Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

A TEOLOGIA DOS SEM-PODER

Quando se olha para os textos bíblicos que compõem o Antigo Testamento, pode-se fazê-lo de duas óticas: a tradicionalista e a instrumentalizada. Pela primeira, nos impingem premissas que a tradição repete até que pareça ser verdade. Exemplo disto é afirmar que os cinco primeiros livros da Bíblia, o Pentateuco, foram escritos por Moisés; que Isaías pertencia à corte; que a maior parte dos Salmos foram escritos pelo rei Davi, que Habacuque era sacerdote; Samuel é o autor dos livros a ele atribuídos, etc. Percebe-se uma nítida tendência de atribuir a autoria dos textos a personalidades do mundo antigo, gente ligada à corte (Moisés, Davi e Isaías), ou ao templo (Habacuque e Samuel).
A leitura instrumentalizada pelas descobertas arqueológicas, pelos fragmentos de escritos tanto em cerâmicas como pedras e papiros, desenhos feitos em cavernas ou nos palácios, a história comparada, a análise dos estilos e o vocabulário empregado nos escritos vários, mostram que a autoria dos textos bíblicos é bem mais complicada e difícil de se precisar. Já perguntei a muita gente que defende a autoria mosaica do pentateuco como poderia ter Moisés escrito em hebraico lá pelo século XIII aC, se os mais antigos textos com alguma palavra que talvez se possa atribuir ao hebraico são datadas no século X? Teria ele escrito em uma língua ainda inexistente? Um dos defensores, diante da pergunta, me respondeu que o “Espírito Santo o capacitou com o dom de uma língua que um dia apareceria”. Por que não se atribui nenhum trecho à autoria de uma mulher, mesmo que se tenha o cântico de Rebeca? Poderia um homem escrever com a fineza e a qualidade dos sentimentos femininos que estão presentes na história de Sara e Hagar e especialmente no encontro desta última com um anjo que a manda de volta para a casa de Abraão?
Como pôde Davi escrever tantos salmos para serem cantados no templo se em seu tempo ele não existia e, mesmo que quisesse construí-lo, foi seu filho, Salomão, que o construiu? Como podia ter dados ordens para se cantar com a melodia tal ou ao som de oitava, se o serviço religioso foi estabelecido mais tarde?
Quando se examina com mais imparcialidade e menos fervor religioso pré-concebido, percebe-se que o Antigo Testamento é uma coletânea de textos, escrito por uma multidão de autores que transmitiram o que ouviram e viram milhares de vezes, ao ponto de se tornar um texto de produção coletiva. A teologia do Antigo Testamento foi obra de um trabalho comunitário, de uma hermenêutica nacional, contando e recontando suas histórias e adaptando-as a cada momento que viviam. A fixação por escrito dos relatos orais se deu tardiamente. Exemplo disto é o livro de Jó, hoje reconhecida por muitos como obra teatral e não relato histórico sobre um personagem real. Em Jó estamos todos os que sofremos, que perdemos bens e família, que fomos falsamente consolados pelos amigos, que fomos acusados por quem nos dizia que nos queria ajudar.
Pela quantidade de denúncias que os textos fazem dos governantes e sacerdotes, da corrupção reinante nos juízos que exploravam e tomavam as propriedades aos mais pobres, pode-se concluir, com grande margem de acerto, que os que transmitiam oralmente as mensagens, especialmente as proféticas, e quem as redigiu, não era gente da corte, do templo ou dos tribunais. Era gente que estava sofrendo as agruras e que via nas mensagens a sua voz e angústia expressadas.
Tudo leva a crer que a teologia do Antigo Testamento é a feita pelos sem-poder, sem-notoriedade, gente sofrida, explorada, escravizada. Por isto, e com propriedade, é que se diz que a Bíblia é a memória dos pobres.

Marcos Inhauser