoridade visível a administrar tal propriedade divina. Para tanto, a Igreja expedia autorizações para que os “descobridores” pudessem entrar em novas terras e dela se assenhorear, por terem a permissão divina via Igreja. A Igreja, ao longo dos séculos foi perdendo sua autoridade e vigência. Primeiro foi o questionamento feito por Lutero e os reformadores da autoridade espiritual da Igreja em perdoar pecados. Depois, o marco mais claro desta derrocada foi o Iluminismo, que questionou as verdades da fé, dos milagres e da própria existência de Jesus como divino. Junte-se a isto que o religioso Isaac Newton, com a lei da gravidade tirou o Deus que sustentava as estrelas e astros no céu, e reduziu-O a uma fórmula. Mais tarde, Marx tirou Deus da história e Freud o tirou de dentro do ser humano. Assim, com início no século XIX, a igreja veio perdendo seu espaço, vigência e poder na sociedade. A Rainha das Ciências se enrolou ao entender o que acontecia no mundo. Movimentos fundamentalistas e conservadores, tanto na Igreja Católica como nas Protestantes, ao invés de pensarem a fé como resposta ao mundo em que viviam e tentar dar respostas às perguntas que o momento histórico planteava, se limitaram a repetir antigas fórmulas teológicas e teólogos, como se Agostinho, Lutero, Calvino e Tomás de Aquino fossem os últimos iluminados. O advento da fragmentação religiosa que o mundo viu surgir, com o surgimento dos mais variados modos religiosos cristãos, notadamente os de corte pentecostal e neo-pentecostal, trouxe à tona uma miríade de “pregadores de abobrinha”, gente sem nenhuma formação bíblico-teológica, analfabetos bíblicos e que mal compreendem o que lêem, que tem tido acesso às rádios e televisões, vociferando suas “verdades” como se Vox Dei fossem. Arrogantes, petulantes e impostores, deram a pá de cal no sepultamento da credibilidade da Igreja. Gananciosos, transformaram a pregação em venda do sucesso, da riqueza fácil, anunciaram que “o fim justifica os meios” e a riqueza pessoal foi construída às custas das ofertas dos incautos. Ser Igreja hoje é ser vitrine para o escárnio, para a zombaria, para a desconfiança. Não fosse o profeta Jeremias quem disse que “ai de mim se me calar, porque tua voz me queima por dentro” e “fostes mais forte que eu e prevalecestes”, eu já teria pendurado as chuteiras. Marcos Inhauser

