Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quarta-feira, 26 de abril de 2017

TEMPOS DE DILÚVIO

Tenho lá meus pruridos para ler certos textos bíblicos como historiográficos, como descrição de fatos reais acontecidos no passado. Quando se faz esta leitura mais literalista das narrativas, perde-se um universo de possibilidades de interpretações e lições que as estórias nos trazem. Neste meu espaço como colunista há quase 19 anos, por várias vezes já fiz esta colocação.
Quero trazer à consideração a narrativa de Noé, sua arca, o momento em que viveu e as providências que tomou. A narrativa diz que o SENHOR viu que a maldade se havia multiplicado e que era continuamente mau todo desígnio do coração humano. A pergunta que se impõe é se isto é algo que vale para o passado ou é algo que vemos e encontramos ainda hoje?
A julgar pelo que se está conhecendo pelas revelações feitas pelos delatores, pelas descobertas da PF e MPF, estamos vivendo tempos iguais aos que Noé viveu, tal o grau de promiscuidade e corrupção reinantes. A maldade tem se multiplicado, mostrando os desígnios escabrosos daqueles que se apresentaram ao público, pediram votos para defender os interesses da população. Sabe-se que o modelo eleitoral via propaganda pela TV é viciado e corruptor. Não se conseguirá mudar a representação política enquanto tal sistema existir, onde verbas milionárias abastecem campanhas dos que tem mais chances de vencer.
A esta altura vem a segunda afirmação da narrativa: Deus se arrependeu de ter feito o homem e isso lhe pesou no coração. O texto apresenta um Deus humano, com sentimento humano. Quem não se arrependeu de ter votado neste ou naquele? Quem nunca teve vontade de aniquilar os que roubam o povo e aparecem engravatados com discursos de ética e moralidade?
Isto foi o que Deus decidiu fazer: “farei desaparecer da face da terra o homem que criei, o homem e o animal, os répteis e as aves dos céus; porque me arrependo de os haver feito”. Decisão radical. Quisera eu ter o poder de determinar o extermínio da classe política e dos que se locupletam com a coisa pública. Há que notar-se que a corrupção que havia nos tempos de Noé tinha implicações e consequências sistêmicas, A maldade do coração afetava toda a criação. A corrupção de vereadores, prefeitos, deputados, governadores, senadores e presidentes afeta toda a criação. Quantos há que não tem médico, escola, merenda escolar com comida estragada, remédios vitais para a manutenção da vida não sendo comprados, museus abandonados, carne fraca e suas artimanhas para renovar prazos de validade, leite contaminado com soda cáustica, etc. Até o tamanho do Sonho de Valsa diminuiu e o preço aumentou.
Neste cipoal de desgraças, houve um que achou graça diante de Deus. Noé: homem justo e íntegro entre os seus contemporâneos e que andava com Deus. Quem é o Noé nestes tempos de Brasil? Os deputados da bancada evangélica estão gastando mais tempo lendo processos e código penal que a Bíblia. O “evangélico” Eduardo Cunha agora tem tempo para ler a Bíblia, mas continua arrogante e petulante como sempre foi.
Estamos em tempos de dilúvio. Foram quarente das de chuva e estamos neste período paradigmático. O número 40 na Bíblia é símbolo de provação, e estamos neste tempo. Temos lama de todos os lados. A coisa não parece arrefecer. Mas haverá o momento em que a pomba solta voltará com um ramo no bico, avisando que há sinal de vida decente lá fora.
Até lá, esperemos, participemos, construamos nossas arcas e convidemos a ela os que são nossos, tal como fez Noé que fez entrar seus três filhos e suas esposas. A salvação se deu na dimensão familiar.

