Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira

terça-feira, 2 de fevereiro de 2010

BALAS BÍBLICAS

Confesso que não acreditei. Reli algumas vezes para engolir a coisa, o que o fiz pela seriedade da fonte e pela riqueza de detalhes: “o armamento dos soldados dos Estados Unidos, especialmente os usados no Afeganistão e Iraque, trazem inscritos versículos bíblicos”. O general David Petraeus, encarregado das operações militares, comentou que “é una preocupação séria para mim e outros comandantes o fato de que o armamento enviado e que as armas doadas para o treinamento do exército iraquiano tragam inscritos trechos bíblicos retirados do Novo Testamento”. Tais passagens são visíveis em locais como as miras telescópicas. Versículos como “Eu sou a luz do mundo, quem me segue não andará em trevas” ou “quem das trevas resplandecesse a luz, é quem resplandeceu em nossos corações, para iluminação do conhecimento da glória de Deus, na face de Jesus Cristo” A empresa Trijicon Inc. foi quem desenvolveu esta prática e ela é usada há mais de trinta anos, sem que ninguém até agora reclamasse. Com ela se dava a mensagem de que, cada vez que um soldado americano utilizava o armamento contra o inimigo, era o próprio Deus quem estava abençoando ou orientando tal tiro. Stephen Bindon, presidente da empresa, se comprometeu em enviar novos rifles e armamentos, e afirmou que esta sua decisão “é prudente e apropriada”. Eu achei que já tinha visto de tudo na vida e que a capacidade de usar da fé para explorar e justificar ações já estivesse esgotada. Confesso, no entanto, que esta me pegou de jeito. Pacifista convicto, que crê que o evangelho é em sua essência a paz com Deus, com o próximo e com a criação, nunca imaginaria que se poderia colocar Bíblia nas balas que seriam endereçadas para matar outros. Considerando a dimensão de guerra entre cristãos e muçulmanos, que a administração Bush deu à gestão, fica ainda mais patética esta prática. O que também me chama a atenção é que por trinta anos a coisa vinha sendo feita e ninguém levantou a questão. Foi feito escondido? Era estratégia militar para dar mais moral à tropa? Fica para mim a mentalidade mágica prevalecente em meios religiosos cristão fundamentalistas de que a benção de Deus é automática se há algo de Bíblia envolvido. Um comércio que tenha uma Bíblia aberta tem mais chances de sucesso. Um carro que tenha uma no portaluvas não sofrerá acidentes. A fé cristã deixa de ser fé para ser magia. Marcos Inhauser