terça-feira, 16 de março de 2010

DECLÍNIO DAS IGREJAS

O movimento de “crescimento da igreja” nasceu nos EUA e se propagou mundo afora. Passados alguns anos de euforia, avaliações recentes tem mostrado que “apesar dos milhões de dólares em mídias, milhões de participantes, milhares de preletores, milhares de clínicas, simpósios, conferências, congressos e centenas de métodos e estratégias de marketing, as receitas para crescimento de igreja prescritas pelos norte-americanos não estão funcionando para eles mesmos”. Só as Assembléias de Deus nos EUA cresceram. Todas as demais igrejas históricas perderam membros, segundo relata o Anuário das Igrejas Americanas e Canadenses de 2010. Segundo a publicação, a Convenção Batista do Sul, segunda maior denominação dos EUA e por muitos anos uma das responsáveis pelo crescimento dos evangélicos, relatou um declínio no número de membros pelo segundo ano consecutivo, com menos 0,24%. O Anuário também relata declínio contínuo na membresia de praticamente todas as denominações. A Igreja Católica sofreu perda de 1,49%. A situação pode ser ainda pior, pois onze das 25 maiores igrejas não atualizaram seus relatórios. Entre elas: a Igreja de Deus em Cristo, a Convenção Batista Nacional e a Convenção Batista Nacional da América, respectivamente a 5ª, 6ª e 8ª maiores denominações nos EUA. Ainda mais crítica seria a situação se a maioria dos imigrantes não fosse oriundos de países com fortes tradições religiosas e que tem dado mais consistência a estes números. Mesmo as Assembléias de Deus cresceram tímidos 1,27%, de acordo com valores apresentados no Anuário. As igrejas com maiores percentuais de declínio são: a Igreja Presbiteriana dos EUA, com -3,28%; as Igrejas Batistas Americanas nos EUA, -2,00%, e a Igreja Evangélica Luterana na América, -1,92%. Os números relatados no anuário 2010 foram coletados pelas igrejas em 2008 e enviados ao Anuário em 2009. Segundo Julia Duin, editora de religião do The Washington Times, o percentual da população americana que é membro de alguma igreja – incluindo mórmons e testemunhas e Jeová, alcança hoje 49%, totalizando 147,3 milhões, pouco menos de metade da população americana". No Canadá, o quadro é ainda mais dramático. Mantido o percentual de declínio, que hoje totaliza 13.000 membros/ano apenas na Igreja Anglicana, em 2061 só haverá um só anglicano no país. (As informações acima foram retiradas da Revista Soma em artigo escrito por Philippe Leandro). Minha experiência em contato com vários líderes de denominações históricas me mostra que a situação no Brasil não é diferente. Ainda que não tenhamos números precisos o bastante para nos dar uma visão mais clara, há a constatação generalizada de declínio também nos vários ramos presbiterianos, metodistas e luteranos. Talvez os Batistas não enfrentem a coisa mais agudamente, mas creio que é questão de tempo. O que tem levado a isto? Uma pergunta que tentarei refletir e responder na próxima coluna. Marcos Inhauser

segunda-feira, 15 de março de 2010

CORPO ESQUARTEJADO

Não foram poucas as vezes em que, tendo buscado atenção médica para um problema de saúde, me senti esquartejado. Cada médico cuidava de uma parte de mim e não via ninguém me vendo como um todo. O advento das especialidades médicas teve o condão de dar a cada especialista mais conhecimento sobre uma porção cada vez menor do corpo humano. De uma experiência de internação, cirurgia, infecção hospitalar e convalescência prolongada, fiquei com outra sensação de mal-estar: eu era paciente, não um ser humano completo. Era o paciente da gastro, não o ser humano inteiro. Revisei uma tese doutoral no ano passado onde a autora traz esta inquietação à tona e o faz a partir da sua prática no campo da fisioterapia. Recusando a prática de tratar o paciente como uma pessoa lesionada em uma das partes de seu corpo, percebeu que este mesmo ser humano que ali estava tinha uma vida, relações familiares e sociais, sentimentos, auto-estima, sonhos, frustrações, medos, ansiedade e que este conjunto de variáveis interfere de maneira consciente e inconsciente no tratamento e na recuperação. Na busca de uma abordagem holística, ela percebeu que quanto mais cuidava do ser integral e não somente da parte lesionada, melhores e mais rápidos eram os resultados. Esta sua experiência relatada de forma clara, objetiva, desafiadora, fazendo-o no campo conceitual traz o relato de suas experiências na clínica. Ao sua tese notei o quanto a medicina e ciência correlatas deixaram de lado o humano para tratar do paciente. Esta é a reclamação mais constante do atendimento na rede pública de saúde. Não há quem, tendo mais idade, não sinta saudades do médico de família, aquele que atendia a todos e a tudo, mas que ao entrar no seu consultório, nos conhecia pelo nome e se lembrava das coisas que tivemos e, como que tivesse uma bola de cristal, já sabia por que ali estávamos. Tive a felicidade de ter alguns destes médicos para me atender e a meus filhos e esposa. Dois pediatras, que mais que médico eram amigos, são até hoje procurados pelos meus filhos quando se defrontam com algum problema com seus filhos. Mesmo a filha que mora na China, vira e mexe liga para o Tio Moimando (que é como eles o chamavam como crianças). Já falei aqui do dr. Luís Belintani que atendeu minha filha e possibilitou que ela nos desse a benção de um neto e uma neta e que salvou a outra de complicações seríssimas. Em outra oportunidade falei aqui do Dr. Brasilino (se não erro o nome) que se interessou por um problema de minha filha e fez dela um estudo de caso. Mas ainda tenho o Dr. João Carlos (cardio), o Lysias (Uro) e o Edson (gastro e cirurgia), o Danilo (psiquiatra). Mais que médicos, são amigos. A eles minha gratidão. Marcos Inhauser

