Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira

quarta-feira, 16 de outubro de 2019

TEOLOGIA ZIRCÔNIO!


Um casal apareceu em casa porque soube que minha filha entendia de pedras preciosas. Eles haviam ganho de um andarilho uma pedra lapidada que brilhava muito. O casal era evangélico, passava por momentos difíceis e acreditaram no milagre da provisão.
Levaram a pedra para algumas pessoas tão leigas quanto eles para que a examinassem e quase todos disseram que havia grande possibilidade de ser um diamante. Olharam os preços de um diamante parecido e a cifra chegava à casa do milhão. Eles nos mostraram a pedra e, confesso, ficamos surpresos com a beleza dela. Chamei minha filha que morava na China e trabalha com pedras preciosas. Ela pediu fotos em vários ângulos, pediu para ver se havia impureza interior, se havia mancha de uma cor que eu não sabia identificar, mas minha esposa e o casal conseguiram ver. Ao final, minha filha pediu para eu soltar a pedra em cima do vidro da mesa. Deveria levantá-la a uns 30 centímetros e soltar.
Assim procedi. Ela me pediu para falar no reservado e foi quando ela sentenciou: “Pelo barulho na batida com o vidro isto é zircônio”. “Você tem certeza?” “O som do diamante é outro”. Argumentei que o som era via WhatsApp e do outro lado do mundo. “É zircônio!” concluiu ela.
No outro dia, minha esposa e o casal foram ver o seu Jozo, um japonês amigo nosso e de nossa filha e que é um dos maiores gemologistas do Brasil. Ele viu a pedra de longe e disse: “não é diamante e, para provar o que digo, vou mostrar alguns testes para vocês acreditarem”. Ele assim fez e provou que era zircônio de péssima qualidade.
Esta história me veio à mente ao ver gente cristã se empolgando com a ondas de “babaquices pseudoteológicas”. Estão achando que encontraram o diamante da teologia e da vida espiritual, que agora têm ao seu alcance a pedra fundamental do entendimento bíblico, que agora sabem a chave hermenêutica para todos os problemas espirituais e sofrimentos humanos, que descobriram o Santo Graal da vida cristã, que têm a pedra teologal. Abraçam as novidades como se diamante fossem. São alertados por quem tem alguma noção da coisa, que trabalha com teologia e eles simplesmente dão de ombros. Acham que a palavra do gemologista da teologia não é válida. Não acreditam que um perito pode identificar pelo barulho que faz. Quem nunca mexeu com gemas teológicas, se julga mais entendido que os gemologistas reconhecidos e respeitados.
A leitura literal e fundamentalista da Bíblia é mais verdadeira que a feita por linguistas especializadas em grego koiné e hebraico bíblico, ambas línguas mortas. Suas “descobertas”, mesmo que não tenham comprovação arqueológica ou sejam refutadas por quem entende das coisas da arqueologia, ainda assim é verdade absoluta. Acabam crendo no demônio da caspa, esquizofrenia, psicopatia, depressão, bipolaridade. Exorcizam obesidade e pobreza!
Mais tarde, quando a decepção vem porque descobrem que fizeram um anel solitário com uma pedra de péssima qualidade, um zircônio de quinta categoria, acusam Deus e o mundo de serem desonestos. Eles se revoltam e, via de regra, deixam a fé e a comunidade de lado. Para não pagar o mico de terem sido surdos às advertências dos gemologistas teológicos, fogem deles como o diabo da cruz. Preferem o zircônio das novidades à credibilidade dos teólogos!
Mas, como dizia um ex-aluno meu, citando Nietsche (duvido que o aforisma seja dele, mas mesmo assim muito válido): “todo palhaço tem sua plateia!” E zircônio vira diamante!
Marcos Inhauser

quarta-feira, 9 de outubro de 2019

MANIQUEÍSMO INTERPRETATIVO


Maniqueu, nasceu no terceiro século antes de Cristo no território do Império Sassânida (hoje Iraque) e é conhecido como fundador do maniqueísmo, filosofia religiosa dualística que divide o mundo entre Bom (Deus) e Mau (Diabo). Para ele, a matéria é má, e o espírito é bom. Passou, com o tempo, a se referir a toda postura fundada em dois princípios opostos: Bem e Mal. Para o maniqueísmo não existe meio termo: ou é do bem ou é do mal.
Nestes tempos estranhos de redes sociais e de gente que se “educou” respondendo questões de múltipla escolha, onde deveria escolher a alternativa certa entre duas ou mais, o maniqueísmo se alastrou qual praga da tiririca. Por ser uma geração que não foi treinada na dúvida, nem no questionamento, em que umas poucas premissas foram apresentadas como verdade absolutas, há o condão de achar que o que ele “sabe” é definitivo, absoluto e inquestionável.
Caracterizam-se por uma profundidade de conhecimento que se assemelha a um pires, leram os livros obrigatórios do ensino básico e o mais filosófico deles foi Capitu. Das notícias só leem os títulos, não leem artigos opinativos e adoram o Datena em suas platitudes. Por não serem treinados na leitura, mal entendem o que leem e acham que o autor disse o que não disse, afirmam o contrário do que está escrito e se julgam o Bem lutando contra o Mal. Desnecessário dizer que sempre representam o Bem! Merecem o neologismo de “leitor(anta)”.
Para quem, como eu, que escrevo há quase vinte anos esta coluna semanal, a cada pouco recebo manifestações via e-mail ou nas redes sociais deste tipo de leitor que diz o que eu não disse, que me julga pelas vírgulas, que vê em mim um cruzado contra a religião cristã, especialmente a evangélica. Certa feita recebi de um pastor uma crítica feroz e me aconselhando a usar este espaço para “pregar o evangelho” e não para apontar as mazelas de algumas igrejas. Respondi a ele perguntando se ele me oferecia o espaço no boletim da sua igreja para eu escrever. Estou esperando a resposta até hoje.
Uma das coisas mais comuns é o maniqueísmo diagnóstico: se ataco algum aspecto do capitalismo, sou comunista. Se ataco algo do marxismo, sou capitalista, se critico uma posição dos evangélicos sou católico etc. Quando da invasão do Afeganistão pelos Estados Unidos, ao criticar as ações e a mortandade provocada, recebi manifestações dizendo que eu era a favor dos talibãs!
Mais recentemente, em algumas vezes em que critiquei os destemperos verbais do atual presidente, fui acusado de ser comunista, petista, esquerdista. Quando critiquei o PT no governo, fui acusado de ser conservador, retrógrado, capitalista. Quando fiz algum reparo à Lava Jato, fui condenado por ser a favor da corrupção! Um deles me escreveu dizendo que eu sou “inguinorante” e que minha “inguinorança” me descredenciava a ser colunista.
Estamos na época em que qualquer alfabetizado se sente no dever e poder de dizer ao mundo o que pensa, mesmo que sua postagem seja a revelação do quão imbecil é. Neste contexto se inserem os haters, gente especializada em difamar, denegrir e fazer bullying virtual. Machucam pessoas pela aparência que têm, por serem gordas ou magras, cabelo curto ou comprido, e aí por diante. Não é para menos que vários destes famosos fecharam suas contas nas redes sociais.
Marcos Inhauser

quarta-feira, 2 de outubro de 2019

FAÇO O QUE QUERO?


