Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quarta-feira, 1 de março de 2017

QUARTA DE CINZAS NA LAVA JATO

É verdade que o uso litúrgico das cinzas como símbolo de arrependimento remonta aos tempos bíblicos. Podemos ver o uso delas no arrependimento em Ester, quando Mardoqueu se veste de saco e se cobre de cinzas ao saber do decreto de Asuero I (Xerxes, 485-464 AC, da Pérsia, que condenou à morte todos os judeus de seu império Est 4:1). Outro personagem, Jó, mostrou seu arrependimento vestindo-se de saco e cobrindo-se de cinzas (Jó 42:6). Daniel afirmou: "Volvi-me para o Senhor Deus a fim de dirigir-lhe uma oração de súplica, jejuando e me impondo o cilício e a cinza" (Dn 9:3). O povo de Nínive proclamou jejum a todos e se vestiram de saco, inclusive o Rei, que além de tudo levantou-se de seu trono e sentou sobre cinzas (Jn 3:5-6). São exemplos do Antigo Testamento que mostram a prática estabelecida de valer-se das cinzas como símbolo de arrependimento.
Jesus fez referência ao uso das cinzas: "Ai de ti, Corazaim! Ai de ti, Betsaida! Porque se tivessem sido feitos em Tiro e em Sidônia os milagres que foram feitos em vosso meio, há muito tempo elas teriam se arrependido sob o cilício e as cinzas. (Mt 11:21).
Por outro lado, as cinzas também são símbolo de algo que foi destruído, queimado, que virou pó. Elas são a evidência do aniquilamento. “Tudo virou cinzas” é uma expressão que denota derrota, impossibilidade de se recuperar ou ressuscitar.
Quando penso na quarta-feira de cinzas fico entre a cruz e a espada. Não sei se as cinzas, no caso do brasileiro, seriam símbolo de arrependimento ou de aniquilamento. Digo isto porque o Carnaval tem sido um evento nacional que vem ganhando contornos cada vez maiores a cada ano, e se tem explorado comercialmente as festas que em seu nome se realiza. Muitos cometem excessos de todos os gêneros e pode ser que, ao voltar à vida de trabalho e estudos, se arrependam dos excessos cometidos e por eles peçam perdão.
Por outro lado, talvez se deva pensar na quarta de cinzas como sinal de aniquilamento, vez que, a grande maioria que se esfalfou nos cinco dias, chega à quarta em frangalhos, feito cinza, porque a energia, a vitalidade e parte da saúde estão acabadas.
Mas o que realmente a nação gostaria de ver é uma confissão de pecado e arrependimentos dos políticos brasileiros, por atos de comissão e de omissão. Gente confessando que errou, que roubou, que montou esquemas e que viesse à luz, não numa delação premiada, mas em ato genuíno de arrependimento.
Gostaria de ver também os que, mesmo não tendo participado ativamente, mas que sabiam dos atos e nunca fizeram nada para impedi-los. Pecaram pela omissão!
Mas há mais um aspecto: a delação premiada. Para os que negociaram propinas, contratos, maracutaias, vantagens, esquemas, reeleições, na Delação Premiada continuam a fazer seus acordos espúrios: trocam a informação pela propina de uma sentença mais branda e curta, trocam a cela pela tornozeleira, pagam causídicos que, tal como os lavadores de dinheiro, somem com os rastros das suas operações. Advogados especializados em apagar rastros e trazer vantagens para os clientes, sendo a maior delas a liberdade o mais breve possível para que possam desfrutar do que amealharam.
A sentença reduzida é a propina para corruptos que fingem passar por uma cerimônia de arrependimento vestindo-se de cinzas!
Marcos Inhauser