Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

COELET E O BRASIL

O escritor/pregador/sábio do livro de Eclesiastes, é assim chamado no hebraico. Determinar quem era ele é coisa quase impossível, ainda que muitos creiam ser Salomão, já velho, depressivo e desesperançado. Há no livro um refrão: “É ilusão, é ilusão, diz o Coelet. Tudo é ilusão. A gente gasta a vida trabalhando, se esforçando e afinal que vantagem leva em tudo isso? ... o mundo continua sempre o mesmo. O sol continua a nascer, e a se pôr, e volta ao seu lugar para começar tudo outra vez. O vento sopra para o sul, depois para o norte, dá voltas e mais voltas e acaba no mesmo lugar. Todos os rios correm para o mar, porém o mar não fica cheio. A água volta para onde nascem os rios, e tudo começa outra vez. Todas as coisas levam a gente ao cansaço—um cansaço tão grande, que nem dá para contar. ... O que aconteceu antes vai acontecer outra vez. O que foi feito antes será feito novamente. Não há nada de novo neste mundo.”
O Coelet me dá a garantia de que há uma espiritualidade da depressão ou da desesperança. E ando com ela estes dias, provocada e alimentada pelo noticiário político e policial brasileiro. Já me entusiasmei com alguma aparente novidade que a Lava Jato estaria trazendo, mas se considero as penas até aqui impostas, concluo que há premiação em ser criminoso e que o crime compensa. O Sérgio Machado está em prisão no palacete que tem em Fortaleza. O Delcídio passou um mês se esfalfando na praia, com direito a fotos no Facebook. O Paulo Roberto , o Yussef, o Cerveró, o Barusco, e outros mais já estão em casa.
Mas, a minha maior decepção tem sido o STF. Tenho ficado indignado, irritado e desesperançado com os narcisos do STF: Gilmar Mendes, Lewandovsky e Marco Aurélio. Não podem ver uma luz que pensam que é holofote e já saem a dar entrevistas e fazer afirmações enviesadas. Eles me dão a impressão que agem com a seguinte máxima: o que posso fazer/dizer que vai me colocar na mídia? Agora vem mais um para disputar as luzes: Alexandre de Moraes.
Outro que tem me decepcionado é o tal do decano. Por ser o mais antigo eu esperava, que fosse mais sensato e menos dado a malabarismos. Qual o quê. O Celso de Mello atravessou alinha da sensatez ao dar o voto no caso da linha sucessória (o caso em que o Renan seria impedido de assumir a presidência), dizendo que ele estaria impedido, mas que continuaria na Presidência do Senado. Uma decisão salomônica: cortou o filho ao meio! Depois, quando teve que julgar o foro privilegiado do Moreira Franco, contrariando o que já havia sido decidido anteriormente sobre o caso Lula, elaborou uma sentença rococó, que exigiu a ciência da hermenêutica jurídica para entender o que disse e no final, decidiu mantê-lo no cargo, mas passível de deliberação pelo plenário do STF. Outra decisão salomônica!
Morreu o Teori Zavaski. Ainda fico me perguntando como uma figura do naipe dele, com a importância que tinha no cenário brasileiro, se mete a viajar em um avião de um amigo, com duas desconhecidas, para ir a uma cidade cujo aeroporto não tem aparelhagem adequada. No lugar dele o sorumbático/errático presidente nomeia a pessoa que se encarregou de colocar na cadeia quem chantageou a esposa. É o exercício da gratidão! Um futuro ministro do STF galgado pelo agradecimento.
Para não me delongar mais, a sabatina do Alexandre de Moraes no Senado, em uma CCJ presidida pelo monge das virtudes políticas, enrolado até ao pescoço em denúncias várias, com a parceria de seus filhos, é uma encenação. As cartas estão marcadas. Vão perguntar o óbvio, ele vai responder como querem ouvir, receberá os elogios dos sabatinadores e as críticas de uns poucos, para dar a aparência de democracia.
Concluo com o Coelet: “Todas as coisas levam a gente ao cansaço—um cansaço tão grande, que nem dá para contar. ... O que aconteceu antes vai acontecer outra vez.” E está acontecendo hoje.
Marcos Inhauser