Quantas vezes você já fez promessas de que faria regime, exercícios físicos, estudaria todo dia, leria 10 livros por anos? Quantas destas decisões foram cumpridas? Quantas coisas que você “sabe” que deve fazer ou mudar e nunca fez ou mudou?
O saber muda? Esta é uma pergunta que fui instigado a fazer para mim mesmo e tenho feito a algumas pessoas e percebo que, comigo e com outras pessoas, o fato de saber não garante, necessariamente, a mudança nos meus hábitos. Quantos viciados, alcoólatras, diabéticos que “sabem” que drogar-se, beber ou comer doces prejudica a saúde e a vida deles e que continuam nas mesmas práticas?
Quantas mães perderam horas aconselhando seus filhos, ensinando coisas e que veem seu trabalho frustrado porque seus filhos, a despeito de tudo o que ela disse, se envolveram com as coisas para as quais foram alertados? O questionamento não é novo, nem sou eu só que o faço. Já o apóstolo Paulo o fazia (e muito provavelmente outros antes deles, que não conheço): “Pois o que faço, não o entendo; porque o que quero, isso não pratico; mas o que aborreço, isso faço. Pois não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse pratico ... o querer o bem está em mim, mas o efetuá-lo não está.” (Romanos 7: 15-17).
O dilema é: se sei o que devo fazer e decido fazê-lo, por que nem sempre a decisão consciente que tomo se transforma em ação correspondente? A explicação mais plausível que se tem até o momento é que existem variáveis outras, inconscientes ou conscientes, que interferem no processo volitivo e o sabota, inoculando a ação e fazendo-a abortar.
No processo de entender estes “mecanismos subterrâneos” há a psicanálise, a interpretação de sonhos, a terapia da linha do tempo, a regressão, a hipnose, a terapia cognitiva, behavioral, a abordagem sistêmica, a das constelações familiares e assim por diante por diante. Cada uma delas tem seu valor e apresentam seus resultados, mas, ao fim e ao cabo, sempre fica algo escondido.
Diante disto, a máxima de Sócrates “conhece-te a ti mesmo”, tem sua razão de ser e é pertinente a todos nós. Se ela ainda é valida e a busca por conhecer-se deve ser uma missão individual e solidária, porque conhecer-se implica em ouvir o que outros têm a dizer sobre mim e perscrutar o que posso conhecer olhando para dentro de mim. Ocorre que, como humanos, sempre nos vemos melhores do que somos e do que os outros nos veem.
Há que considerar-se a capacidade humana de auto-engano. Acreditamos nas mentiras que contamos para nós mesmos. E, talvez, a mais terrível delas é enganar-se achando que nos conhecemos profundamente e cada entranha do consciente e inconsciente. A frase “eu me conheço” é uma mentira que acredito porque ela é produzida por mim e para mim mesmo. Acho que é aqui se aplica a máxima sapiencial: “Aquele que vive isolado busca seu próprio desejo; insurge-se contra a verdadeira sabedoria. O tolo não tem prazer no entendimento, mas tão somente em revelar a sua opinião.” (Provérbios 18:1-2).
O conhecer-se se dá no ambiente relacional. Outra vez o sábio: “... na multidão de conselheiros há sabedoria.” (Provérbios 11:14).
Em outras palavras, somos um enigma para nós mesmos!
Marcos Inhauser

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

SOMOS UM POÇO QUASE TOTALMENTE ESCURO



Depois de vários anos morando fora do Brasil e muito mais tempo para morando fora da casa de meus pais, voltei para lá para ali estar por alguns dias. À noite, levantei-me para ir ao banheiro e, sem pensar ou tentar lembrar, eu sabia onde estava o interruptor e acendi a lâmpada sem problemas. Em seguida fui à cozinha e fui buscar o interruptor e não o encontrei. Eu sabia onde estava, mas, em função de uma reforma, havia mudado de lado. Eu fiquei perdido.
Por que eu sabia o do banheiro e não o da cozinha. Como eu “sabia” se eu não precisei pensar, rememorar ou tomar uma decisão a respeito? Eu simplesmente sabia pelo hábito de, durante anos, ir ao banheiro e saber onde estava o interruptor.
Lembrei-me disto nestes dias. Dirigindo na Califórnia, estava focado nas regras e sinalizações de trânsito. O “Pare” é “Pare”! Se não brecar o carro e olhar para entrar, é sinal de problemas se algum guarda estiver à espreita. No vermelho se pode dobrar à direita se não houver carros vindo. Vira e mexe eu me atrapalho com o “Pare” e só olho e mantenho a marcha se não houver nada que me impeça de fazê-lo. Por outro lado, no sinal vermelho, é minha tendência parar e esperar que o sinal abra para eu fazer a conversão à direita. Isto se deve a um hábito arraigado de dirigir no Brasil. Mesmo sabendo, não faço!
Dia destes, estava parado em um semáforo, meio absorto e dirigindo “no automático”. Eu esperava o sinal abrir para seguir em frente. Sem prestar atenção ao sinal, vi que os carros que estavam na mão oposta se movimentaram e eu arranquei. Não era a minha vez, mas o sinal autorizava para virar à esquerda. Quase uma trombada. Eu estava na força do hábito, uma vez que, no Brasil, são raríssimos os semáforos de três tempos que me permitem virar à esquerda. Eu “sabia” que assim é aqui, mas este conhecimento não valeu. O força do hábito foi maior. Para dirigir aqui, terei que praticar muitas vezes para que meu hábito arraigado nos “meus ossos” determine um comportamento diferente.
Outra coisa que me intrigou é como eu “sei” que devo falar em inglês com meus netos e o faço de forma automática. Quando estou com hispanos, “sei” que devo falar em espanhol e com os brasileiros em português. Não preciso “decidir”. Sai no automático.
Estas coisas se estendem a outras coisas menos importantes. Não preciso decidir comer de boca fechada, colocar a mão na frente da boca quando vou tossir ou espirrar, não fazer barulho “chupando” a sopa que está na colher, lavar as mãos depois de usar o banheiro, etc. Estes são saberes incorporados pela repetição desde a mais tenra infância, de tal forma que minha identidade é também formada por estes saberes inconscientes, mas que se tornam visíveis e notados quando a eles presto atenção. Mas também sou mais do que conheço a meu respeito e nem sempre sei dar razão a algumas coisas que faço automaticamente. Nem tudo sei explicar e o que explico sobre mim, nem sempre está correto. Sou um enigma para mim mesmo!
As terapias analíticas tentam me fazer descobrir este subsolo da minha (in)consciência. Podem fazer bom trabalho, mas arrancam uma ou duas camadas da escavação de um poço escuro que todos somos. Ainda é vigente o alerta do filósofo: conhece-te a ti mesmo!
Marcos Inhauser