terça-feira, 2 de março de 2010

SILÊNCIO CRIMINOSO

A antiga literatura semítica de cunho sapiencial valoriza o silêncio como expressão da sabedoria. Há um verso bíblico diz que “o falar é prata, mas o calar-se é ouro”. Tiago, mais tarde, diz que “quem refreia a sua língua sábio é”. Na história da devoção e da espiritualidade há uma forte ênfase no silêncio e na contemplação. Os mosteiros e conventos se prezavam pela preservação desta atmosfera silenciosa, porque o barulho e as palavras podem distrair. Também, e por diversas vezes, critiquei nosso guia mor pela sua verborragia, afirmando que ele fala demais, e quem fala demais dá bom dia a cavalo. Citar as vezes em que o mesmo fez isto já foi objeto de livros escritos com as pérolas da incontinência verbal do sindicalista mor. Ele seria muito mais sábio e sóbrio se refreasse a língua. Ocorre que, a mesma literatura semítica introduz um aspecto no qual o silêncio não deve prevalecer. Em um texto sacerdotal, se afirma que “quando alguma pessoa pecar, ouvindo uma voz de blasfêmia, de que for testemunha, seja porque viu, ou porque soube, se o não denunciar, então levará a sua iniqüidade.” (Lev 5:1). Segundo este preceito, calar-se diante do pecado, da injustiça, da blasfêmia é ser conivente e copartícipe do pecado. Pois isto ocorreu neste dias com o nosso guru. É de sobejo sabido que este governo tem suas afinidades ideológicas e afetivas com o regime da ilha de Fidel Castro. Lá há dissidentes políticos que são prisioneiros e o são porque nenhuma ditadura aceita a crítica, a oposição consciente e consistente. Liberdade de expressão não é o forte do regime castrista. Um desses prisioneiros fez greve de fome por oitenta dias e morreu no dia em que nosso guia estava chegando à ilha. Houve uma condenação geral por parte de governos e estados. O nosso, bem ao estilo lulista, tergiversou e acabou por condenar a greve de fome como instrumento de pressão política. Que o prisioneiro tenha morrido não é de estranhar. A violência contra a dissidência na ilha é forte e constante, haja visto o que fizeram com a bloqueira Yoani Sanchez e seu esposo. Mas que o presidente tenha se calado diante desta brutalidade foi tão absurdo quanto a desculpa dada por Raúl Castro de que os Estados Unidos eram os responsáveis por esta tragédia. O guru fala quando não deve falar, fala o que não deve falar, mas quando deve falar, fica calado. Este silêncio é criminoso. Marcos Inhauser

