Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quarta-feira, 21 de dezembro de 2011

PEDRO? SERÁ-O-FIM?


Poderia ter colocado o título na afirmativa: Pedro será-o-fim. Ou na exclamativa: Pedro: será-o-fim! Ou na meia interrogativa: Pedro: será-o-fim?
Escrevo na terça à tarde quando a Câmara de Vereadores inicia o processo de leitura do relatório da Comissão Processante, dado que não houve acordo entre as partes. Serão 1440 páginas de leitura protocolar, para as moscas ouvirem, fato que ninguém estará atento ao inteiro teor do relatório. Mais: me atrevo a afirmar que é protocolar porque o veredicto está dado. E é aqui onde entra a interrogação, exclamação ou afirmação do título.
Na interrogação a pergunta quer saber se com isto acaba a novela em que se transformou a política campineira. Duvido! Se na afirmativa, há duplo significado: a constatação de que pode ser o fim da novela, como também pode ser irônico, insinuando coisas que ficam a critério do leitor imaginar. Na exclamativa está o assombro de ter que engolir o Pedro como prefeito não eleito por um período de um ano.
Digo assombro por duas razões: a primeira óbvia, já explicitada na frase anterior e a segunda decorrente dos fatos recentes. Pode uma pessoa que preside um legislativo e que comanda 33 vereadores para uma votação feita à sorrelfa, só possível pelos conchavos anteriores entre os beneficiados, ser guindado a um posto que vaga porque o ocupante é acusado de tramoias? Que moral tem o Pedro de vir a público dizer que vai administrar com lisura se na presidência da Câmara não foi transparente, nem escorreito? Como pode vir a ser prefeito o homem que justificou o golpe aos cofres públicos dizendo que era para que o legislativo tivesse independência? Qual a dependência havida até então ou até o início da vigência do novo salário em 2013? Significa que estaremos com um legislativo cabresteado pelo executivo até lá? Que tipo de conluio haverá entre o novo chefe do executivo, ex-chefe do legislativo, que se mancomunou para um presente de 126% e que teve o desplante de justificar com o engodo da independência?
Como a Prefeitura e a Câmara não são conventos com santos reclusos (conclusão que faço à luz dos fatos), mas estão mais para ofidiários do Butantã, coloco minhas barbas de molho. Entre o De Metro Viagra e o Pedro Será o Fim, fico com o primeiro, porque, ao menos terá oposição a vigiar o que ele faz.
Marcos Inhauser