quarta-feira, 18 de setembro de 2019

FALSOS PROFETAS


É fácil encontrar citações bíblicas alertando para os falsos profetas, pois eles são praga eterna e comum. Se o sábio falso é raridade, o profeta falso é achado em quantidade. Para reconhecê-los talvez o melhor caminho é olhar para as características do verdadeiro e perceber os que dele se desviam.
O verdadeiro profeta é apartidário. Ele não apoia este ou aquele candidato ou partido. Ele deve ser independente para poder dizer o que pensa deste ou daquele, mesmo os mais poderosos. Ele, no entanto, não é imparcial, visto que tem um compromisso radical com os pobres, as viúvas, explorados, estrangeiros e órfãos. Sempre está do lado deles. Como disse Max Weber, no antigo Israel havia a realeza mancomunada com os sacerdotes, o povo explorado por eles e o profeta que denunciava as injustiças da realeza/sacerdócio na exploração do povo.
O profeta, na pura acepção da palavra é “o mensageiro da parte de ... ”. Ele traz a mensagem da parte de Deus, palavra de denúncia e esperança. Não é o vidente que prevê o futuro, ainda que diga o que acontecerá caso insistam nas práticas iníquas. Seu exercício de futurologia é o da lógica que levas às últimas consequências os atos desastrosos praticados. Não é para menos que muitos o veja como vidente, como anunciador do futuro em termos visionários. Para tanto o Deuteronômio orienta: “Como saberemos se uma mensagem não vem do Senhor? Se o que o profeta proclamar em nome do Senhor não acontecer nem se cumprir, essa mensagem não vem do Senhor. Aquele profeta falou com presunção. Não tenham medo dele” (Dt 18:20-22)“. Outro alerta vem de um profeta: “Assim diz o Senhor Deus: Ai dos profetas loucos, que seguem o seu próprio espírito sem nada ter visto! ... Tiveram visões falsas e adivinhação mentirosa os que dizem: O Senhor disse; quando o Senhor os não enviou; e esperam o cumprimento da palavra. (Ez 13:3-7). Jesus também alertou: “Acautelai-vos dos falsos profetas, que se vos apresentam disfarçados em ovelhas, mas por dentro são lobos roubadores. Pelos seus frutos os conhecereis” ( Mt 7:15).
Pastores, bispos, apóstolos ou missionários que se apresentam como abençoadores de governo e deles necessitam para manter suas estruturas midiáticas ou religiosas, reproduzem o que havia no antigo Israel: a realeza casada como o sacerdócio para explorar o povo. É verdade que devemos orar pelos governantes, mas a mesma Bíblia estabelece que eles foram instituídos para punir os ímpios e zelar pelos pobres, estabelecendo a justiça e a paz.
A religião extorque com os impostos religiosos (dízimos e ofertas), assim como a realeza se mantém pelo extorquir via pesados impostos. A injustiça se dá no campo religioso e no governamental: se, quanto mais eu oferto na igreja, mais sou abençoado, o pobre está lascado. Se quanto mais rico eu for, menos imposto eu pago (jatinhos e iates não pagam imposto!), o fato de ser rico me dá um plus para ser ainda mais rico. O pobre paga mais e, por isto, está mais propenso a continuar na miséria. Isto gera a concentração de renda via lógica draconiana, perversa, iníqua e pecaminosa.
Na análise/diagnóstico para se conhecer os falsos ou verdadeiros profetas não se pode usar a lógica maniqueísta: se denuncio o governo A não significa, necessariamente, que sou a favor do governo B. O profeta denuncia erros e injustiças, mas isto não o compromete como apoiador da oposição. Sua posição sempre é de luta a favor dos pobres e explorados.
Como disse o sábio: “Não havendo profecia, o povo se corrompe” (Pr 29:18). Tomo a liberdade de modificar ligeiramente: “Não havendo profecia o governo se corrompe”.
Marcos Inhauser

quarta-feira, 11 de setembro de 2019

FALSOS SÁBIOS


Na minha última coluna pontuei alguns aspectos característicos do sábio e do profeta e a distinção entre eles. Recebi alguns comentários que me levaram a refletir mais sobre o assunto e a ele quero voltar.
Tanto o sábio como o profeta são pessoas de fala comedida e campos limitados de atuação. Como eles não têm resposta para tudo, sabem que o silêncio é sabedoria. O sábio fala pouco porque sua fala é fruto da reflexão, análise, investigação e, assim creio, ele é sábio em uma ou outra área, mas não o é em todos os assuntos. Uma pessoa que se acha entendida em todas as áreas, que entende de cesariana a motor a explosão, não é sábia: é cega e não se enxerga. Elas me fazem lembrar uma coisa que vi escrita em um muro de uma oficina mecânica em Manágua, Nicarágua: “especialista em carros nacionais e estrangeiros”. A primeira questão que me veio à mente foi perguntar qual era o carro nacional nicaraguense. A segunda foi questionar como podia entender de tudo.
Disto se tem duas características para se conhecer o falastrão do sábio, o verdadeiro do falso: quem fala muito, dá bom dia prá cavalo, fala besteiras, vomita insensatez. Disto temos exemplos no cenário brasileiro, especialmente no campo da política. A segunda é que o verdadeiro sábio não fala do que não entende, não julga o que não sabe, não acusa de ser falso o que não compreende. Se o faz é tolo e não sábio. É falso sábio.
Fiquei a me perguntar e revisar minhas memórias de um falso sábio e, confesso, não o encontrei. A razão para isto é que o falso sábio é descoberto e desacreditado em pouco tempo. Basta algumas conversas para que sua tolice seja explicitada e o pretenso sábio passa a ser motivo de chacotas.
Quero acrescentar uma terceira característica: o falso sábio se proclama como tal. Ele se afirma como sábio, se comporta como se tal fosse, se intitula como tal. No máximo tem um séquito de alguns cegos tão tolos quanto ele, que o aplaudem, muitas vezes familiares tão tolos quanto. O verdadeiro sábio é reconhecido como tal e nunca autoproclamado.
Há outra questão. O sábio, me parece, se atém à área das humanas. Ele fala e se posiciona sobre comportamento, valores, ética, conflitos, etc. O equivalente do sábio para as ciências e arte é o gênio. Einstein, Da Vinci, Michelangelo, Thomas Edson, Pascal, Lavoisier não são chamados de sábios, mas de gênios. Einstein era gênio, mas no campo das relações humanas, especialmente nas relações familiares, era um desastre. Da Vinci era um procrastinador inveterado e entregou meia dúzia das muitas encomendas que recebeu e que por elas recebeu. Michelangelo era de difícil trato, bem retratado no filme “Agonia e Êxtase”. Prosaicas são as histórias sobre o gênio Steve Job.
No entanto, a bem da verdade, devo admitir, alguns poetas maravilhosos, escritores talentosos, músicos que quase nos fazem tocar o divino quando os ouvimos, ainda que estejam na área que eu definiria como própria para os sábios, não são assim chamados. Penso em Frost, Victor Hugo, Goethe, Platão, Aristóteles e outros que são mais comumente chamados de gênios e não de sábios.
Para finalizar, não é a política o campo para os sábios. Eles têm um compromisso com a verdade, coisa rara na política. Alguns bons políticos são chamados de estadistas, mas não de sábios. Abraham Lincoln talvez possa ser considerado como tal, Mandela é outro. Estadista é o título para os políticos que se destacam e lideram a classe. Muitos políticos, especialmente os falastrões, estão mais para tolos que para sábios.
Quem sabe ler entenderá!