quarta-feira, 15 de fevereiro de 2017

PALAVRA DESUMANA

Com algumas exceções, por que elas sempre existem, houve certo consenso em recriminar mensagens, postagens, memes, teorias de conspiração e manifestações animosas quando da enfermidade da sra. Marisa Letícia. Causou indignação e muita gente de bem, independentemente da predileção ou partido político que tivesse censurou as manifestações. Também vi manifestações de religiosos condenando tais postagens e afirmando tratar-se de comportamento execrável.
Nos mesmos dias em que isto se dava, por uma prática que adotamos na Igreja da Irmandade de estudar um livro da Bíblia em sequência e lermos os Salmos também em sua sequência numérica, estive lendo alguns salmos entre o 40 e o 48 e fiquei pasmo com algumas afirmações neles constante. Pesquisei um pouco mais e cito aqui alguns trechos dos salmos: “Sobrevenha-lhes inesperadamente a destruição, e prenda-os o laço que ocultaram; caiam eles nessa mesma destruição”” (35:8); “Os ímpios têm puxado da espada e têm entesado o arco, para derrubarem o poder e necessitado, e para matarem os que são retos no seu caminho. Mas a sua espada lhes entrará no coração, e os seus arcos quebrados. Mais vale o pouco que o justo tem, do que as riquezas de muitos ímpios. Pois os braços dos ímpios serão quebrados” (37:14-17); “Deus meu! pois tu feres no queixo todos os meus inimigos; quebras os dentes aos ímpios”. (3:7); “Deus afiará a sua espada; armado e teso está o seu arco; já preparou armas mortíferas, fazendo suas setas inflamadas. Eis que o mau está com dores de perversidade; concedeu a malvadez, e dará à luz a falsidade. Abre uma cova, aprofundando-a, e cai na cova que fez. A sua malvadez recairá sobre a sua cabeça, e a sua violência descerá sobre o seu crânio.” (7:12-16); “Ah! filha de Babilônia, devastadora; feliz aquele que te retribuir consoante nos fizeste a nós;  feliz aquele que pegar em teus pequeninos e der com eles nas pedra” (137:8-9); “Ó Deus, quebra-lhes os dentes na sua boca; arranca, Senhor, os caninos aos filhos dos leões. Sumam-se como águas que se escoam; sejam pisados e murcham como a relva macia. Sejam como a lesma que se derrete e se vai; como o aborto de mulher, que nunca viu o sol. Que ele arrebate os espinheiros antes que cheguem a aquecer as vossas panelas, assim os verdes, como os que estão ardendo. O justo se alegrará quando vir a vingança; lavará os seus pés no sangue do ímpio”. (58:6-7)
Diante destes textos fico com a pergunta: é justo regozijar-se com a desgraça do inimigo ou daqueles que nos causaram problemas? Quando vejo pessoas que defendem a ferro e fogo e inerrância e infalibilidade das Escrituras e que tudo nela é Palavra de Deus, e ao mesmo recriminam o que foi dito da Marisa Letícia, acho que há profunda incoerência, pois o salmista nos ensina a fazê-lo. Se os Salmos são Palavra de Deus e regra de fé e prática, quem ironizou, zombou ou fez chacota da enfermidade da Marisa Letícia, teve comportamento bíblico. Ou seriam estes textos exemplos de comportamentos humanos e que se tornaram clássicos porque muita gente se vê neles e no desejo de ver a ruína do malfeitor? Não faz parte do DNA humano se alegrar com a desgraça do inimigo?
No que pese o fato de ser isto algo muito humano, não significa que é aceitável, nem mesmo nos salmistas. Devemos condenar suas palavras e desejos, da mesma forma como criticamos quem postou as mensagens. E acima de tudo, devemos condenar em nós mesmos os desejos de vingança e prazer na desgraça alheia.
Marcos Inhauser



quarta-feira, 8 de fevereiro de 2017

PALAVRA DE DEUS OU HUMANA?

A posição clássica e ortodoxa é afirmar que “toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino...”. Por “toda a Escritura” os protestantes e os que neles tem alguma raiz histórica e/ou teológica (batistas, metodistas, pentecostais) vão afirmar tratar-se de todos os livros que fazem parte do cânon bíblico aceito pelas igrejas chamadas de “evangélicas”. Já para os católicos, para os que creem na inspiração plenária das Escrituras, muito provavelmente acrescentarão os livros chamados de deutero-canônicos.
Há, no entanto, um senão nesta postura. Trata-se dos livros dos Salmos e Lamentações de Jeremias. A análise criteriosa deles nos fará perceber que, antes de serem palavra de Deus dirigida aos homens (tal como ocorre nos profetas, por exemplo), trata-se de palavra humana dirigida a Deus.
A grande maioria dos Salmos são orações humanas dirigidas a Deus na forma de pedido, lamentação, louvor, imprecação, etc. Não são strictu sensu Palavra de Deus, mas palavra para Deus, ainda que haja trechos em que explicitamente se afirma ser Deus falando. Da mesma forma as Lamentações de Jeremias. Trata-se de uma coleção de orações, lamentos, falas de arrependimento, que nascem da boca do profeta e são dirigidas a Deus.
A tomada de consciência deste fator é de profunda importância, porque muitos há que, lendo algo que era uma aspiração ou desejo do orador, o transformam em promessa de Deus. Cito o Salmo 23: “O SENHOR é o meu pastor; nada me faltará. Ele me faz repousar em pastos verdejantes. Leva-me para junto das águas de descanso; refrigera-me a alma. Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome. Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo; o teu bordão e o teu cajado me consolam. Preparas-me uma mesa na presença dos meus adversários, unges-me a cabeça com óleo; o meu cálice transborda. Bondade e misericórdia certamente me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na Casa do SENHOR para todo o sempre.”
Note-se que não há nele uma única menção a algo que Deus fala ou promete, antes é a fala do salmista. É uma oração de confiança na provisão e cuidado divinos, mas não é promessa de Deus de que ele fará o que ali está escrito. É um desejo humano e não uma promessa divina.
De igual forma se deve tomar o Salmo 37. Não se trata de promessas, mas de aspiração, de confiança. Neste caso, muito mais de exortação à confiança no Senhor: “Não te indignes por causa dos malfeitores, nem tenhas inveja dos que praticam a iniquidade. Pois eles dentro em breve definharão como a relva e murcharão como a erva verde. Confia no SENHOR e faze o bem; habita na terra e alimenta-te da verdade. Agrada-te do SENHOR, e ele satisfará os desejos do teu coração. Entrega o teu caminho ao SENHOR, confia nele, e o mais ele fará. Fará sobressair a tua justiça como a luz e o teu direito, como o sol ao meio-dia. Descansa no SENHOR e espera nele, não te irrites por causa do homem que prospera em seu caminho, por causa do que leva a cabo os seus maus desígnios. Deixa a ira, abandona o furor; não te impacientes; certamente, isso acabará mal. Porque os malfeitores serão exterminados, mas os que esperam no SENHOR.”
Por não perceberem isto, muitos há que prometem o que Deus não prometeu. Conheço muita gente que teve o Senhor como seu pastor, mas que passou por dificuldades e não teve pastos verdejantes e nem água tranquila. Outros que confiaram no Senhor e a Ele se entregaram e nem por isto todos os seus desejos foram satisfeitos.
Marcos Inhauser