sábado, 27 de fevereiro de 2010

PARCERIA BENÉFICA

Graças à obstinação da presidente, Cláudia Filatro, da colaboração voluntária do Gustavo Martins e da Ana Paula Gomes, e certamente de outros mais, a ONG Pró-Crianças e Jovens Diabéticos, de Campinas, foi selecionada pela Oi Futuro para a parceria de patrocínio do Projeto ZELOUS. Será assim desenvolvido software de domínio público a ser distribuído livremente, visando atender as necessidades específicas do tratamento preventivo do diabetes tipo 1, em crianças e adolescentes de baixa renda. Estará pautado nos conceitos da promoção do tratamento preventivo, da vigilância da saúde no domicilio, da visão integral do paciente e família, acompanhamento domiciliar automatizado e interligado por parte da ONG JD ou equipes de saúde do SUS. O sistema prevê a utilização do celular como ferramenta de apoio para promoção do tratamento preventivo do diabetes tipo 1 em nível domiciliar, onde o Paciente e/ou Cuidador, receberá mensagens via SMS dos cuidados diários a serem observados. O sistema permite ainda que o Cuidador ou Paciente envie as taxas glicêmicas para a central que, em tempo real, monitorará o estado de saúde dos pacientes, disparando sistema de alertas pré-programados para o profissional de saúde responsável, possibilitando o gerenciamento remoto e o tratamento preventivo nas crises agudas. Os impactos no sistema de saúde serão grandes, já que o ZELOUS permitirá o monitoramento dos pacientes por meio do exame de hemoglobina glicada, que estará atrelado ao CRM do médico que acompanha o paciente. Assim se poderá avaliar todo o processo que o portador da diabetes tipo 1 passa. O software possibilitará o telemonitoramento, sugerindo os horários corretos de ingestão de alimentos e medicamentos; a inserção das taxas glicêmicas pelo paciente via SMS; o gerenciamento das crises agudas via SMS; a junção no prontuário eletrônico dos dados médicos, socioeconômicos e psicossociais do paciente e seu núcleo familiar; o acompanhamento domiciliar automatizado e interligado; a flexibilidade para atualizações das condutas médicas; o acesso remoto público aos dados estatísticos. Conterá ainda um módulo de tele-educação, que será um site que qualquer pessoa poderá acessar para assistir a palestras, seminários, cursos e treinamentos online, usando recursos multimídia, como vídeo e audioaulas gravadas, lições interativas, filmes, etc. Essa iniciativa tem como objetivo aumentar a qualidade e diminuir erros potenciais na atenção especializada e cuidados domésticos da criança diabética. Não é necessário esforço para perceber o benéfico que a parceria é e será e o quanto ajudará a familiares e pacientes. Os desafios para a produção deste material são grandes, mas certamente saberá enfrentar dos desafios com a mesma determinação e obstinação que a tem caracterizado até aqui. Marcos Inhauser

quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010

ACABOU

Para quem não gosta de Carnaval, a chegada da quartafeira de cinzas é algo abençoado. E as razões para isto são muitas. A primeira delas é que acabam as apresentações da mesmice na televisão, com o desfilar de pessoas, muitas bebendo ou bêbadas, ou de fantasias as mais elaboradas até às mais ridículas. O segundo motivo é que o desfile das escolas de samba, para quem não curte a coisa, é a variação da mesmice, com o cantar repetitivo e monótono dos sambas enredo. Confesso que, mesmo tentando colocar atenção aos enredos que cada escola apresenta, parece-me que as coisas são sempre as mesmas, variando os carros alegóricos. O terceiro é que, acabado o Carnaval, parece que o brasileiro se dá conta de que tem que trabalhar para sobreviver. Ouvi certa vez de um latino americano que falava arranhadamente o português de que “no Brasil, do Natal ao Carnaval é puro bacanal”. É impressionante como as empresas, repartições públicas, projetos, execuções são adiadas para “depois do carnaval”. Há uma inanição cultural no verão. É verdade que trabalhar em pleno verão com tantas praias e com o calor que faz e que, especialmente este ano foi às alturas, não é nada prazeroso. O quarto é que, acabado o Carnaval, parece que as pessoas se dão conta de que a vida normal é mais sensata, regrada, disciplinada, com horários e afazeres, deveres e responsabilidades, mais cidadania. O quinto é o desfile de pré e eternos candidatos usando dos festejos para aparecer e fazer média com o público. Neste quesito a candidata da república sindicalista foi campeã. Visitou tudo o que pode, carregou criança no colo, dançou com gari na avenida e posou ao lado da Madona. O outro, Serra, mais discreto é verdade, também fez questão de aparecer em Salvador e Recife, como para fazer média com os nordestinos onde sua penetração como candidato é pífia. O sexto é a licença para o vandalismo que alguns sentem que o Carnaval dá. A julgar pela quantidade de ônibus depredados em Campinas e que não creio seja característica desta terra, há os que soltam o seu lado animalesco depredando o transporte que irão usar nos outros dias do ano. Parece que a racionalidade se perde e a lógica não se aplica ao não perceberem que ao depredar estão trazendo prejuízos a si mesmo e à população como um todo. E para concluir, agora se pode dormir sem o barulho dos trios elétricos que infernizavam a vida da gente. Mesmo morando longe do palco das ações, não podia deixar de ouvir o infernal barulho que tais máquinas de decibéis faziam noite adentro. Tenho meu direito ao sono restabelecido. Marcos Inhauser