quarta-feira, 4 de setembro de 2019

O SÁBIO E O PROFETA


Na cultura grega ser considerado sábio era o ápice. Tal reconhecimento não era fruto de autoproclamação, auto reconhecimento ou petulância de quem assim se arvorasse. Ser sábio era o fruto de longa caminhada no saber e no discernimento das coisas. O sujeito inteligente, ou o que muito sabe, não, necessariamente, era sábio. Por outro lado, o sábio, não necessariamente, precisava ser dotado de acúmulo de saber, mas de percepção clara das coisas, dos fatos, das pessoas.
Trazendo para nossos dias, o sábio não é quem tem um PhD em algo, ou um título de Livre Docência, que tenha escrito muita coisa ou livros. O sábio pode ser alguém que, não tendo caminhado as trilhas do saber acadêmico, entende das coisas, normalmente as comezinhas. Não é um autodidata (que se caracterizam pela arrogância), mas alguém que aprendeu no convívio social, nas interações humanas e nas comunicações ecléticas. No dizer de Gramsci, acho, é o intelectual orgânico.
Na cultura hebraica e na semita, o ápice era ser profeta, no sentido de ser uma pessoa inserida na comunidade e que se compromete com a história. Tanto no sentido hebraico como no grego, a palavra que fala do profeta, não é a do vidente. Ainda que possa haver textos onde a conotação aparece, considerada no seu strictu sensu o profeta é o “que fala da parte de”, é o mensageiro, a pessoa dos recados. Daí porque ocorre com frequência a expressão “veio a mim a palavra do Senhor dizendo”, “vai e dize ao meu povo”, “assim disse o Senhor”
No ambiente hebraico, o profeta era alguém da comunidade, que vivia os dilemas sociais e econômicos dela, e se comprometia com a denúncia dos erros e pecados, especialmente dos dirigentes e governantes. O profeta tinha um compromisso radical com os pobres, viúvas, órfãos, estrangeiros, sujeitos prediletos dos exploradores e governantes injustos. Daí porque, no mais das vezes, a palavra profética é a da denúncia, do juízo sobre esta casta exploradora, sempre em favor dos menos favorecidos. A pregação profética da esperança futura não tem nada de visão, antecipação ou premonição, mas é o desejo genuíno de que haja mudanças na situação. Mais que uma revelação antecipatória é uma aspiração sublimatória do momento presente pela esperança futura.
Colocadas e explicitadas estas coisas, não preciso de muito espaço para afirmar que a relação profeta/reis/governantes/pseudo sacerdotes é espúria. O profeta não se assenta com os escarnecedores, com os exploradores, com os que praticam injustiças. Ele fica de fora destes círculos, dos palácios e só se dirige a eles para denunciar seus pecados e injustiças. Ele também se dirige aos explorados para dizer: vai haver troco, vai haver novos tempos, aguenta que Deus vai virar o jogo! O casamento do profeta com o governante é adultério e promiscuidade. Pior que isto é o governante se apropriar dos símbolos e discursos da religião, para passar a imagem de que seu governo é ungido e que ele faz a vontade de Deus. Quer parecer sábio ao dizer quem é terrivelmente evangélico.
Devemos lembrar que algumas das piores ditaduras que a humanidade conhece e viveu foram ditaduras religiosas, seja em nome de Javé, de Alá, ou outro deus qualquer. O presidente que se acha messias é um risco aos governados. Assim foram Pinochet, Hitler, para citar dois dos mais recentes. O messianismo que acreditavam e sustentavam validava as coisas que faziam. Uma coisa é ter metas no governo, outra é ver isto como missão com tempero religioso e discurso pseudoteológico.
Também acintoso é o governante que vai aos templos e se arvora pregador e recebe benção de sacerdotes que estão sub judice.
Marcos Inhauser