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

A TEOLOGIA DOS SEM-PODER

Quando se olha para os textos bíblicos que compõem o Antigo Testamento, pode-se fazê-lo de duas óticas: a tradicionalista e a instrumentalizada. Pela primeira, nos impingem premissas que a tradição repete até que pareça ser verdade. Exemplo disto é afirmar que os cinco primeiros livros da Bíblia, o Pentateuco, foram escritos por Moisés; que Isaías pertencia à corte; que a maior parte dos Salmos foram escritos pelo rei Davi, que Habacuque era sacerdote; Samuel é o autor dos livros a ele atribuídos, etc. Percebe-se uma nítida tendência de atribuir a autoria dos textos a personalidades do mundo antigo, gente ligada à corte (Moisés, Davi e Isaías), ou ao templo (Habacuque e Samuel).
A leitura instrumentalizada pelas descobertas arqueológicas, pelos fragmentos de escritos tanto em cerâmicas como pedras e papiros, desenhos feitos em cavernas ou nos palácios, a história comparada, a análise dos estilos e o vocabulário empregado nos escritos vários, mostram que a autoria dos textos bíblicos é bem mais complicada e difícil de se precisar. Já perguntei a muita gente que defende a autoria mosaica do pentateuco como poderia ter Moisés escrito em hebraico lá pelo século XIII aC, se os mais antigos textos com alguma palavra que talvez se possa atribuir ao hebraico são datadas no século X? Teria ele escrito em uma língua ainda inexistente? Um dos defensores, diante da pergunta, me respondeu que o “Espírito Santo o capacitou com o dom de uma língua que um dia apareceria”. Por que não se atribui nenhum trecho à autoria de uma mulher, mesmo que se tenha o cântico de Rebeca? Poderia um homem escrever com a fineza e a qualidade dos sentimentos femininos que estão presentes na história de Sara e Hagar e especialmente no encontro desta última com um anjo que a manda de volta para a casa de Abraão?
Como pôde Davi escrever tantos salmos para serem cantados no templo se em seu tempo ele não existia e, mesmo que quisesse construí-lo, foi seu filho, Salomão, que o construiu? Como podia ter dados ordens para se cantar com a melodia tal ou ao som de oitava, se o serviço religioso foi estabelecido mais tarde?
Quando se examina com mais imparcialidade e menos fervor religioso pré-concebido, percebe-se que o Antigo Testamento é uma coletânea de textos, escrito por uma multidão de autores que transmitiram o que ouviram e viram milhares de vezes, ao ponto de se tornar um texto de produção coletiva. A teologia do Antigo Testamento foi obra de um trabalho comunitário, de uma hermenêutica nacional, contando e recontando suas histórias e adaptando-as a cada momento que viviam. A fixação por escrito dos relatos orais se deu tardiamente. Exemplo disto é o livro de Jó, hoje reconhecida por muitos como obra teatral e não relato histórico sobre um personagem real. Em Jó estamos todos os que sofremos, que perdemos bens e família, que fomos falsamente consolados pelos amigos, que fomos acusados por quem nos dizia que nos queria ajudar.
Pela quantidade de denúncias que os textos fazem dos governantes e sacerdotes, da corrupção reinante nos juízos que exploravam e tomavam as propriedades aos mais pobres, pode-se concluir, com grande margem de acerto, que os que transmitiam oralmente as mensagens, especialmente as proféticas, e quem as redigiu, não era gente da corte, do templo ou dos tribunais. Era gente que estava sofrendo as agruras e que via nas mensagens a sua voz e angústia expressadas.
Tudo leva a crer que a teologia do Antigo Testamento é a feita pelos sem-poder, sem-notoriedade, gente sofrida, explorada, escravizada. Por isto, e com propriedade, é que se diz que a Bíblia é a memória dos pobres.

Marcos Inhauser