Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

COELET E O BRASIL

O escritor/pregador/sábio do livro de Eclesiastes, é assim chamado no hebraico. Determinar quem era ele é coisa quase impossível, ainda que muitos creiam ser Salomão, já velho, depressivo e desesperançado. Há no livro um refrão: “É ilusão, é ilusão, diz o Coelet. Tudo é ilusão. A gente gasta a vida trabalhando, se esforçando e afinal que vantagem leva em tudo isso? ... o mundo continua sempre o mesmo. O sol continua a nascer, e a se pôr, e volta ao seu lugar para começar tudo outra vez. O vento sopra para o sul, depois para o norte, dá voltas e mais voltas e acaba no mesmo lugar. Todos os rios correm para o mar, porém o mar não fica cheio. A água volta para onde nascem os rios, e tudo começa outra vez. Todas as coisas levam a gente ao cansaço—um cansaço tão grande, que nem dá para contar. ... O que aconteceu antes vai acontecer outra vez. O que foi feito antes será feito novamente. Não há nada de novo neste mundo.”
O Coelet me dá a garantia de que há uma espiritualidade da depressão ou da desesperança. E ando com ela estes dias, provocada e alimentada pelo noticiário político e policial brasileiro. Já me entusiasmei com alguma aparente novidade que a Lava Jato estaria trazendo, mas se considero as penas até aqui impostas, concluo que há premiação em ser criminoso e que o crime compensa. O Sérgio Machado está em prisão no palacete que tem em Fortaleza. O Delcídio passou um mês se esfalfando na praia, com direito a fotos no Facebook. O Paulo Roberto , o Yussef, o Cerveró, o Barusco, e outros mais já estão em casa.
Mas, a minha maior decepção tem sido o STF. Tenho ficado indignado, irritado e desesperançado com os narcisos do STF: Gilmar Mendes, Lewandovsky e Marco Aurélio. Não podem ver uma luz que pensam que é holofote e já saem a dar entrevistas e fazer afirmações enviesadas. Eles me dão a impressão que agem com a seguinte máxima: o que posso fazer/dizer que vai me colocar na mídia? Agora vem mais um para disputar as luzes: Alexandre de Moraes.
Outro que tem me decepcionado é o tal do decano. Por ser o mais antigo eu esperava, que fosse mais sensato e menos dado a malabarismos. Qual o quê. O Celso de Mello atravessou alinha da sensatez ao dar o voto no caso da linha sucessória (o caso em que o Renan seria impedido de assumir a presidência), dizendo que ele estaria impedido, mas que continuaria na Presidência do Senado. Uma decisão salomônica: cortou o filho ao meio! Depois, quando teve que julgar o foro privilegiado do Moreira Franco, contrariando o que já havia sido decidido anteriormente sobre o caso Lula, elaborou uma sentença rococó, que exigiu a ciência da hermenêutica jurídica para entender o que disse e no final, decidiu mantê-lo no cargo, mas passível de deliberação pelo plenário do STF. Outra decisão salomônica!
Morreu o Teori Zavaski. Ainda fico me perguntando como uma figura do naipe dele, com a importância que tinha no cenário brasileiro, se mete a viajar em um avião de um amigo, com duas desconhecidas, para ir a uma cidade cujo aeroporto não tem aparelhagem adequada. No lugar dele o sorumbático/errático presidente nomeia a pessoa que se encarregou de colocar na cadeia quem chantageou a esposa. É o exercício da gratidão! Um futuro ministro do STF galgado pelo agradecimento.
Para não me delongar mais, a sabatina do Alexandre de Moraes no Senado, em uma CCJ presidida pelo monge das virtudes políticas, enrolado até ao pescoço em denúncias várias, com a parceria de seus filhos, é uma encenação. As cartas estão marcadas. Vão perguntar o óbvio, ele vai responder como querem ouvir, receberá os elogios dos sabatinadores e as críticas de uns poucos, para dar a aparência de democracia.
Concluo com o Coelet: “Todas as coisas levam a gente ao cansaço—um cansaço tão grande, que nem dá para contar. ... O que aconteceu antes vai acontecer outra vez.” E está acontecendo hoje.
Marcos Inhauser