quarta-feira, 28 de agosto de 2019

DOM QUIXOTE DA CHAMA


Lá se vão mais de 35 anos quando, por determinação pessoal contrária à minha vontade, decidi ler o Dom Quixote. Eu o li em espanhol e, no princípio, achei o estilo rebuscado e rococó. Aos poucos fui tomando gosto e, devo dizer, acabei adorando o livro e ele marcou muito a minha vida e cosmovisão.
A sua “vocação” era tresloucada e, até onde se sabe, não tinha o treino e as habilidades necessárias para desempenhar a missão de cavaleiro a que se propôs. Saiu em desvairada aventura épica. Para tanto tinha seu fiel escudeiro, o Sancho Pança. Pelas gravuras se percebe ser uma dupla de opostos: Quixote era magro e alto, Sancho gordo e baixo. Este antagonismo é proposital na paródia anacrônica que a novela é. Também se percebe o antagonismo nos comportamentos: Quixote era visionário, irrealista, sonhador e psicótico. O Sancho era realista, comedido e sensato. O problema é que Quixote não o escutava.
Quixote tinha um cavalo, o Rocinante e uma inspiração, a Dulcineia. Ele nunca a viu e nem ela a ele. Ela nem mesmo sabia que ele existia. Era um devotado anônimo. Em homenagem a ela enfrentou inimigos imaginários (como os moinhos de ventos). Via inimigos por onde olhasse.
Da leitura aprendi a olhar os possíveis inimigos e perguntar se são reais ou imaginários. Busquei ter os meus Sancho Pança que me chamassem à realidade. Meu Rocinante é o que escrevo e ensino. Minha Dulcineia é a esposa e os netos e netas (que são reais e sabem das minhas lutas).
Este romance de cavalaria se tornou um clássico e o é porque sua história, ainda que anacrônica, encontra eco em situações presentes. Como exemplo, cito o Brasil atual. Temos um presidente que se encaixa na figura do Dom Quixote. Ele saiu do fundão do plenário, do baixo clero, nunca mostrou ter habilidades e competências para a missão que diz ter, tem seus fiéis escudeiros na trinca de filhos, arrumou mais três (Guedes, Moro e Lorenzoni). Tem seu Rocinante que são as redes sociais e vê inimigos a cada novo dia. Mais recentemente ele viu inimigos nas fotos e estatísticas do INPE e caiu de pau, apoiado pelos escudeiros, em cima do diretor e acabou por exonerá-lo. Viu monstros nas ONGS, nas fotos de satélites, nos governadores da região amazônica, no Macron e até na mulher dele. Até em ajuda internacional ele vê inimigos hipotéticos!
Parece que quanto mais fumaça as queimadas produzem, mais se deteriora a visão do nosso cavaleiro. Depois de ver o tiro sair pela culatra, chamou os ministros e o Exército para mostrar algo que deveria ter feito há muito tempo.
O seu Rocinante é vociferante! Todo dia tem que colocar algo nas redes, quase sempre (e não me lembro quando não o foi) de forma a criar o caos e a controvérsia. Parece que se inspirou no Jânio Quadros e no César Maia, especialistas em factoides para sempre estar na mídia. Que se inspira no Trump não há nenhuma dúvida, uma vez que o idolatra. Ainda que haja quem, no seu entorno, tente chamá-lo à realidade, nada muda.
Ele mexeu com a chama e saiu queimado! E o Brasil está saindo chamuscado pelas suas intemperanças e alucinações!
Marcos Inhauser

quarta-feira, 21 de agosto de 2019

CLAREZA É FUNDAMENTAL

Estava em uma cidade de porte médio que ainda não a conhecia. Com algum tempo para comer algo, busquei na internet um shopping para ter onde comer e passar duas horas de folga. Vi a propaganda de uns três ou quatro deles e fui ler os comentários que frequentadores postaram. Fiquei estarrecido. Eu queria informação clara e objetiva e o que li foi um amontoado de coisas desconexas, coleção de coisas sabidas e que se aplicam a todos os shoppings, de gente que fugiu da escola e não aprendeu usar vírgula nem ponto final.
Tenho constatado a dificuldade de muitos em serem concisos, enxutos, diretos e claros no que querem dizer. A palavra “arenga” é a que mais me vem à cabeça nestas horas. Discursos cansativos, fastidiosos, lenga-lenga, onde um “causo puxa outro” e nunca se chega à conclusão.
No mundo em que vivemos, onde a informação jorra aos borbotões, a clareza e objetividade devem ser qualidades de quem se coloca a falar em público ou em uma conversa. O moderno dilema não é a falta de informação, mas a seleção, dentre as muitas que há, das que são relevantes. Esta garimpagem do essencial e valoroso em meio ao lixo informacional é tarefa que as pessoas que queiram ser relevantes hoje e amanhã devem se especializar.
Uma especialista em seleção de candidatos às vagas na corporação em que trabalha me disse que tem feito o seguinte desafio aos entrevistados: em 30 segundos, me diga que você é o que gosta de fazer. Reprovação avassaladora. Tenho feito algo semelhante: “com uma só palavra defina o que você quer ser na vida” ou “com uma só palavra defina seu pai ou sua mãe”. Vira-e-mexe fico no vácuo ou começo a escutar uma novela.
Sabe-se que os e-mails que a pessoa precisa rolar para terminar de ler não são lidos na íntegra, que os vídeos com mais de 5 minutos também são descartados pelo espectador, que os livros de muitas páginas têm dificuldades em serem vendidos. Não é para menos que as palestras do TED fazem tanto sucesso: o essencial, com clareza, objetividade em 15 minutos.
Uma das habilidades que a nova geração deve desenvolver é a capacidade de garimpar joias na avalanche de informação. O garimpo deve ser acompanhado da capacidade/habilidade em passar adiante o que se coletou, mas fazendo-o de maneira clara e objetiva. Quem não se dedicar a esta tarefa vai comer pratos temperados por gente que se especializou, que assume a liderança situacional, que está à frente dos demais que se especializaram em comer fastfood cognitivo. Os preguiçosos sempre estarão a reboque, qual produto que sai do escapamento: já esteve no veículo, mas ficou para trás e virou fumaça!
Outro mal destes preguiçosos é que são penas ao vento: qualquer que venha com algo mais dourado, mais fantasioso, mais charmoso ou vistoso, será louvado e incensado pelos preguiçosos informacionais. Andam ao sabor do vento das novidades e das explicações fantasiosas. Preferem os lambaris pescados na boca do esgoto ao peixe por ele pescado em locais saudáveis.
Se você deixar de se dedicar à garimpagem do conhecimento essência, não reclame, dos frutos colhidos: marginalização profissional e social, além de ficar à margem da história e do trabalho. Dedique-se à objetividade e concisão e as chances na vida florescerão! Se insistir na prolixidade vai virar piada e chacota dos amigos e conhecidos.
Marcos Inhauser

quarta-feira, 14 de agosto de 2019

BANALIZAÇÃO DO SACRO E DO RELIGIOSO

Em conversas com alguns colegas pastores que já têm muita quilometragem no ministério, tenho percebido algumas coisas que vêm de encontro ao que também constato: a crescente banalização do sacro e do religioso (na sua forma mais autêntica e não formalmente institucionalizada); a repetição de erros conceituais e teológicos já demonstrados pela avaliação histórica; o crescente desprezo pelos reconhecidos pensadores da igreja.

A banalização do sacro e religioso tem se dado, a meu ver, pela pauperização das práticas cúlticas e litúrgicas, com o desprezo de uma longa caminhada de reflexões, experiências e resultados que a igreja, tanto a ocidental como a oriental fizeram ao longo dos anos. Símbolos caros a esta tradição são desprezados como se fossem lixo. É o mesmo que jogar as pinturas que estão no Louvre, inclusive a Mona Lisa sob o argumento de que elas promovem a sensualidade.

