Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira

quarta-feira, 3 de junho de 2015

DO LIMÃO, LIMONADA

A frase é lugar comum e clichê. Sei disto. Mas não achei outra agora que melhor expressasse o que quero compartilhar.
Quem me lê sabe que já critiquei muitas vezes os conservadores. O amanhã deles é o ontem. Padecem de sonhos e de impulso criativo. O melhor seria que tudo continuasse da mesma forma eternamente. Veem o mundo como se fosse um imenso congelador onde as coisas estão para serem preservadas.
Por outro lado, há os que buscam a novidade a toda hora e em todo lugar. Nada mais emocionalmente desestabilizador que ter tudo sempre diferente a cada vez. Se cada vez que eu entrasse em casa, tudo estivesse em novos lugares, a minha vida seria um inferno. Isto me faz lembrar de um sonho que tive em um determinado momento de minha vida onde muitas mudanças estavam ocorrendo. Nele eu estava em uma cidade muito bem conhecida por mim, mas os quarteirões rodavam sobre seu próprio eixo, de tempos em tempos, e eu ficava perdido sem saber em qual rua estava e para onde deveria seguir para chegar onde queria.
Assim, há um nível saudável entre o preservar e o mudar. Se o eterno preservar é quase-morte, o sempre-renovar é loucura.
Somos abalados diariamente por mudanças, situações, eventos, perdas, tensões, trombadas (reais e metafóricas), pelo aleatório, pela incerteza, etc. Diante de tais imponderáveis temos duas possibilidades: ou resistimos ou nos flexibilizamos. Há, então, três possibilidades: sair dos fatos pior do que se entrou, sair dos fatos igual ou sair dele melhor. O conceito de resiliência vem desta capacidade de enfrentar estas adversidades e sair adiante.
Salvo melhor juízo, tenho para comigo que a resiliência me habilita a enfrentar os fatos que me abalam de tal maneira que saia deles incólume. Seria a opção de sair igual, como se o que me aconteceu não me tenha derrubado.
Tenho para comigo que as vicissitudes da vida não são para me deixar igual, mas para me mudar e me fazer melhor. Quem não aprende e melhora com os caminhos da vida é imbecil. Daí porque haver o ditado: “a sabedoria vem com as cãs” (cabelos brancos). E porque os solavancos da vida amadurecem, porque as novidades me fazem pensar e reposicionar, porque os percalços me passam lições que a escola não me ensina, tenho por eles uma certa predileção. Não que goste de sofrer. A rotina para mim é sofrimento. Gosto do novo, do desafio, da crítica, da controvérsia. Penso melhor sob pressão.
Daí, talvez, porque esteja com esta coluna há quinze anos. Ela me obriga a pensar, a produzir, a diagnosticar. Recebo e-mails me espinafrando. Certas críticas são elogio porque vindas de quem não sabe ler e entender o que leu. Um deles, que vivia me esculhambando, lia o que não escrevi e dizia que disse o que nem me passou pela cabeça. Outras vem de gente que pensa, que discorda, que apresenta argumentos, que me manda um tratado de mais de 40 páginas sobre Michel Foucault porque não gostou que o citei e como o citei.
A novidade tem o risco implícito. Se é novo posso não saber direito, posso errar ao fazer, talvez tenha que repetir muitas vezes até dominar. Assim são certos programas de computador: mudam a cada pouco e a gente tem que reaprender a usar. O conhecido não precisa de receita: sabe-se de memória. A possibilidade de erro é reduzida ao mínimo. Cozinhar arroz e feijão dificilmente eu erro. Agora, fazer um prato novo com temperos recém conhecidos é outra história.

Por isto digo: “viva a mudança”. No duplo sentido: saudando e desfrutando, fazendo do limão uma limonada!
Marcos Inhauser