Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quarta-feira, 25 de maio de 2016

PEDÓFILOS E CORRUPTOS

Na minha “santa inguinorança” da medicina psiquiátrica e da psicopatologia, tenho a informação de que psicopata, especialmente os que se revelaram como tais já adultos, não têm cura. Também tenho a informação de que os pedófilos são psicopatas e, por conseguinte, incuráveis.
Isto explica porque eles, mesmo sendo descobertos e penalizados por seu comportamento, voltam a delinquir. Há estados dentro dos Estados Unidos e, se não me engano, também em alguns países da Europa que, ao libertarem o pedófilo por terem cumprido a pena, são devolvidos à sociedade e um alerta é dado à vizinhança para que o indivíduo seja monitorado, com vistas a evitar que pratique a pedofilia outra vez. Isto também explica porque muitos sacerdotes e pastores flagrados no crime, são tratados com certa benevolência pelas autoridades religiosas que os move para outros lugares, na esperança de que não voltem a praticar o crime, o que, no mais das vezes, não acontecesse e ele reincidem.
Nestes tempos de Lava Jato e declarações públicas de indiciados e réus, tenho sido levado a apensar em um novo tipo de psicopata: o politicopata. Ele se apresenta com a maior cara-de-pau tentando explicar o batom na cueca, com a maior desfaçatez e hipocrisia. A certeza deste enfermo (sic) veio com as “explicações” do Romero Jucá para a divulgação de uma conversa nada republicana que manteve com o ex-senador e ex-diretor da Transpetro. A cara-de-pau em explicar o inexplicável, o malabarismo feito para contornar interpretações que saltam do texto de forma inequívoca, a cara de vítima e santarrão, me levaram a pensar que ele é extremamente inteligente e sem nenhum sentimento (ambas características do psicopata).
A revelação de um corrupto traz-nos à tona a sua corrupção não só no nível da propina, mas na capacidade que ele tem de corromper o idioma e o sentido estabelecido da palavra. O Jucá teve a capacidade de, sem ficar vermelho, dar ao termo “boi de piranha” sentido completamente diferente daquele que todos os brasileiros lhe dão. Corrompeu o sentido useiro e vezeiro da palavra.
Para não restar dúvida da sua capacidade de corromper, também ressignificou a palavra “delimitar”, dizendo que era investigar e punir quem de merecia condenação. O sentido dicionário de “colocar limites”, “estancar”, “parar” foram para as calendas.
O Jucá, quem tem mais tempo na política que muitos, é um boquirroto e um bravateiro. Dizer que poderia haver um pacto nacional, com os três poderes, para “delimitar” a Lava Jato, é coisa de gente insana, seja pela impossibilidade real, seja pelas circunstâncias atuais.
São politicopatas o Zé Dirceu (mesmo condenado pelo Mensalão, continuou a delinquir), o Genu (que zombou do Judiciário e transferiu o esquema do Mensalão para o Petrolão), o Cunha e sua impassividade circunstancial que se traduz em vingança hepática, o Renan e sua fleuma em dar a entender que nada o atinge, o André Moura quem, mesmo tendo uma extensa folha corrida com acusação de tentativa de homicídio se afirma inocente e se apresenta como líder do governo, e muitos outros que o tamanho da minha coluna não me permite nominá-los.
Seria o Temer um autista político quem, mesmo vendo o seu entorno e as pessoas que com ele se relacionam, ignora as advertências e segue em frente como se nada pudesse acontecer?
Marcos Inhauser