Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quarta-feira, 18 de maio de 2016

TEMER(IDADES)

O sentimento de indignação com a corrupção está à flor da pele dos brasileiros. Não há dia que algo novo não venha à tona, envolvendo os mais variados setores da economia, os mais variados personagens, tanto na esfera pública como privada, tanto tubarões como lambaris. A coisa transpareceu na Câmara, quando da votação da admissibilidade de julgamento da presidente. Muitos (se não a maioria dos deputados), ao explicitar seu voto no festival de babaquices que se viu, declarou o desejo de colocar um fim à corrupção, ainda que o assunto não fosse o que estava em pauta e nem era o que se votava.
Com isto, vejo que a nomeação do ministério feita pelo presidente-interino Michel Temer foi uma Temer(idade). Indicar sete ministros que estão sendo acusados pela Lava Jato é uma temeridade. Sei que ninguém é culpado a priori, que só se torna culpado depois de sentença transitada em julgado, que a pessoa é inocente até que se prove o contrário. Ocorre que, salvo raríssimas exceções, os que tiveram seus nomes citados pelos delatores premiados foram posteriormente investigados e se comprovou o que diziam. Aí está o caso do Eduardo Cunha, do Delcídio Amaral, do Argolo, do Pedro Henry e outros mais.
Ter o ministro Eliseu Padilha é uma temeridade. Ele foi acusado de ser lobista, de ter atuado em favor de empresas e de ter pago dois milhões de forma ilícita. A acusação foi feita em 2003, a ação foi impetrada em 2013 (!!!) e até agora nada de julgamento.
O Geddel Vieira Lima é acusado de ter desviado mais de um milhão da corretora de valores do Baneb (1999), o que lhe custou a demissão do cargo que ocupava. Ainda pesam sobre ele o fato de ter mensagens interceptadas nas quais advogava a favor da OAS, o que lhe garantiu recursos para sua candidatura ao Senado, graças à “generosidade” do Léo Pinheiro.
O ministro Moreira Franco teve um apartamento leiloado pela Justiça (1997) para que se devolvesse dinheiro utilizado indevidamente para enaltecer as suas obras à frente do governo do estado do Rio.
O ministro Henrique Eduardo Alves, quando da sua eleição para a presidência da Câmara em 2013 teve uma série de acusações feitas contra ele: de ter dinheiro não declarado no exterior, contratar empresa laranja, beneficiar assessor, entre outras.
O ministro Blairo Maggi ganhou o prêmio Motosserra de Ouro, já foi considerado como um dos mais ferrenhos apoiadores do desmatamento, é conhecido como rei da soja (título que perdeu para Eraí Maggi). O estado de Mato Grosso forma o "Arco do Desmatamento" (a parte da Amazônia mais desflorestada) e o desmatamento do estado dobrou no seu governo. Uma temeridade colocá-lo no Ministério da Agricultura.
Temeridade foi a entrevista do ministro da Justiça, falando o que não era hora de falar e dando cordas para uma série de interpretações, inclusive a de que o novo governo interferiria na Lava Jato. Na mesma linha, também a entrevista do ministro da Saúde (que recebeu financiamento de campanha de planos de saúde), quem disse que o SUS precisa ser readequado, o que provocou celeuma e ele teve que recuar no mesmo dia.
Temeridade é chamar sindicalistas para que proponham mudanças na Previdência. Pura perda de tempo, porque nunca apresentaram nenhuma proposta concreta e não o farão agora.
Temeridade é ter um ministério com doze ministros que receberam, contribuições de empresas que estão na Lava Jato.
Temeridade é ter um ministério sem mulheres e negros.
Temeridade é querer mudar o Brasil nos seis meses que, porventura, estará em um governo interino, ou até 2018, caso venha a assumir a presidência.

Marcos Inhauser