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

PROFISSIONAIS DA MISÉRIA

Há alguns anos vi uma matéria sobre uma família de migrantes que veio a São Paulo tentar a sorte. O chefe da família tinha um irmão, o endereço dele, mas não o encontrou porque havia mudado. Sem saber o que fazer, ficou com a família na antiga Rodoviária de São Paulo, recebendo ajudas para sobreviver. O assunto foi para a televisão, o irmão foi localizado e o sujeito continuou na rodoviária. Ele o fez por orientação do irmão que percebeu que ele, na rodoviária, ganhava três vezes mais que qualquer trabalho que viesse a arrumar. Lembro-me desta história toda vez que vejo os profissionais da invasão de terras. Vivem de acampamento em acampamento. Tem cesta básica, escola para os filhos, uma ajuda por fora dos dirigentes, e a comiseração da população. Note que falo dos profissionais da invasão. Há ainda os profissionais do desemprego. Dias destes ouvi a conversa de um jovem dizendo que faltava uma semana para completar um ano de empresa e ia pedir para ser mandado embora. Ele alegava que com o dinheiro que receberia daria para viajar no Carnaval e depois ia entrar no seguro desemprego e depois tinha o PIS. Quando acabasse o dinheiro a que tinha direito, buscaria outro emprego. Recebi dia destes um e-mail com as alegações de uma pessoa que não trabalhava, mas conseguia sobreviver com as Bolsas do governo. Também recebi outro com relação das bolsas mais caras do mundo, e ao final citava o Bolsa Família ao custo de 4 bi. Conversei com um fazendeiro da região norte de Goiás que me afirmou estar enfrentando problemas com mão de obra, pois preferem viver pendurados ao Bolsa Família a trabalhar no pesado. Hoje conversava com uma pessoa que conhece bem as favelas e o que ele me dizia me fazia lembrar de uma assistente social de São Paulo, muito amiga, e que assessorou algumas das primeiras damas do município. Elas me falavam dos profissionais da favela, gente que vive ali porque tem mais apoio do poder público que se morasse em outra parte. Gente que sabe tirar proveito da situação e faz disto uma profissão: a de lamentar a miséria como forma de arrecadar fundos. A miséria pode ser uma profissão. Para desgraça dos verdadeiros miseráveis, que precisam da solidariedade e são roubados pelos profissionais. Marcos Inhauser

