Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quarta-feira, 7 de setembro de 2016

ERROMENÊUTICA

Não é a primeira vez que ouço sermão ou leio textos que trabalham sobre o tema do amor na Bíblia e que o mesmo tipo de má interpretação acontece. Refiro-me ao clássico texto do “amarás ao Senhor teu Deus sobre todas as coisas e ao teu próximo como a ti mesmo”. O erro está no fato, costumeiramente praticado, de ver no texto três mandamentos: amar a Deus, ao próximo e a mim mesmo, como se fossem três coisas distintas e que se pode observar por parcela ou na integralidade segundo uma escala de valores.
Há não muito tempo estive em uma igreja como visitante e outra vez ouvi o descalabro desta erromenêutica. Afirmou o “pregador” que Jesus nos ensinou três coisas essenciais à vida cristã e que as três devem ser observadas em ordem. Primeiro, disse ele, temos que amar a Deus. Se não O amamos antes de tudo e sobre tudo, não estamos habilitados a amar a nós mesmos e ao próximo. Só depois de cumprido este mandamento estaremos aptos a passar para o cumprimento do segundo mandamento. Afirmou ainda que é possível amar a Deus sobre todas as coisas e não amar ao próximo e a mim mesmo. Seria uma obediência parcial, mas válida.
Neste momento, em mais uma prática da erromenêutica e da má fé, inverteu a ordem do texto e disse que, em segundo lugar, devemos amar a nós mesmos. Como condição para isto, devemos estar conscientes de que Deus nos fez como somos, devemos amá-lo sobre todas as coisas e entender que, criaturas de Deus feitos à sua imagem e semelhança, devemos nos amar.
Quando cumprimos a primeira e segunda partes do tríplice mandamento, podemos e estamos habilitados para amar ao próximo. Não podemos amar ao outro se não nos amamos e não conseguimos nos amar se não amamos a Deus.
Não preciso dizer que a esta altura eu já estava na ponta dos pés para sair dali. Mas aguentei firme e ouvi a pérola: “amar ao próximo é o último dos mandamentos essenciais da vida cristã. É possível ser verdadeiro cristão cumprindo os dois primeiros”.
Pasma-me a negligência teológica e prática das igrejas no amor ao próximo. Se no Antigo Testamento os dízimos trazidos à Casa do Senhor eram para que mantimento houvesse para suprir aos necessitados, hoje a ênfase é na compra dos equipamentos de som, no ar condicionado, no pagamrntos das horas de televisão ou rádio, na reforma, na suntuosidade e pouco ou nada se faz pelo necessitado. Algumas montam uma cesta básica por mês e acham que já fizeram a sua parte social.
O mandamento é único e indivisível. Não há como amar a Deus sem me amar e ao mesmo tempo amar ao próximo. Se amo ao próximo e por ele faço o que precisa ser feito, passa a amar-me e amo a Deus que o fez a mim também. Como posso amar a Deus a quem não vejo se não amo meu irmão a quem vejo, pergunta o escrito da carta joanina. Colocar uma hierarquia na obediência do mandamento, fazer do único mandamento um picadinho de mandamentos, estabelecer prioridades no amor, é erromenêutica, coisa de analfabeto bíblico e teológico.

Marcos Inhauser