Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

terça-feira, 9 de outubro de 2012

PEDRO 12 OU 126?

Antes de mais nada, quero afirmar que não tenho nada pessoal contra o Pedro Serafim. Nunca conversei com ele, nem mesmo o vi, mesmo de longe. Tenho tudo contra o Pedro Serafim político e isto já deixei claro desde a época do impeachment do Hélio.
Já escrevi aqui, quando dos fatos, que: “O resultado da “eleição” na Câmara ... era, ...  o conto de um final previsível. .. o Pedro não entrou na história de graça. .. tinha e tem seus objetivos. Seu sonho desde criancinha era ... ser prefeito de Campinas e conseguiu, ainda que pela via indireta, mesmo porque, se fosse pela urna, eu tenho minhas dúvidas de que seria eleito. ... na sua trajetória política, é uma decepção. Em 2010, quando da sua eleição para a presidência da Câmara já se alertava ... que ele era um dos parlamentares mais ausentes na Câmara. ...  Chegava atrasado e ... saia antes de terminar ...  a segunda grande decepção: a forma como conduziu a discussão e aprovação do aumento salarial de 126% (com uma) aprovação às surdinas e de forma sorrateira?”. ... como acreditar (em quem) autoconcedeu-se o escandaloso aumento de 126%?.... Causou-me espanto as afirmações (dele) ... de que o aumento era para que houvesse independência do legislativo (... confissão de promiscuidade...). ..No dia da eleição, em entrevista, disse que daria um choque de gestão e que “controlaria a transparência das contas”. Ato falho? Para mim confissão de um estilo, porque já mostrou na Câmara como controla a informação quando do episódio do aumento salarial.
Não sou profeta nem vidente. Leio os fatos e faço análises. Quando o Serafim saiu candidato, tinha certeza de que não ganharia nem de um poste. E com as propagandas a certeza foi crescendo, seja pela antipatia e falta de carisma que sua photox apresentava (foto turbinada a photoshop e botox que lhe dava uma carinha de adolescente travesso), seja por algumas inverdades colocadas.
Uma delas é que foi ele “quem pôs a correr a turma do Hélio e o Demétrio”. Até onde sei e percebi vendo e lendo os fatos dos impeachments, quem detonou o esquema foi o Ministério Público. Depois a Câmara, nas atuações de Orsi e Zimbaldi, que capitanearam o processo no legislativo. O Serafim esteve no processo porque era o Presidente da Câmara e lhe interessava para realizar o sonho de ser prefeito.
Outra inverdade foi dizer que sua ficha política não tinha mácula. Ora, o processo de aprovação dos 126% foi transparente? A forma como foi aprovado não foi eticamente reprovável, tanto que culminou na rejeição popular e no cancelamento dele pelos envergonhados vereadores? E as nomeações a rodo na Sanasa para dar guarida a seus interesses eleitorais (também aqui denunciados)?
Uma coisa não dita pelo prefeito tampão é que ele adora coisas com mais de 100%. Dados apresentados 15 dias antes da eleição mostravam que os gastos do gabinete do prefeito tinham aumentado mais de 140% neste ano.
Não foi coincidência que o número do Pedro nesta eleição tenha sido uma forma de evitar o “6”. Na verdade, seu número deveria ter sido “126”. Ele escondeu o quanto pôde o “6” de sua candidatura, mas o povo se lembrou que ele não era 12, mas 126.
Marcos Inhauser