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

ACIMA DA LEI

Não é de hoje que tenho visto religiosos folgados. Lembro-me de que, certa feita em um restaurante rodízio em Limeira em companhia de alguns estrangeiros, vi parar uma van com vidros fumê, ar condicionado e descer alguém que veio falar com o dono do restaurante. Em seguida abriu-se a porta lateral e vi que estavam com a televisão ligada e um religioso, em trajes religiosos, entrou para também conversar com o dono. Depois de um tempo eles se foram. Perguntei mais tarde ao dono o que eles queriam e ele me contou que alegavam ser religiosos de uma irmandade que fez voto de pobreza e que queriam comer um rodízio, mas queriam que isto fosse uma oferta da casa. A cada pouco vejo na mídia reclamações de vizinhos de determinadas igrejas, sejam elas “evangélicas ou católicas”, reclamando do barulho que fazem, mesmo depois das dez da noite. Cansei de ouvir pastor dizer que estão querendo impedir o culto ao tentarem silenciar as igrejas. A lei do Psiu em São Paulo caiu por pressão da bancada evangélica. Para estes, as igrejas estão acima da lei. Ontem fomos noticiados que um grupo de dez membros de uma igreja batista estava saindo do Haití com um ônibus cheio de crianças, sem que houvesse qualquer autorização legal para fazê-lo, em ato mais próximo do seqüestro que da solidariedade. Dando a eles o benefício da dúvida, no mínimo foram imprudentes ao tentarem ajudar passando por cima das autoridades e do mínimo de organização que ainda há no país. Se o fizeram de boa fé, é porque acreditavam que a ação era eticamente aceitável e acima de qualquer lei ou procedimento. E, acima de tudo, se era uma igreja através de dez dos seus membros que estava promovendo a ação solidária, quem poderia impedir tal gesto de amor? Conheço a República Dominicana, conheço a fronteira com o Haití e, acima de tudo, conheço o drama dos haitianos ilegais, o que já mereceu comentários em uma de minhas colunas este ano (Sem poder ficar, nem sair). Não imagino que a situação delas seria muito diferente na vizinha república. Por outro lado, por se tratar de uma igreja fundamentalista dos EUA, não me estranharia se houvesse um sentido messiânico nesta empreitada. Estavam resgatando crianças das garras do demônio do vudu, prática amplamente aceita. E para isto, a guerra não era contra carne e sangue, mas contra principados e potestades celestiais. Pena que autoridades de carne e osso foram as que pararam a cruzada missionária, por desobedecerem leis ordinárias de uma nação em frangalhos. Não havia nada espiritual a impedi-los, mas leis que deviam ser observadas. Marcos Inhauser

BALAS BÍBLICAS

Confesso que não acreditei. Reli algumas vezes para engolir a coisa, o que o fiz pela seriedade da fonte e pela riqueza de detalhes: “o armamento dos soldados dos Estados Unidos, especialmente os usados no Afeganistão e Iraque, trazem inscritos versículos bíblicos”. O general David Petraeus, encarregado das operações militares, comentou que “é una preocupação séria para mim e outros comandantes o fato de que o armamento enviado e que as armas doadas para o treinamento do exército iraquiano tragam inscritos trechos bíblicos retirados do Novo Testamento”. Tais passagens são visíveis em locais como as miras telescópicas. Versículos como “Eu sou a luz do mundo, quem me segue não andará em trevas” ou “quem das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo” A empresa Trijicon Inc. foi quem desenvolveu esta prática e ela é usada há mais de trinta anos, sem que ninguém até agora reclamasse. Com ela se dava a mensagem de que, cada vez que um soldado americano utilizava o armamento contra o inimigo, era o próprio Deus quem estava abençoando ou orientando tal tiro. Stephen Bindon, presidente da empresa, se comprometeu em enviar novos rifles e armamentos, e afirmou que esta sua decisão “é prudente e apropriada”. Eu achei que já tinha visto de tudo na vida e que a capacidade de usar da fé para explorar e justificar ações já estivesse esgotada. Confesso, no entanto, que esta me pegou de jeito. Pacifista convicto, que crê que o evangelho é em sua essência a paz com Deus, com o próximo e com a criação, nunca imaginaria que se poderia colocar Bíblia nas balas que seriam endereçadas para matar outros. Considerando a dimensão de guerra entre cristãos e muçulmanos, que a administração Bush deu à gestão, fica ainda mais patética esta prática. O que também me chama a atenção é que por trinta anos a coisa vinha sendo feita e ninguém levantou a questão. Foi feito escondido? Era estratégia militar para dar mais moral à tropa? Fica para mim a mentalidade mágica prevalecente em meios religiosos cristão fundamentalistas de que a benção de Deus é automática se há algo de Bíblia envolvido. Um comércio que tenha uma Bíblia aberta tem mais chances de sucesso. Um carro que tenha uma no portaluvas não sofrerá acidentes. A fé cristã deixa de ser fé para ser magia. Marcos Inhauser

