Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

A ORAÇÃO QUE NÃO FIZ



Pastor em São Carlos, recebi a ligação de uma jovem para que fosse visitá-la em sua residência. Ela alegava ter problemas de mobilidade. Lá chegando, confesso, tive meu estômago embrulhado. Não tenho dom para enfermeiro e nem cirurgião. Ela tinha um afundamento craniano que me pareceu que lhe faltava metade do cérebro, com o consequente problema de paralisia acentuada em um dos lados do corpo.
Ela me recebeu com sorriso e alegria contagiantes. Para disfarçar meu embaraço, puxei da algibeira meu lado humorístico e tivemos uma excelente conversa. Ela me disse que queria frequentar a igreja. Afirmei que providenciaria para que isto acontecesse. Havia na igreja um jovem com o dom de serviço, forte e alto que, tendo carro, poderia fazer o trabalho. Acertei com ele e no domingo ele entrou com ela, carregada. Assim aconteceu nas vezes seguintes.
Um dia fui visitá-la e ela me pediu que orasse pedindo que Deus desse a ela um marido: ela queria casar-se! Fiquei pasmo e não sei se consegui disfarçar o meu espanto, pois considerava o pedido impossível. Na saída orei por ela e não mencionei na oração o seu pedido de um marido. Terminada a oração ela me disse: “pastor, o senhor não pediu o marido para mim”. Sem graça e sem jeito, e de maneira um tanto irônica, disse: “Oh! Deus! Arruma um marido para ela!” Não era uma oração, era uma evasiva, quase uma piada!
Sai de São Carlos e morei fora do país. Alguns anos mais tarde me contaram a história dela. Um amigo do pai que morava a uns 200 km de distância veio visitá-lo e pediu a um jovem da igreja que fosse dirigindo o carro para ele. Ele conheceu a Izilda, conversaram animadamente pelo tempo em que o amigo lá esteve. Alguns dias depois ele voltou à casa sozinho e pediu ao pai que queria casar-se com ela. O pai lhe expôs as dificuldades e o que significaria casar-se com uma mulher com tal grau de deficiência. Ele insistiu e prometeu que cuidaria dela com todo o carinho. Diante da determinação do jovem e do sonho da filha, o casamento foi permitido.
Casaram-se, mudaram para a cidade em que ele morava. Soube que ele cuidou dela como princesa até o dia da sua morte e que eles tiveram uma filha.
Perdi o contato com a família dela e nunca soube quem foi o marido, qual seu nome ou de onde era. Talvez nunca tenha sabido porque anjo não precisa de nome e endereço para atuar. Não sei onde mora a filha (ou filho, não tenho certeza!). Mas desta história sobraram algumas certezas para mim.
Quando soube do que havia acontecido, pensei: Deus responde até oração que não fazemos. Engano meu: achei que Deus tinha respondido a uma oração que não tinha feito. Hoje vejo as coisas de forma diferente. Deus tem uma predileção toda especial pelas viúvas, órfãos, deficientes! Deus não respondeu à minha oração não feita, antes à suplica dela. Ele deu um marido a ela no que pese a minha descrença.
De uma coisa sei e o sei por dura experiência: Deus pode responder até mesmo as orações não feitas! Deus pode fazer aquilo que é impossível! Deus pode dar um marido e uma filha a quem eu nunca teria dado!
É a graça de Deus!
Marcos Inhauser