O segundo aspecto se dá nas prédicas. O que antes era a “a arte da retórica sacra” (ou homilética), com muito estudo, pesquisa bibliográfica, consulta aos teólogos, planejamento, conteúdo e unidade, virou uma arenga. É verdade que havia muita coisa bem estruturada, mas que não alimentava os ouvintes, tal como se deu na Europa no século XVII e ensejou o surgimento do Pietismo. Eram sermões profundamente teológicos, sem aplicação prática. A prédica de hoje, na maioria das igrejas, é a repetição de jargões, senso comum, clichês e frases que se parecem a pastel chinês: muita massa com pouco conteúdo.

Devo acrescentar a banalização da hinódia. Com raras exceções, os corinhos são anêmicos, sem reflexão, com a repetição de frases de efeito. Há os que são musicalizações de trechos bíblicos, no mais das vezes retirados de seu contexto. Comparados às letras e técnica musical dos hinos tradicionais, perdem de goleada. Há ainda os sermonetes que os líderes do louvor insistem em pregar entremeando os cânticos. São a quinta essência da afirmação oca, da repetição dos jargões, do falar nada. Parece que percebem que a letra nada diz e eles precisam ajudar com suas balelas.

Acrescento a facilidade e a quantidade de pessoas que se levantam durante o culto para ir beber água, especialmente quando há um bebedouro no interior do salão de cultos. Nunca vi povo com mais sede que os religiosos! Não percebem que este ato de se levantar e sair altera todo o sistema relacional e a concentração dos que ali estão. E, para minha indignação, o fazem com displicência, barulho e como que para chamar a atenção: olhem para mim que estou aqui!

A banalização do culto também se dá pela persistência de um grupo que costumeiramente chega atrasado. Se fosse para uma entrevista de trabalho, consulta médica, reunião com alguma autoridade lá estariam alguns minutos antes. Ao não serem pontuais comunicam que qualquer coisa é ou foi mais importante que estar no horário. E quando chegam, há os que se sentem na liberdade de saudar em voz alta, se desculpar pelo insistente atraso, cumprimentar quem chegou no horário. Transtornam o ambiente.

Tive um caso destes. O casal era pontual: todo domingo chegava com meia hora de atraso! Como ele era um dos encarregados da distribuição da Santa Ceia e ela era feita ao final do culto, decidi inverter a ordem. Para ele o distribuir os elementos era o máximo! Comecei o culto com a Santa Ceia. Ele não estava lá para o ato. Quando chegou de terno e gravata, a Ceia já havia sido celebrada. Ao final, quando percebeu que não foi ministrada no horário de costume, procurou se informar e veio prá cima de mim: “o que é isto de celebrar uma Santa Ceia subversiva?”

Faltam pastores melhor capacitados, liturgia bem estruturadas, sermões com densidade e palatáveis.
Marcos Inhauser

quarta-feira, 7 de agosto de 2019

SUJEITO (PRO)LIXO


Algo extremamente irritante é ouvir a exposição de um sujeito prolixo. Para ir do Brasil ao Uruguai ela passeia apor toda a América e, ao final, você se pergunta: onde queria mesmo chegar?
Certa feita, dando um curso sobre “Enxurrada Comunicacional”, as queixas se centravam em dois aspectos: a quantidade de e-mails recebidos diariamente, a maioria que deveria ser destinada ao lixo; a quantidade de mensagens que, parece que tinham certa pertinência e que o destinatário tinha que ler duas ou mais vezes, espremer o conteúdo, para saber o que o remetente queria comunicar. Quase sempre o remetente gastava muito verbo para introduzir o tema e o que ele queria mesmo dizer estava nas últimas linhas.
Pedi aos participantes que trouxessem seus notebooks e, durante o curso, escolhessem um e-mail longo com pouco conteúdo. Um dos participantes foi escolhido para, tendo apagado o remetente e qualquer possibilidade de identificação dele, o colocasse no Datashow para que todos examinassem. Foi uma risada só, porque, mesmo sem ser identificado, todos reconheceram o remetente. Ele até tinha um apelido que rimava com seu nome: Longarino.
Assisti a uma prova de retórica onde um aluno tinha que apresentar seu discurso para que o professor e os alunos o avaliassem. Depois de 45 minutos falando nada, o professor o parou e disse que o que havia dito já era suficiente para a avaliação. Ele então saiu-se com esta: “Mas eu ainda estou na introdução!”
Ganhei um livro que tentei ler. O cara que escreveu o prefácio escreveu mais que autora e nada disse. Nem terminei de ler o prefácio. Eu o dei de presente a um inimigo.
Uma característica dos (pro)lixos é que não sabem e nem planejam o que vão dizer. São arengadores onde um “causo puxa outro causo” e nunca causam nada. O discurso pode até ter um título, mas a introdução, argumentação e conclusão são peças desconexas. É o discurso Frankenstein.
Unidade passa longe. Misturam alhos com bugalhos, melancia com sopa. E há os que usam palavras inusuais, para parecer que sabem coisas acima da média. Pior é o que se acha doutor em algum assunto, inventa conceitos não explicitados (e se tenta explicitar, ninguém entende). Acha que falar difícil dá autoridade ao seu discurso de vento.
Uma imagem me vem à lembrança e ela é da minha infância: algodão doce. Lembro-me que ficava ao lado da máquina vendo o sujeito colocar um pouco de açúcar e aquilo virava uma montanha de doce. Quando se comia, ela se desfazia na boca e nada alimentava. Nestas minhas observações soube que dependendo do clima e o algodão doce não ficava bom. Virava uma paçoca!
Algodão doce é o oposto da rapadura: caldo de cana de açúcar, muita fervura, tempo de panela, resfriamento e se tem açúcar concentrado.
Tenho recebido muita coisa pela internet, seja pelo envio dos amigos ou pelas sugestões das redes. Descobri que se lesse tudo, teria que aplicar a regra de Pareto: 80% é lixo e 20% aproveitável. Por que perder tempo para ler o que nada acrescenta, nada ensina, nada edifica?
Vou para por aqui para ser só “meio prolixo”.
Marcos Inhauser

quarta-feira, 24 de julho de 2019

SUJEITO GERÚNDIO

Com certeza você já se deparou com uma espécie destas que abunda na fauna das coisas incompletas. Aliás, tenho me surpreendido com a quantidade de pessoas que se enquadram neste quesito.

O sujeito gerúndio é aquele que, quando perguntado sobre uma delegação, atribuição dada, expectativa que ele passou acerca dele mesmo, nunca conjuga o verbo no passado perfeito. Sempre vem com o gerúndio: “estou fazendo”, “estou pensando”, “estou buscando”, “estou planejando”, “estou vendo”, e por aí vem a infinidade de gerúndios que ele devolve toda vez que é cobrado ou instado a dar relatório sobre suas atividades.