ZILDA ARNS

Fui criado em uma igreja protestante, com forte presença familiar e de corte conservador e puritano. Nela, o ser protestante era um diferencial a ser ostentado com orgulhos das minorias, pois a presença católica era enorme. Na escola, quando havia aula de religião, era o único da classe a sair para não receber instrução católica. Aprendi que ser católico era ser idólatra. Mais tarde, quando fui ao primeiro seminário onde estudei, fundamentalista, outras características foram incorporadas para que eu execrasse a Igreja Católica e os católicos. Depois de uns dez anos no pastorado com esta visão maniqueísta (protestante igual a salvação, católico igual a perdição), tive meus primeiros contatos com o movimento ecumênico e comecei a perceber que os que antes eu demonizava não eram tão ruins quanto eu pensava e cria. Aprendi a admirar e respeitar a muitos sacerdotes e leigos católicos e aprendi muita coisa da vida cristã com eles. Foi nesta caminhada que percebi que mais importante que a afirmação doutrinária correta está a vida cristã de amor, que amar ao próximo e mais e melhor que as melhores afirmações. Aprendi que amar ao próximo não se faz falando ou abraçando, mas doando-se a quem precisa. Nesta caminhada aprendi a respeitar profundamente o trabalho da Dra. Zilda Arns. Nunca a conheci pessoalmente, nunca li algo que tivesse escrito, mas ouvi e vi muita gente que tinha sido alcançado pelas suas bênçãos, como a multimistura. Vi crianças que renasceram porque receberam a atenção e o amor de dedicadas voluntárias da Pastoral da Criança. Quando depois de vários anos fora do país voltei e decidimos trabalhar por um Natal Sem Fome, criamos uma Comissão Ecumênica que levantou algumas dezenas de toneladas em alimento e decidimos doar isto à Pastoral da Criança. Nós os pastores que fazíamos parte e que tomamos esta decisão, fomos duramente criticados: vocês estão pegando doações das igrejas “evangélicas” para fazer o trabalho e a promoção católicos. Nunca tive dúvida daquele ato, porque nunca duvidei da motivação cristã da Zilda Arns e dos que com ela trabalhavam. Ela, mais que qualquer outro cristão que tenha conhecido, soube amar ao próximo “de fato e de verdade”, sendo a benção da salvação para muitos. Ela, mas que ninguém que eu tenha conhecido, soube levar o Cristo Salvador a quem estava morrendo ou em desespero ao ver a desnutrição do filho. Vai-se Zilda, que se eternizou na vida dos que foram abençoados e certamente ressuscitará nas ações de quem a toma por exemplo. Milagre da vida e da ressurreição feitos concretos Marcos Inhauser

GILMAR NOEL MENDES

Quem acompanha o noticiário de final de ano nesta terra brasilis já está acostumado com decisões polêmicas aprovadas na calada da noite da última sessão da Câmara ou Congresso, de medida provisória presidencial polêmica, de trem da alegria ou aumento de salário. Neste ano, o espírito natalino bateu no coração do ministro Gilmar, presidente do STF. Como que se o destino assim tivesse traçado (que o creia os crédulos e ingênuos), coube a ele julgar alguns casos cabeludos, que tem a atenção da mídia e que chegaram às suas mãos. E, no exercício do sagrado dom da misericórdia, o judiciário que ele representa e que por ele assinou, deu habeas corpus ao médico Abdelmassih (tantas vezes negado anteriormente), anulou a sentença do juiz De Sanctis condenando Daniel Dantas no caso da empresa Kroll, paralisou a ação da operação Satiagraha. Neste espírito natalino, a esposa do traficante Juan Carlos Abadía, a Jéssica Paola Morales, também recebeu a permissão para sair da prisão e ficar com a mãe que a visitaria. Não tenho conhecimento técnico e jurídico para questionar o mérito das questões envolvidas em cada um dos casos. O que posso dizer é que, como cidadão, fica para mim a mensagem de que o habeas corpus ganha asas de rapidez quando se trata de quem tem dinheiro e paga bons advogados, que conhecem as filigranas, não só do direito e suas vírgulas, mas dos atalhos cartoriais e dos humores dos magistrados. Para mim, e para boa parcela dos brasileiros, fica a mensagem que o crime compensa, desde que se possa pagar bons advogados e entrar com recursos em momentos apropriados dentro do calendário do judiciário. Por outro lado, devo dizer que não gosto do Gilmar Mendes e do Marco Aurélio. Eles me dão a impressão de que gostam do microfone, do holofote, da mídia, da câmera de televisão. Não perdem a oportunidade para fazer algo que faça com que os holofotes se voltem para eles, chamando para si a atenção da nação por seus pareceres inesperados, suas argumentações em bom jurisdiquês, mas em mal comuniquês, não raro dando mensagem dúbias à nação. E o Gilmar não perdeu a chance de ganhar as páginas dos jornais e os noticiários televisivos. Fez o que ninguém gostaria que se fizesse (a não ser os próprios envolvidos) e depois lá estava ele dando explicações sobre suas decisões, todo garboso e senhor de si, como se todo o judiciário estivesse na sua pessoa. E lembrar que o Dantas disse que tinha medo de juiz de primeira instância, mas que da segunda para cima, as coisas eram mais fáceis. Um ditado me veio agora à mente: “há algo de podre no reino da Dinamarca”. Marcos Inhauser

