Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

O TROPEÇO DAS ESTRELAS


Em Atenas, 2004 foram cinco de ouro. Em Pequim, 2008 foram três de ouro. Para 2012 em Londres o midiático Carlos Arthur Nuzman prometeu oito de ouro e só vieram três. Houve um trabalho de marketing muito forte em cima de algumas figuras que se esperava trariam ouro: seleções brasileiras de futebol masculino e feminino, seleções masculinas de basquete e de vôlei, equipe de ginástica olímpica, judô, salto com vara e salto triplo feminino, maratona. Exceção feita à seleção feminina de vôlei que arrancou a medalha com o pé na cova, toas demais esperanças frustraram.
A começar pelo time feminino de futebol, eliminado precocemente, com atuação pífia. A masculina foi se aguentando frente a adversários fracos, mas na hora agá, quando enfrentou uma seleção mais forte, deu no que deu. A Fabiana Murer foi derrubada pelo vento e a Maurren Maggi amarelou. Na maratona o primeiro brasileiro classificado ficou em quinto lugar. A seleção feminina de basquete só ganhou da Grã-Bretanha. Os irmãos Hipólito e a Daiane permitiram que pela primeira vez desde 2002 a Brasil não estivesse nas finais da modalidade.
O Neymar foi medíocre se comparado com outros jogos e atuações. Hulk, Marcelo, Alexandro, Rômulo, idem. Salvaram-se o Oscar e o Damião. O Doda, nem se ouviu falar, o Fernando Pessoas idem. O Cielo afundou.
As estrelas tropeçaram.
Quem se salvou? Gente desconhecida e sem as luzes da mídia global. Os irmãos Falcão, Sarah Menezes, Arthur Zanetti, Felipe Kitadai, Mayra Aguiar, Adriana Araújo, Juliana Silva e Larissa França, Yane Marques. Gente que foi sem brilho, sem holofote, mas que voltaram com o brilho de suas performances e medalhas.
Os medalhões voltaram de peito vazio.
No caso específico do futebol masculino, fica a interrogação: como um time que tem alguns dos melhores jogadores do mundo em suas posições, pode ser tão bisonho em uma final de Olimpíada? Como se mantém um treinador que, depois de tanto tempo, ainda não conseguiu dar unidade ao time?
A Dilma disse que quer mais medalhas em 2016 no Rio. Querer é uma coisa. O Nuzman também quis e prometeu. Mas onde está a política nacional de desenvolvimento de novos atletas? Ou, tal como se age nas obras para a Copa e Olimpíada, acredita-se que na hora agá tudo vai dar certo. Será que a Dilma acha que se faz um atleta de uma hora para outra? Como a nação sede da Olimpíada tem o compromisso de ter participantes em todas as modalidades esportivas, tenho para comigo que teremos muito mais motivos para nos envergonhar em 2016.
Disto fica uma lição: a humildade é fundamental quando se pensa em competir. E quem entrou de salto alto, saiu de cabeça baixa.
Marcos Inhauser