Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira

terça-feira, 3 de maio de 2011

Carta do Abileone

Em homenagem ao meu sogro que faleceu há dias e em agradecimento ao local onde ele esteve nos últimos meses de sua vida. Querida Rita Quero pedir perdão porque fui embora sem me despedir de você. Enfermeiras lindas vieram me chamar e dizer que estava sendo promovido para nova casa de repouso. A minha vida foi trabalhar e isto de repouso pouco tive, mas Deus me abençoou com a o Repouso Bem Viver. Confesso que foi difícil repousar depois de tanto trabalho. Até achei que estavam me descartando. Quando vi você, tão jovem e linda (o Alex que ficar com ciúmes) correndo prá todo lado e eu sentado, sem fazer nada, recebendo tudo de mão beijada, me senti desconfortável. Com o tempo fui gostando de ser paparicado. Nunca fui tantas vezes chamado de “meu lindo”, “meu amor”, nunca tantas moças maravilhosas e dedicadas me pediram em casamento! Uma hora era a Marlene, outra a Cida, depoi a Piloto de Cadeira Formula 1, e a Baixinha, e outra, e outra. Cada uma delas com um jeito especial de cuidar de mim. Até homem andou me dando banho. Agora fui promovido para a Casa do Eterno Repouso. Ela não é muito diferente do que vocês me deram. A Rita que me recebeu aqui disse que na terra ora me chamavam de Leone, ora de Abílio, mas agora tenho um novo nome: Abileone, porque vou ser os dois ao mesmo tempo! Sabe, Rita, tô estranhando aqui: ainda não me deram nenhum remédio. E também não vi ninguém tomando remédio algum. É meio esquisito. Acho que esta Casa de Repouso é meio diferente e fora do eixo. E o mais estranho é que estou me sentindo melhor. Parece que a cada hora que passa tô melhorando mais. As pernas já estão mais fortes e esta noite levantei sozinho prá ir mijar. Ninguém reclamou de mim como vocês faziam, muito pelo contrário, me aplaudiram! Me contaram que vão celebrar meu aniversário e vão fazer festa e que vem um conjunto de musica caipira prá cantar. Eu disse que já tinham feito. Insistiram e avisaram que aqui a gente conta a idade de trás para frente. Agora vou fazer 95 anos, depois 94, 93 e assim por diante. Eu perguntei: e quando chegar no zero? Eles me responderam que vou virar criança eternamente. Estranho isto né? Sabe Rita, se eu não tivesse passado pela sua casa, se eu não tivesse conhecido o Alex, a Marlene, a Cida, a Bingueira, eu ia estranhar isto daqui e não sei se seria uma promoção. Talvez até pedisse para voltar. Ficar aí com vocês foi um estágio para me acostumar com o Céu. Aí é a porta de entrada a Casa de Repouso do Eterno Viver. Beijos e lembranças a todos que trabalham com você. Eles são iguaizinhos aos de branco que tem aqui. Como você conseguiu arrumar tanto anjo para trabalhar com você? Preciso ir para a festa de aniversário. Tão me chamando. Vou ter que acostumar com ter 95 anos outra vez. Quando chegar nos 18, aí sim que vai ser “bão demais da conta”. Se alguém me pedir em casamento eu topo na hora!!!! Abileone