Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quarta-feira, 22 de abril de 2015

“AS PROSTITUTAS VOS PRECEDERÃO”

Confesso que sempre tive problemas com a frase proferida por Jesus, registrada em Mateus 21:31 “Jesus disse-lhes: Em verdade vos digo: os publicanos e as meretrizes vos precedem no Reino de Deus!” A minha incompreensão durou até o dia que me contaram a seguinte história, vivida indiretamente por quem a contou.
Houve uma chamada de emergência no Serviço de Água e Esgoto, dando conta de um vazamento de esgoto que transbordava e estava rolando abaixo na via pública. O problema estava na Zona de Meretrício da cidade. O encarregado escalou uma equipe para ir ao local e o motorista que deveria leva-los. O motorista escalado era membro de uma igreja “pentencostal”, que vivia pregando a todo o mundo no trabalho e cheio das certezas morais. Quando soube que deveria ir à Zona do Meretrício, enfureceu-se, dizendo que não iria para o inferno, que aquele lugar era de perdição e que ele se recusava a ir. O chefe o enquadrou e determinou que fosse.
Na viagem de 20 minutos foi resmungando, murmurando e reafirmando sua santidade. Os demais estavam fazendo brincadeiras sobre o fato e com ele. Lá chegando, desceram as ferramentas e iniciaram o trabalho, sob os olhares curiosos das meninas e da tia que tinha a casa em frente à qual aconteceu o rompimento. O motorista continuava a resmungar e murmurar, ao ponto dos colegas pedirem que ele fosse embora e que, quando terminassem o trabalho, o chamariam para vir pegá-los. Ele preferiu ficar, pregando sua “santidade”.
Uns quinze minutos depois de iniciado o trabalho, já suados com o esforço da picareta, uma das meninas trouxe uma jarra de suco gelado e um copo para cada um dos trabalhadores, inclusive o motorista, que recusou a bebida para não se contaminar.
Trabalharam a manhã toda. Almoçaram a marmita que levaram, mais o suco que novamente lhes ofereceram. O motorista “santo” continuava a praguejar.
Lá pelo meio da tarde terminaram o trabalho. Para surpresa deles, a senhora dona da casa convidou-os para entrar, se lavar e um lanche que ela e as meninas haviam preparado estava sobre a mesa. Ao entrarem, viram um banquete, todas meninas com lenço na cabeça e avental por questão de higiene.
Aqueles homens que haviam trabalhado no esgoto, entrado nele, se lambuzado com ele, estavam agora sendo recepcionados por quem se preocupou com a higiene no preparo da comida. O “santo” não entrou porque não queria se contaminar.
Quem amou o próximo? O motorista “crente, santo e pentencostal” ou as meninas e a dona da casa delas?
Confesso que me emocionei quando ouvi a história por parte de quem trabalha no serviço de águia e esgoto e me emociono agora ao escrever sobre ela. Houve graça da parte delas e justiça empedernida e arrogante por parte do motorista.
Com uma história como essa entendo porque Jesus disse que elas precederão os “fariseus, santos, incontaminados e arrogantes”.

Marcos Inhauser