Ele nunca termina nada! É um começa tudo, terminada nunca. Ele tem a capacidade de se empolgar instantaneamente com qualquer coisa, ideia, novidade, produto, trabalho, missão, mas, pouco tempo depois, o entusiasmo vai embora com a mesma velocidade com que chegou.

Estes me fazem lembrar do sábio Cirino, boia fria negro, com quem aprendi, na infância, algumas lições que jamais esqueci. Ele dizia: “tem gente que é como fogo no canaviá: quando pega fogo é uma beleza, uma ilumiação que se vê de longe. Mas o fogo dura pouco e quando apaga é só sujeira que deixa.” Outra do Cirino: “árvore que cresce rápido tem madeira fraca: quebra no primeiro vento”.

Tive um colega, pastor, que era um tipo diferente de gerúndio: ele sonhava em fazer alguma coisa, pensava um pouco e depois saia contando para todo mundo que estava fazendo o que havia sonhado. Só que não havia movido uma palha para implementar o que havia sonhado. Quando perguntado, via-se a madeira fraca: alegava dificuldades, falta de tempo, falta de recursos, mas sempre na forma gerúndica, nunca na terminativa.

Tive um aluno que era outro espécimen desta galera: ele imaginava fazer coisas grandiosas. Ao invés de sentar e detalhar o que iria fazer, ele me ligava dos Estados Unidos querendo me convencer a levar adiante o que estava sonhando. Eu dizia: “porque você mesmo não faz?” Ele me respondia: “você tem mais habilidade para gerenciar estas coisas”. Ele nunca realizou nada e na andropausa está depressivo porque não tem nada para mostrar aos filhos e netos.

Tive outro aluno que era tão detalhista que passava horas e dias trabalhando no detalhamento de um plano que tinha em mente. Ele vinha com um monte de papel, desenhos, gráficos, planilhas, cronograma, etc. Explicava em detalhes e tinha resposta para tudo. Nunca o vi realizando nada e quando o encontrei algum tempo depois, ainda era o mesmo. Sonhador, perfeccionista, sem ser realizador ou mesmo realista.

Há os que vêm com todo o arroubo possível, falando maravilhas das coisas que quer fazer e tentando convencer a entrar com ele na empreitada. A melhor técnica é pedir que ele elabore um projeto completo, com etapas, cronograma e custos. Você diz: “quando você tiver isto pronto, volte para conversarmos”. Há alguns que estou esperando há décadas.

Há os que, empolgados com qualquer novidade, abraçam tudo o que aparece. Como se diz no espanhol: “abrazan mucho, apretan poco”. Atiram em todos os pássaros e erram quase todos os tiros. Têm dificuldades em estabelecer prioridades, eleger o que importa, o que é factível. Ichak Adizes, consultor renomado, diz que são os Incendiários: sonhadores, imaginários, inventores de coisas e métodos, cada dia tem uma ideia nova que vai resolver todos os problemas da família, da igreja, da empresa ou do mundo. Ele bota todo mundo para correr atrás das suas pirotecnias. Ao novo dia as ideias de ontem serão abandonadas por outra melhor que acabou de ter. É especialista em criar de úlceras em todos. Acredita que será reconhecido pelas ideias geniais que tem.

Falei e disse! (não vou usar o gerúndio, mas “vai ter gente me criticando”!)

Marcos Inhauser

quarta-feira, 17 de julho de 2019

IGREJA QUE É IGREJA


Por mais igrejas que existam e pessoas que são frequentadoras delas, pedir aos pastores e membros que definam o que é a igreja é colher uma enxurrada de definições diferentes e, muitas vezes, díspares. Digo isto a partir da minha experiência como pastor que já viajou um bocado e visitou inúmeras igrejas.
Por anos foi um estudioso delas, pesquisando e tabulando dados sobre a membresia, tempo de permanência e várias outras condicionantes. Achei que tinha um bom entendimento sobre o assunto, mas era conhecimento cartesiano, racionalista e numérico.
Com o tempo percebi que a igreja é de uma natureza e dimensão que não se pode buscar conhecê-la só pelos números. Acabei me envolvendo em reflexões que me direcionavam à busca da essência da igreja, aquilo que ela é em uma definição minimalista. Tomei como base o texto onde Jesus afirma que onde estiverem dois ou três reunidos em seu nome, ele ali estaria. Cheguei à conclusão que igreja é reunião de gente, em nome de Jesus. Igreja é comunhão, onde as pessoas reunidas se conhecem e compartilham não só a fé, mas também a vida (incluindo bens).  Igreja é a agência divina para mostrar, de forma concreta, o amor ao próximo e o amor de Deus por todos.
Nesta caminhada foi surpreendido e fiquei estarrecido com algumas coisas que ouvi. Um casal, frequentador de uma determinada igreja, estava enfrentando dificuldades financeiras, porque ambos haviam perdido o emprego e eles tinham um bebê que precisava de um leite especial. A água estava para ser cortada, bem assim a eletricidade e o aluguel eles haviam recebido uma dose de paciência do proprietário. Foram ao pastor da igreja pedir ajuda para o leite do bebê. O pastor disse que ia pensar no assunto e, no outro dia, disse que a igreja não podia ajudá-los porque eles tinham outras prioridades.
Outra, que foi ovelha minha em Rio Verde, teve que mudar-se para São Paulo para arrumar emprego, casou-se com um asiático, ele foi embora sem mais nem menos e ela ficou na rua com quatro filhos. Colocou o que tinha no carro e, com os filhos estacionou no pátio de uma enorme Catedral. Falou com um dos pastores, pediu ajuda e ele disse que a ajuda que poderia dar era permitir que ela passasse a noite dentro do carro, mas que, por razões de seguro, ela não poderia ficar mais tempo.
Outra é de um casal, ambos pastores. Ela está com câncer há algum tempo, já passou por várias cirurgias e não tem podido trabalhar. O marido tinha dois empregos e perdeu um. Ela precisa fazer uma cirurgia para retirada de uma bolsa colostômica. Dada à natureza das cirurgias anteriores, a retirada desta bolsa é complicada e o anestesista cobra um bom dinheiro para fazer. Ninguém da igreja à qual eles servem e nem a igreja se dispuseram a ajudá-la. A Igreja alegou que estão muito focados na construção e que não podem desviar recursos.
Já há algum tempo tenho pensado que uma forma de se conhecer uma igreja é ver onde ela aplica seus recursos. Se o maior gasto que uma comunidade tem é com edifício, manutenção, aparelhos de som, eletricidade, há algo de errado com esta igreja.
Igreja existe para ser canal do amor de Deus, Se não faz isto para atender aos necessitados, tenho dificuldades em reconhecê-la com igreja verdadeira.
Marcos Inhauser

quarta-feira, 10 de julho de 2019

NÃO SE AJUDA ...