NÃO LEU E ASSINOU

Parece que o governo do sindicalistamór está se especializando em trapalhadas. Ao longo da história do PT no governo, várias foram as trapalhadas em que se meteram. Mais recentemente vem aos borbotões. Relembro algumas das mais recentes, não em ordem cronológica: a reunião com os presidentes de países amazônicos com o Lula e o Sarkozy; a enrascada com a questão hondurenha; a transformação da Embaixada Brasileira em Tegucigalpa e hotel cinco estrelas para o Zelaya; a delegação à COP15 liderada por uma adepta da motoserra, que se digladiou em público com o Ministro do Meio Ambiente; a declaração pública na presença do Sarkozy de que compraria os jatos Rafale para depois se saber que não havia decisão na licitação, e que a FAB preferia outro jato. Nesta sua capacidade de se enrolar e criar trapalhadas, eis que agora vem o decreto presidencial dos Direitos Humanos que, segundo leitura feita por pessoas isentas e outras nem tanto, por organizações várias da sociedade civil e militar, é um atentado às liberdades constitucionais e ao mesmo Direito que pretende defender. Como exemplo cito os artigos 18 e 19 “Toda pessoa tem direito à liberdade de pensamento, consciência e religião; este direito inclui a liberdade de mudar de religião ou crença e a liberdade de manifestar essa religião ou crença, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pela observância, isolada ou coletivamente, em público ou em particular.” e “Toda pessoa tem direito à liberdade de opinião e expressão; este direito inclui a liberdade de, sem interferência, ter opiniões e de procurar, receber e transmitir informações e idéias por quaisquer meios e independentemente de fronteiras.” O texto proposto pelo decreto é um atentado a estes dois direitos, pois quer restringir o uso de símbolos religiosos e “regulamenta” o uso da mídia para fins religiosos e estabelece a censura aos meios de comunicação pelo monitoramente editorial, com a possível suspensão e cassação de licença. Pertencendo a uma tradição religiosa que nasce na luta pela separação entre a Igreja e o Estado, isto me cheira intervenção indevida do Estado em assuntos privados. Já vi este filme nos EUA, onde, em nome da liberdade religiosa, não se pode ter celebrações religiosas nas formaturas, não se pode ir à escola com uma camiseta que tenha mensagem religiosa, é proibido orar em grupo na escola, etc. É a proibição em nome da liberdade, paradoxo maior. Não faz muito tempo li um artigo onde o articulista diz que a liberdade está diminuída pelas legislações que a querem normatizar e que o direito à opinião e a expressá-la, especialmente a religiosa, está sendo destruída pela legislação que a quer defender. Nisto os asseclas do sindicalistamór foram mestres. E o mestre não leu e assinou. Que falta que o hábito da leitura lhe faz e agora ainda mais. Marcos Inhauser