Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quarta-feira, 8 de abril de 2015

A AÇÃO SUBSTITUÍDA PELO CONCEITO

Nada pode ser tão fatal para a vida humana que alguém trocar a ação por conceitos, a realidade por ideias. Deve-se temer quem crê que pode, somente falando e teorizando criar categorias e mudar sociedades. Os grandes teóricos foram péssimos nas suas ações de implementação.
A vida humana é um relacionar-se em sociedade que deve dar-se na dimensão dos valores pessoais que alicerçam o agir, mas um agir respeitoso e tolerante para com as diferenças de prática e concepção. Ao negar a primazia dos conceitos sobre a práxis, não estou advogando o simplismo, o reducionismo, o ativismo, mas, antes, a práxis alicerçada no entendimento possível para cada pessoa, segundo suas capacidades e habilidades. Nego sim a arrogância cognitiva que, abdicando da prática, se arvora em palavra última e verdade absoluta. Nego as concepções gestadas em ambiente climatizado de ar-condicionado.
O conhecimento só é válido quando ele tem o objetivo de beneficiar o próximo, a sociedade. O arrogante é egóico. Pensa em si, acha que só ele sabe e sua preocupação é promover-se. O saber autêntico não se encerra em uma masmorra de proteção, antes deve ser fermento de esperança e promotor de mudanças visando melhorias sociais e relacionais. Busca a verdade e a justiça, sem se alienar do amor.
Lembro-me dos tempos de Mestrado em Educação quando professores se acusavam de ortodoxos e revisionistas (marxistas versus gramscianos), sem que nenhum deles tivesse uma vivência no mundo fora da Universidade. Cansei de participar de reuniões internacionais onde o que mais se fazia eram diagnósticos. Eram especialistas em RX, desvendando minucias de uma fratura, mas que nunca tinham colocado um gesso ou uma tala em um braço ou perna. Isto me faz lembrar o Dadá Maravilha: “eles trazem a problemática, eu venho com a solucionática.”
Trago estas reflexões porque acho que se faz, uma vez mais, um crime contra a educação neste país. Ainda que o lema da represidente seja Pátria Educadora, ela entregou a pasta inicialmente a um conhecido verborrágico, de tradição familiar, que de educador tinha nada e nem educado era. Deu no que deu.
Para substituí-lo ela entrega o cargo a um filósofo. Andei lendo coisas do Janine, coisas sobre o Janine e o vejo como mais um teórico que terá que assumir algo que ele só conhece nas radiografias que faz. Nisto ele empata com o Mangabeira Unger, o “ministrus absconditus” porque sumido está. Duvido que ele faça algo, ainda que, do fundo da minha razão quero que ele consiga fazer algo.
O que mais me preocupa nele é sua guinada conceitual. Escreveu ele que: “"A cultura é a educação fora de ordem, livre e bagunçada. Para cursos, há currículos. Para a cultura, não. Cada vez mais, a educação deverá se culturalizar: um, deixando de seguir currículos rígidos; dois, tornando-se prazerosa; três, criativa. O próprio caráter imprevisível da ação cultural e a dificuldade de planejá-la fazem dela um dos modelos para o que deve ser a educação numa sociedade criativa."

Se entendi, ele propõe uma educação “fora de ordem, livre e bagunçada”. Se fizer isto, será a cereja no bolo da zona que se instalou no país. Era o que faltava: um acadêmico propondo a bagunça. Espero que não saiba fazer isto, como soe acontecer com os acadêmicos.