Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

SOU O BEM SUPREMO

Wolfhart Pannenberg, teólogo alemão, afirmou certa feita algo que outros já haviam dito com outras palavras “todos os movimentos revolucionários se tornam, de repente, conservadores, assim que fazem a revolução. Então, a estrutura estabelecida de poder se identifica muito facilmente com o bem supremo”. Traduzindo: quando os revolucionários chegam ao poder, a aura de messianismo e superioridade sobe à cabeça.
Lembrei disto nestes dias em que o Maduro (que maduro só é no nome), andou fazendo mais algumas trapalhadas, seguindo as pegadas do mestre Chávez. Mas neste saco também se pode enfiar a Cristina Kirchner e o Evo Morales.
Mas, a bem da verdade, o que me chamou mesmo a atenção foi o discurso atravessado da represidente, dizendo que a culpa da corrupção na Petrobrás é do FHC, porque, se tivessem investigado a coisa no início, a santidade dos nomeados do PT na PTrobrás não teria acontecido.
É melhor ouvir isto que ser surdo. Assim como prefiro ouvir o Maduro acusando os EUA do desabastecimento na Venezuela e de financiar a oposição que pede comida, e a Cristina suicidando o promotor antes de qualquer laudo pericial.
Na visão dos petralhas, eles são santos e o que fazem o fazem para o bem do povo, ainda que o povo não tenha visto centavos da dinheirama locupletada na estatal e em outras maracutaias. O projeto de governo do PT é o bem maior, um dogma político inquestionável e quem ousa falar contra é ameaçado com o “controle social da mídia”.
Neste contexto de “revolucionários” que se tornaram o bem supremo, a função profética da denúncia nunca é bem vista. Os ex-revolucionários agora conservadores têm a tendência em achar que nada deve ser mudado porque o que fizeram e fazem é o bem supremo. Exemplo disto é a dificuldade da represidente em destituir o Mantega e a Graça Foster, em negociar com o Eduardo Cunha e em flexibilizar o valor do reajuste do Imposto de Renda. Ela sabe o que é certo e bom para o governo e para o povo.
Os revolucionários autênticos têm a tendência em ser excelentes em diagnósticos e fracos em propostas. Parecem máquina de RX. Só dizem onde está o problema, mas as soluções são anêmicas. Estes também não gostam da função profética por explicitar a carência que têm em propor soluções.
A função profética trabalha na dialética da crítica e da ação, com o objetivo de ser fiel ao Reino de Deus. Se o profeta tende à crítica ou à ação, ele peca por ser conservador (ação engessada) ou de progressismo (crítica exagerada). No entanto, tanto um como outro se atordoam quando a voz profética diz que o “rei está nu”, que isto não é o que estão dizendo que é, que os revolucionários se transformaram em deuses promotores do bem supremo, que as propostas do progressismo são inviáveis. Não é para menos que os profetas devem ser mortos. Eles perturbam a direita e a esquerda.
Os pregadores de certezas detestam os profetas, porque lançam perguntas e questionam a segurança medíocre que passam à plateia. Os sacerdotes institucionais se arrepiam diante do profeta porque os desmascara como usurpadores do povo, movidos pela ganância e pelo engodo de que podem abençoar porque são mediadores entre Deus e os homens, tendo assim um status superior.
Fecho esta reflexão com uma citação do Alvin Gouldner: “a velha sociedade se mantém através de teorias e ideologias que estabelecem sua hegemonia sobre as mentes humanas, as quais, por isto mesmo, se submetem a ela voluntariamente, sem cruzar os dedos”.

Talvez seja aqui que se entende o comportamento passivo da sociedade brasileira.
Marcos Inhauser

