Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira
Coinfira também dicas de economia em www.ondecharoque.com.br

quinta-feira, 16 de junho de 2016

SEMELHANÇAS NA INCOMPETÊNCIA

Os dois nomes começam com a mesma letra.
Ambos têm cinco letras em seus nomes e três delas são consoantes.
Ambos têm duas vogais e terminam seus nomes com a mesma.
Ambos vêm do sul do país. Ambos começaram suas carreiras por cima e tiveram suas funções por apadrinhamento. Tiveram uma mão milagrosa para adentrar ao mundo dos “iluminados”. Os dois tem seus assessores próximos com nomes que lembram tempero: Cebola e Mantega. Ambos têm seus defensores gratuitos: Gilmar Rinaldi e José Eduardo Cardoso.
Ambos têm a estranha capacidade de sempre culpar os outros pelos seus infortúnios, de nunca reconhecer seus erros, de não se enxergar. No que pese o descalabro de suas atuações, ainda vendem a imagem de que tudo foi maravilhoso e que querem “bola prá frente”. Ela quer voltar para fazer o mesmo que fazia. Ele quer continuar para fazer o mesmo que sempre fez.
Quando falam e discursam é necessário um intérprete para entender. Prolixos e com lógica questionável, deixam os ouvintes aturdidos e se perguntando: o que foi que queriam dizer?
Ambos são avessos a qualquer mudança. Repetem ad nauseam as mesmas frases e conceitos e, diante de uma situação que exige decisão ousada, ficam catatônicos. Ela, diante da possibilidade concreta de ser afastada, ao invés de tomar decisões que mudassem o curso dos fatos, preferiu se colocar de vítima, chamando os que pediam mudanças (o que ela é incapaz de fazer) de golpistas. Ele, diante da derrota iminente, trocou um jogador leve e talvez o mais atuante em campo, por um pesado e que não ficava dentro da área como referência para os lançamentos. Tendo ainda duas substituições para fazer, olhava para o campo com cara de espanto, paralisado. Deixou de orientar a equipe, não fez o que dele se esperava e criticou o juiz por validar um gol irregular.
Ela estudou economia. Quem estuda economia não é garantia que venha a ser economista, assim como quem estuda filosofia ou teologia não é garantia de que venha a ser filósofo ou teólogo. Há uma distância entre estudar a matéria e ser economista, filósofo ou teólogo. Posso saber de economia, filosofia ou teologia e nada mais que isto. Ela não percebeu isto e se arvorou economista e na sua gestão produziu um déficit histórico, um desemprego na casa dos quase 12 milhões e a proliferação de “vende-se” ou “aluga-se” em função dos milhões de negócios fechados.
Jogar futebol não credencia a ser técnico de futebol. Uma coisa é jogar, outra é ser líder de uma equipe que coloca as peças certas no lugar certo. Uma coisa é fazer um lançamento em profundidade, outra é fazer uma substituição. Nem todos os bons jogadores são técnicos e há os que, tendo sido bons jogadores, se aventuraram na carreira e não tiveram sucesso ou tiveram que abandoná-la. Aí estão os exemplos de Zetti, Mario Sérgio, Roque Júnior, entre outros. Ele conseguiu dar ao Brasil a segunda maior vergonha no futebol: ser eliminado na primeira fase da Copa América.
Um estudou economia e não é economista. Outro jogou futebol e não é técnico. Os dois são incompetentes nas “profissões” que abraçaram. Ambos são incompetentes. Nos dois casos, quem pago o pato é o povo: com o desemprego, inflação alta, falta de perspectiva e vergonha de, sendo pentacampeão mundial, amargar um 7 a 1 e a gora a eliminação precoce.

Marcos Inhauser