Marcos Inhauser

quarta-feira, 19 de abril de 2017

O CONCEITO DE DEUS É DECISIVO


Recebi o seguinte artigo do amigo teólogo Paulo Ruckert que aqui publico com algumas edições para que caiba no espaço.
Não devemos conceituar Deus assim como definimos objetos. Precisamos ter uma compreensão correta de Deus, para podermos nos relacionar com ele. Sem isto, toda a nossa teologia estará sendo construída sobre a areia.
Explico. Quando ingressei na faculdade de teologia o modismo da época era a “teologia da morte de Deus”. Já é perturbador deparar-se com o silêncio de Deus; o salmista grita para que Deus acorde e se levante. Mas a “morte de Deus” chega a ser desoladora. Nesse caso, nem adianta gritar.
Depois entendi que esse modismo teológico partia de um conceito de Deus inventado pelos ingleses e divulgado pelo filósofo Voltaire, conhecido pelo nome de Deísmo. Sem ele como ponto de partida, a “teologia da morte de Deus” perde a sustentação e cai no vazio. Há quatro modalidades que a humanidade tem adotado para se relacionar com Deus.
No seu relacionamento com Deus, o hebreu vivenciou um paradoxo: Iahweh é imanente e transcendente: ele está dentro do mundo e também fora dele. Tudo está sujeito à vontade divina, também os acontecimentos perturbadores. 
A partir dessa compreensão de Deus que o AT nos legou e que Jesus vivenciou integralmente, podemos estabelecer uma análise das quatro principais maneiras que a humanidade tem formulado para se relacionar com o divino.
O panteísmo dissolve Deus na natureza. Todos os seres vivos, incluindo os vegetais, são considerados uma manifestação de Deus. O universo todo é divino.
O deísmo é uma religião da razão. O argumento da existência de Deus é racional. O deísmo postula que Deus deu origem ao mundo e estabeleceu as leis da natureza.
O teísmo pressupõe Deus fora do universo. Deus é considerado uma pessoa celeste e perfeita, que passou a se situar fora e distante da humanidade. Ele se encontra acima do mundo e da humanidade. Deus está isolado desta realidade.
O panenteísmo declara que Deus está no mundo e o mundo está em Deus. Formado por três vocábulos gregos: pan (tudo), en (em) e teísmo (Deus) = Deus e o mundo estão inter-relacionados. Há equilíbrio entre imanência e transcendência de Deus. Deus é imanente como Criador, mas é transcendente em sua liberdade. Deus é infinito e não pode ser confundido com os seres finitos. Deus está presente em toda a realidade. Sendo Deus infinito, nada existe “fora” dEle. Deus não se esgota na realidade presente. Criou o mundo e continua criando ainda hoje.
O panenteísmo constata que Deus age e reage. Quando o povo se corrompeu fabricando o bezerro de ouro, Deus decidiu eliminar os idólatras e começar uma grande nação a partir de Moisés. No entanto, o líder do povo intercedeu, colocando-se “na brecha” (Sl 106,23) e bloqueando a execução do juízo. Diante da intercessão, “se arrependeu o Senhor do mal que dissera havia de fazer ao povo” (Ex 32,14). Deus age e reage. O Deus vivo e dinâmico não está somente “lá fora”, observando os acontecimentos. Ele atua dentro do processo da realidade e interage com o que acontece, podendo até voltar atrás e reconsiderar o curso dos acontecimentos. Deus atua na realidade e os acontecimentos provocam uma reação em Deus.
Se Deus não reagisse aos acontecimentos, redirecionando o seu desígnio, então todas as nossas orações seriam um falar no vazio. Mas, nós podemos contar um Deus vivo, dinâmico e atuante. Assim como o salmista, nós podemos contar com a intervenção divina na realidade, mudando a sorte do seu povo. Podemos esperar e confiar no agir de Deus.
Paulo Ruckert


PS - O texto completo pode ser solicitado por e-mail para marcos@inhauser.com.br

quarta-feira, 12 de abril de 2017

POLÍTICOS JURÁSSICOS

A votação feita na semana passada para “regulamentação” do transporte privado alternativo (Uber, 99, Cabify) foi a mais completa exibição da mentalidade retrógrada e notarialista da política brasileira. Quando havia possibilidade de se avançar nas relações de negócio entre dois parceiros (fornecedor e cliente), veio a Câmara e, com a mentalidade dos tempos dos dinossauros, decidiu pelo engessamento, cartorialização, imposição fiscal e encarecimento dos serviços.
Os novos tempos trouxeram a novidade de serviços um-a-um. Aí está o comércio eletrônico feito no Facebook, no Mercado Livre e outras plataformas. Aí está o AirBnb e outros que facilitam o aluguel de casas, apartamentos, pousadas para temporadas. Aí está o Submarino Viagens e outros onde se pode comprar passagens, fazer reservas de carro e de hotel, sem precisar de uma agência de viagens ou mesmo sair da casa. Aí está o Online Banking que dá a chance de fazer quase tudo sem sair de casa.
Em todas estas plataformas houve problemas, mas eles foram dirimidos e as coisas fluem. Não há nada perfeito e nada que os bandidos não tenham uma forma de tirar proveito. Até dos bancos eles conseguem tirar.
Há o serviço de taxi regular. Para se poder ter um é necessária uma licença e, para obtê-la, ou se compra de alguém que a tenha (a peso de ouro) ou se espera a abertura de novas licenças, coisa quase impossível de acontecer, porque os próprios taxistas não querem que haja mais taxis na praça. Quando se abre, é um deus-nos-acuda para driblar os espertinhos e os que tem seus canais. Com todo este “rigor”, não se entende como uma mesma pessoa pode ter vários carros ou uma frota de taxi. Também não se entende que tipo de fiscalização existe, uma vez que abundam os taxis clandestinos, os mal cuidados, com problemas mecânicos, etc. Cansei de pegar taxi na Rodoviária para vir para minha casa que eu nunca dirigiria no estado em que se encontrava. A cada pouco se sabe de bandidos travestidos de taxistas em carros caracterizados. A caracterização do taxi, a placa vermelha, o taxímetro e um número não são garantia absoluta.
Aparece o Uber, 99 Taxi, Cabify e outros. Eles fazem um serviço mais direto, mais rápido, menos complicado. Você liga e em prazo de 2 minutos estão te pegando. Quando você chama já vem uma estimativa de preço, o carro, marca, cor, placa e o nome do motorista, coisa que nunca tive no serviço regular de taxis. Mais: estando cadastrado, o pagamento é feito no débito no cartão, sem necessidade de qualquer papel ou assinatura. Em outras palavras: simplicidade, eficiência, rapidez e transparência.
Aí vem os políticos jurássicos, pressionados pelo cartel dos que nadaram na exclusividade até hoje, que mostraram que alguns são bandidos nos atos de violência contra motoristas alternativos, e exigem que os alternativos se igualem aos “oficiais”.  Por que não desburocratizar a classe dos que mamaram toda a vida e colocá-los nas mesmas condições dos demais? Não seria o caso de liberar?
Mas isto traria prejuízo porque tem placa de taxi que vale (valia) um milhão, como me contou um taxista do aeroporto. Para ter um carro ali precisava comprar uma licença. Mais: compram carro com isenção e liberar para atuarem sem caracterização seria perder esta mamata. Os demais trabalham mais barato, sem ter a isenção do IPI para comprar seus carros. Quanto dá de lucro um carro na praça? Deve ser muito porque ninguém quer largar o osso.
Os políticos, por sua vez, agradaram os sindicatos da categoria e usarão da capilaridade deles nas suas campanhas políticas. E de retrocesso em retrocesso avançamos para o tempo das capitanias.