quarta-feira, 18 de fevereiro de 2015

O CARNAVAL DO PT

Há várias semelhanças entre o governo do PT e o carnaval.
O carnaval dura quatro dias. Se a Escola de Samba for a campeã, esta alegria pode se prolongar por mais alguns dias e volta à passarela no ano seguinte com energia para tentar o bicampeonato. As notas dadas pelos juízes para a eleição da campeã sempre são questionadas e os perdedores ficam chiando. Terminada a festa, entra-se na quarta-feira de cinzas para espiar os pecados e curtir a ressaca. Não um dia inteiro, mas meio dia de trégua.
Se for campeã, a escola de samba não tem muito do que se arrepender e a quarta de cinzas, ao invés de ser para curtir a ressaca e se penitenciar dos erros, se transforma em oba-oba pela vitória obtida.
Assim foi com o PT: botou seu bloco na rua várias vezes e não ganhou o campeonato. As alegorias e a o enredo eram os mesmos, sempre enfatizando a santidade da sigla, o compromisso ético que o levava ao purismo de nunca aceitar alianças com outros partidos. Um dia, orientados pelo guru-agora-condenado-e-sempre enrolado, o José Dirceu, decidiram mudar o enredo e a alegoria, ainda que não mudaram o mestre-sala. Foram para a passarela e ganharam o título pela primeira vez. A quarta de cinzas foi de celebração. Foi um carnaval não de quatro dias, mas de quatro anos.
No próximo carnaval voltaram com as mesmas alegorias, carros alegóricos, agora recheados com Vales-Refeição, Transporte, e especialmente o carro-mór que foi o destaque: o Bolsa Família. Bingo! Deu bicampeonato! Mais quatro anos de carnaval, com direito muita rega-bofe e a transas sem preservativo e com isto engravidaram o Mensalão.
Perceberam que manter o mesmo enredo poderia tirar o tricampeonato. Mudaram a porta bandeira e colocaram uma cria do mestre-sala bicampeão. Encheram a “coisa” de plumas e paetês, adereços mil, para que o povo não percebesse o perfil nada esguio e o currículo fabricado às pressas para que a madame fosse a nova porta-bandeira. Com muitos efeitos pirotécnico e tecnológicos, levaram o tricampeonato. A quarta de cinzas foi de celebração de deuses que se encastelaram no trono do poder e de lá nunca mais sairiam. Tinham galgado a eternidade. Mais quatro anos de celebração desbragada. Mantiveram o carnavalesco nas finanças para obedecer os desígnios dos deuses tricampeões. O antigo mestre-sala, sempre reverenciado, vivia dando seus pitacos.
Vieram para a passarela para o tetracampeonato. Mesma alegoria, mesma porta-bandeira, mas com a promessa de que o carnavalesco seria demitido na quarta-de-cinzas. Na área de concentração começou a cheirar lona queimada, porque alguém inesperado, que não era terrorista, mas juiz federal, decidiu dizer que a mestre-sala tinha rebolado mais do que devia e que o salto tinha quebrado.
Foi um Deus-nos-acuda. Perceberam que a escola rival tinha bom mestre-sala, boas fantasias, um carnavalesco experiente e que o tetra podia ir para a cucuia. Mandaram balas para adoçar os juízes votantes, pediram a colaboração de subalternos de empresas estatais para garantir a votação e foram para a passarela mostrando uma confiança tímida, mesmo porque, o carro alegórico da ética estava comprometido e pegando fogo! A ética não podia desfilar.
A votação dos juízes foi sintomática: se emocionaram com as pirotecnias do carro Bolsa Família. Deu tetracampeonato! A quarta-de-cinzas foi diferente das anteriores. Ganharam, mas não tinham o que celebrar. O novo carnavalesco mostrou as lambanças feitas pelo anterior, quem, para garantir o tetra, comprometeu as finanças da Escola de Samba. O incêndio do carro da ética não conseguiram apagar e na área da dispersão várias ambulâncias tiveram que levar aos hospitais “estrelas” com overdose e ressaca de bebedeira prolongada.

Os quatro anos não serão de carnaval, mas de cinzas!

quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

FAÇA AS PAZES COM A IMPERFEIÇÃO

O senso comum diz que ninguém é perfeito. Isto é verdade! Há no ser humano um DNA que tem o gene de imperfeição.
Se for verdadeira a história de que Adão e Eva tiveram dois filhos, um bonzinho e outro que matou o irmão, todos somos descendência de um assassino, de um fraticida. Depois dele teve um Jacó que vivia brigando com o Esaú, um Esaú meio desligado que não pensou duas vezes em trocar o direito de primogenitura por um prato de lentilha, o Saul que mandou matar o melhor amigo do filho, o Davi que mandou matar o marido da amante, o Salomão que gostava da pompa e da circunstância, tanto que arrumou uma coleção de esposas. Isto para ficar nos mais conhecidos.
A imperfeição é um toque da graça da Deus. Porque não acertamos sempre (ou quase nunca), buscamos a ajuda de Deus para vencer as coisas que sabemos não ter a capacidade para fazer certo. Porque erramos e fazemos mal feito, voltamos e temos a benção de refazer e recomeçar. Se nunca acertássemos nada, seríamos depressivos por nascimento. Se sempre acertássemos, seríamos arrogantes, nos achando os “reis da cocada”. A imperfeição nos coloca em nosso devido lugar: seres humanos. Se Deus nos tivesse feito perfeitos, teria concorrência.
O problema não é ser imperfeito. Há algumas atitudes em relação à imperfeição que podemos ter. Ceder a ela e sempre fazer as coisas mal feitas. São as pessoas conformistas e as derrotistas. Valem-se do fato de não sermos perfeitos para fazer pela metade. É ser derrotado de enttrada na guerra com a imperfeição.
A outra atitude é a de não se enxergar e achar que tudo o que faz, faz bem feito. Esta classe de pessoas se coloca como exemplo para tudo e todos, são professores da universidade (porque sabem de tudo e para tudo tem o “jeito certo de fazer”). Estas têm a tendência de se julgarem fortes, que se conhecem, que são bem resolvidas, que tem o controle da situação e do entorno. É achar que pode ganhar a guerra com a imperfeição.
As primeiras são cansativas de se relacionar porque tem a tendência à murmuração, ao azedume. As segundas são difíceis de se relacionar porque são arrogantes e prepotentes.
Estes dois grupos têm o problema de não se enxergar. O primeiro porque não consegue ver que pode fazer algo bem feito. O segundo porque acha que tudo que faz, está bem feito. Ela é o padrão de conduta, comunicação, relacionamentos. Estão mais para peças de museu que para vidas reais.
Uma terceira atitude é a das pessoas que se conhecem imperfeitas, que mesmo no que são bons sabem que podem falhar. Estas, no que pese a possibilidade de falhar, fazem o melhor que podem, ficam frustradas com o que não saiu como queriam, mas depois dão risada da coisa que não funcionou do jeito que esperava ou queria. Entendem que o fizeram ontem e o fizeram bem feito, não é garantia de que, se fizerem hoje, terão o mesmo resultado. Veem a vida com variáveis múltiplas e não como relação de causa e efeito simples.
Assumir a imperfeição é sinal de maturidade. Trabalhar pela perfeição é depender da graça de Deus. Aceitar os tropeços e desacertos é perdoar-se. É fazer as pazes com a imperfeição.

