Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quinta-feira, 1 de setembro de 2016

NÃO SOUBE PARAR

Em viagem, passei o dia de sábado em quarto de hotel, com chuva e vendo o desenrolar das coisas no Senado. Ouvi cada pergunta e cada resposta. No domingo li o que eu pude sobre o processo de impeachment, ouvi programas específicos com especialistas e análises. Nesta segunda, assim que voltei ao hotel, tive a pachorra de ouvir na íntegra o discurso da Dilma, assim como peguei algumas das respostas que a Dilma deu às perguntas de senadores.
Há neste processo algumas coisas que quero salientar e comentar nesta coluna. A primeira é que, passados vários meses insistindo no mesmo discurso de golpe, os aliados da presidente não conseguiram reverter um só voto. Isto ficou claro na votação para a admissibilidade do processo e na votação na comissão. A proporção foi a mesma.
A segunda é que, no que pese todo o esforço feito, pouca ou nenhuma explicação plausível foi dada para os fatos apontados e denunciados. A tese do golpe foi repisada mil vezes, sem que nenhuma novidade fosse adicionada. Como diria o Einstein (ao menos é a ele que se atribui a frase): nada mais idiota do que esperar resultados diferentes fazendo sempre as mesmas coisas. Foi o que ela e seus aliados fizeram.
A terceira é que a tropa de choque no Senado foi histérica e histriônica. As atitudes, os comportamentos e as atuações das senadoras Gleisi e Graziotini, e do senador Lindenberg foram causadoras de uma atitude de defensiva e recusa de qualquer possibilidade de se dialogar.
A quarta é que não se esperava que a presidente fosse pessoalmente ao Senado se defender. Ela o fez. E o seu discurso lido foi um posicionamento claro, coisa não comum nas falas da presidente. Se ela tivesse parado e ficado nele, teria conseguido desmontar muita coisa. Ela, no entanto, cedeu à tentação de responder às perguntas. Aí a coisa se complicou.
Eu me explico. Se ela tem alguns neurônios na cabeça e se tem ouvidos para conselhos, deveria ter feito o discurso e se retirado. Ela sabe e todos sabem que a votação está definida. Ela sabe e todos sabem que não vai se reverter o resultado previsto do processo. Se ela sabia que não mudaria os votos e o resultado, porque insistir em responder perguntas? Será que havia nela e no grupo a veleidade de que poderiam mudar as coisas? Se ela tivesse denunciado que estava ali em um julgamento que já havia se definido há tempos, por que ela não acentuou a característica de jogo marcado do julgamento?
Teria marcado posição, teria feito um discurso para a história e deixaria a sala se recusando a participar de uma coisa pró-forma. Teria sido mais contundente se recusasse a responder aos questionamentos. Do bom discurso inicial ela passou a um péssimo desempenho ao responder as perguntas, assumindo o tom arrogante, professoral e a insistência nas expressões “eu acho”, “estou convencida”. Nada de mea culpa para uma recessão de magnitude nunca antes vista, para a insistência em manter o eterno ministro das desgraças econômicas, o responsável pela “contabilidade criativa” (Mantega, que não está sendo julgado pelas lambanças que fez). Nenhuma menção a Lula, ao PT, aos apoiadores enrolados com a justiça (Lindenberg, Gleisi, Wagner, Mercadante, Lula, Humberto Costa, e outros mais).

Ela não soube parar. Falou mais do que devia e a sobriedade e sabedoria ensejavam. Foi verborrágica de uma tese só: repetitiva e irritante.
Marcos Inhauser