Marcos Inhauser

quarta-feira, 5 de abril de 2017

SOBRAM TOSQUIADORES

A metáfora é bíblica. Comparar a igreja com um rebanho com seu pastor é algo que faz parte do imaginário dos leitores bíblicos. Que o pastor tenha a seu cargo o cuidar das ovelhas é o que a Bíblia ensina. No entanto, nestes dias, a coisa anda complicada. Os que deveriam cuidar das ovelhas, só olham para elas para saber quanta lã têm e como tosquiá-las! Mais que preocupadas com o bem-estar de suas ovelhas, preocupam-se em quanto elas podem render no faturamento.
Para se ter uma ideia da coisa, conto aqui alguns fatos verídicos, ocorridos há não muito tempo. Um casal jovem, com uns dois anos de casado, ele criado na igreja, ela não, decidem ir a quatro igrejas diferentes para saber em qual delas eles se sentiriam melhor para frequentar assiduamente. Depois das visitas, perguntei a eles o que haviam decidido. A resposta deles: nenhuma! Queremos uma Igreja é não um camelódromo onde o pastor vende de tudo, de Bíblia a CDs, passando por livros e camisetas. Nas outras ouvimos e cantamos alguns louvores e depois foi só pedido de dinheiro para pagar o programa de televisão, o telhado da Igreja, a ampliação do templo.
Em outra igreja, em Campinas, o animador de auditório que deveria ser o pregador e que se chama de pastor, contou que tinha ido visitar uma igreja em outra cidade e que, no meio do louvor, uma pessoa ficou endemoninhada. Foi trazida ao púlpito (prá mim era palco!). O pastor disse que aquele demônio pegava em crente não-dizimista. Depois de um salseiro, com direito à entrevista do demônio, o “pastor” disse: “vou mostrar o que o demônio faz com o dinheiro de quem não é dizimista”. Deu a ele uma nota de R$ 2,00 e a pessoa endemoninhada trucidou a nota, fazendo-a em pedaços. Veio o sermão sobre o não dar o dízimo: “o diabo destrói o que você ganhou, rasga, faz picadinho da sua vida e finanças, pense no como estão suas contas você que não é dizimista e você vai concordar comigo”.
Em seguida, pediu que os dizimistas da igreja (plateia) se identificassem e pediu que um deles trouxesse à frente uma nota, de preferência de R$ 100,00. Apareceu alguém. O “entrevistador de demônio” deu a nota ao endemoninhado e ele a beijou, colocou sobre o coração e cuidou dela com carinho. Lá veio a mensagem: “quando a pessoa é dizimista o demônio não tem o poder de destruir as finanças e o dinheiro, antes cuida dele com carinho”. Dou um picolé para quem disser que, em seguida, o animador de auditório fez a coleta das ofertas na igreja. Este “tristemunho” foi contado pelo animador-visitante, agora em sua igreja, para ali também “motivar os fiéis ao dízimo”.
Em outra igreja, também em Campinas, o arrecadador de plantão desafiava os presentes a ofertar R$ 1.000,00. Depois baixou para R$ 500,00, depois R$ 200,00. A esta altura uma senhora que a conheço muito bem e que estava em sérias penúrias, foi à frente. O arrecadador disse a ela em alto e bom som: “a irmã deposite aqui a sua oferta”. “Eu não o tenho, mas gostaria de poder contribuir e quero que o pastor ore por mim para que, da próxima vez ,eu possa vir à frente e entregar a oferta para a Igreja”. Ele, de público a ofendeu e a expulsou do palco.
Não são pastores: são tosquiadores de ovelhas, não importa quanta lã tenham para ser cortada. Cortam o que têm, nem que sejam fiapos!

Marcos Inhauser