Marcos Inhauser

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

GERAÇÃO Y UMA OVA!

Andava bronqueado com o senso comum de chamar os jovens de “Geração Y”, mas não sabia por quê. Ouvi muita gente “intindida” discursando sobre as características e senso de urgência desta geração. O meu nariz anda torcido há tempos, desde que comecei a ouvir no Brasil a réplica daquilo que existe nos Estados Unidos, categorizando gerações (founders, boomers, busters, Y, Z, etc..). Detesto transplante de conceitos que servem para o império e que se quer aplicar aqui como se fôssemos iguais aos de lá.
No sábado passado, ouvi o Dr. Volney Faustini, Administrador de Empresas, Escritor, Preletor, Consultor nas áreas de Marketing, Vendas e Inovação Empresarial. Foi Presidente da ABT – Associação Brasileira de Telesserviços de 1991 a 1995. Realizou centenas de seminários, workshops e treinamentos nas áreas de Telemarketing, Vendas, Motivação, Inovação Empresarial e Planejamento Estratégico. São de sua autoria, os livros: A Arte do Telemarketing (1992) e A Inovação Vencedora do Varejo (1999).
Ele, tal como eu, andava irritado com a coisa. Só que ele passou da irritação à pesquisa. Leu 2.000 biografias de líderes brasileiros desde o império.
Estudou a fundo a nossa história e a dividiu em períodos de Apogeu e Crise; descobriu fatores comuns (Ascensão, Apogeu, Queda e Crise), bem assim o encadeamento entre elas.
Na sua categorização temos as seguintes eras: Exploradores (1683-1707; Indignados (1708-1730; Inconfidentes (1731-1752); Realeza (1753-1775); Novo Brasil (1776-1796); Monárquicos (1797-1818) - Unificadores (1819-1840); Abolicionistas (1841-1861); Transformadores (1882-1904); Modernidade (1905-1927); Revolucionários (1928-1947); Bossa Nova (1948-1966); Caras Pintadas (1967-1984); Globalizados (1985-2006) e Colaborativa (2007-2028?).
Na correlação entre as gerações estadunidenses e as brasileiras tem-se o seguinte: Os Baby Boomers (nascidos entre 43-60) tem a geração Bossa Nova (nascidos entre 48-66); a geração X (61-81) tem a geração brasileira dos Cara Pintadas (67-84); a geração Y (82-04) encontra no Brasil a geração Globalizados (85-06) e a geração que tem os mais variados nomes nos EUA (05-??) encontra a Colaborativa no Brasil (07-??).
Como exemplos típicos da Geração Bossa Nova tem-se a FHC, Joaquim Barbosa, Alckmin, Aécio, Marina Silva, Eduardo Campos, Ayrton Senna. Na Geração Caras-Pintadas tem-se a Lindberg Farias, Luciana Genro, ACM Neto, Manuela D´Ávila, Gisele Bundchen, Luciano Hulk, Barrichelo e Felipe Massa. Na Geração Globalizados pode-se citar René Silva, João Montanaro, Gabriel Medina, Gergório Duvivier, Paulinho, Neymar, Lucas Piazon, Luan Santana, Maisa da Silva Andrade.
Já a Geração Colaborativa é a que está por vir, que tem seus poucos anos de vida e ainda não se tem a possibilidade de caracterizá-la, mas de uma coisa se sabe: não mais aceitarão as coisas feitas. Eles terão que participar, colaborar, construir junto.
Sei que vai ter gente que vai torcer o nariz para esta nova descrição geracional. O que posso fazer? É mais fácil ir com a onda e pegar o bonde andando e falar as abobrinhas que todos falam. O que dizem pode ser verdade lá, mas não aqui.
Eu, de minha parte, porque acho que senso comum é a somatória das afirmações feitas pelos que não pensam, tô fora de chamar de Geração Y.

Marcos Inhauser