Uma máxima das relações de ajuda é que “não se ajuda quem não quer ser ajudado”. Parece óbvio, mas me assusto com a quantidade de vezes que perdi meu tempo tentando ajudar quem não queria ajuda ou, pelo menos, achava que não precisava de ajuda.

Devo reconhecer que querer ajudar é uma forma que pode ser demonstração de poder ou superioridade. Eu me disponho a ajudar porque acho que sei fazer melhor ou simplesmente sei fazer o que a pessoa não sabe. Ao assim proceder, estabeleço uma relação desigual de um que sabe e que ajuda quem não sabe.

Por outro lado, há que se reconhecer que as pessoas têm habilidades diversas. Quando peço para a contadora fazer o meu Imposto de Renda, eu peço a ajuda dela em algo que não sei fazer com a mesma maestria que ela faz, nem com a mesma velocidade. Eu demoro, me perco, tenho que ler as instruções várias vezes e, mesmo assim, corro o risco de não fazer certo. Ao pedir a ajuda dela, eu digo que ela sabe mais que eu, mas isto não significa que ela é melhor que eu. Ela o é no campo específico em que tem suas habilidades e competências. Reconhecer isto é sinal de, com o perdão da presunção, sabedoria.

Todos precisamos saber o que sabemos fazer e o fazemos bem, o que fazemos com certa dificuldade e o que não sabemos fazer. Reconhecer isto é sinal de maturidade. Pedir ajuda nas coisas em que tropeçamos pela falta de habilidade é mostrar que se conhece, é cumprir com o mandamento filosófico do “conhece-te a ti mesmo”.

Há algumas situações que devemos reconhecer que, embora tenhamos habilidades e conhecimento sobre o assunto, pelo fato de estarmos envolvidos no processo ou na crise, não temos a “iluminação” necessária para um bom desempenho. Uma metáfora disto é um jogo de futebol que tem, no seu tempo normal, muito desgaste físico. Pelo regulamento há uma prorrogação de mais trinta minutos, findo os quais as pernas já não mais obedecem aos comandos. Mas há pênaltis para serem batidos. Escolhem-se os melhores e os que estão em melhores condições. Lá vão eles e, não raro, ainda que saibam fazer, ainda que já tenham feito muitas vezes, chutam mal, chutam fora ou de forma que o goleiro possa defender. Isto aconteceu com o Cavani, do Uruguai, na Copa América, o melhor jogador do time. Isto aconteceu milhares de vezes. Os melhores se enrolam na hora de desempenhar, porque devem fazê-lo em situação de estresse.

Aceitar ajuda em situações em que estamos emocionalmente envolvidos, onde há estresse, onde decisões devem ser tomadas e afetam toda a vida, em empregos que exige a realização de uma tarefa que vai além da capacidade ou que se está emocionalmente envolvido é sabedoria.

Acho que foi por isto que Deus, na Sua sabedoria, deu à igreja dons, equipando pessoas para ministérios específicos. Paulo, ao fazer comentários sobre a atuação deles, disse que o pé não pode dizer à mão “não preciso de você” e nem vice-versa. Há habilidades específicas no corpo e buscar a ajuda de pessoas habilitadas segundo a necessidade que estou sentindo é demonstração de pertencimento ao corpo.

Devemos estar disponíveis para exercer nossos dons diante da necessidade do próximo, mas não devemos nos impor, querendo ajudar quem não quer ser ajudado. Muitas vezes, tropeço, a queda, o fracasso, ensina mais e melhor.

Marcos Inhauser

quinta-feira, 4 de julho de 2019

ABUSO DA FOLGA


Li, com irritada avaliação, a decisão recente do plenário do Senado que aprovou nesta semana o projeto conhecido como “dez medidas da corrupção”, mas com um aditivo preocupante: a punição ao abuso de autoridade de magistrados e integrantes do Ministério Público. A proposta retornará à Câmara, porque modificada pelos senadores.
As “dez medidas contra a corrupção” tiveram a iniciativa do Ministério público em 2015, receberam amplo apoio popular, sendo encaminhada com milhões de assinaturas, mas teve sua tramitação desacelerada pelos nobres legisladores, mais afeitos às suas férias e finais de semana prolongados que ao trabalho para o qual são regiamente pagos. As dez medidas foram desfiguradas pela Câmara em votação no final de 2016.
Depois de mais de dois anos parada no Senado, eis que ressurge, concidentemente quando apareceram as aludidas conversas entre o ex-juiz Moro e integrantes do Ministério Público, no desenvolvimento da Lava Jato.
A inclusão do “abuso de autoridade” foi feita, há duas semanas, a pedido do presidente Davi Alcolumbre. Ela não entrou na pauta da CCJ e havia a intenção de votá-la direto no plenário, sem passar pela CCJ. Não houve acordo e a votação foi feita esta semana.
O projeto prevê que juízes e membros do Ministério Públicos ficam sujeitos a penas, inclusive de prisão se atuarem com "evidente motivação político-partidária" ou participarem em casos em que sejam impedidos por lei.
Também se restringe comentários públicos sobre processos em andamento, sendo mais rígida para juízes, a quem se proíbe "opinião" sobre processos. Também ficam proibidos de emitir um "juízo depreciativo" sobre decisões de colegas.
Adoraria ver estes parâmetros aplicados aos ministros do STF, especialmente os mais verborrágicos como o Gilmar Mendes, Marco Aurélio e Levandovsky, useiros e vezeiros na arte de se pronunciar fora e antes dos autos.
Mas o que mais me irrita é que, os mesmos que assim legislam, também deveriam legislar sobre o “trabalho” dos deputados e senadores. Eles ganham para trabalhar, como qualquer funcionário. Só trabalham nas terças, quartas e quintas e no final da quinta já estão de volta às suas bases. São três dias por semana, mais os recessos e férias que chegam a mais de dois meses por ano. As faltas são abonadas.
Também mostram extrema habilidade na arte de enrolar e empurrar com a barriga a decisão de temas importantes, como agora se dá na análise da Reforma da Previdência. Doutores na arte de falar sem dizer nada, gastam todo o tempo que podem para, ao menos, aparecer nas telas das TVs legislativas, como se isto garantisse votos, uma vez que a audiência destas TVs é traço.
Porta vozes de interesses corporativos, o presidente Rodrigo Maia se abespinhou quando o ministro Guedes disse que a proposta original tinha sido desfigurada pela pressão dos servidores legislativos. Agora a Bancada da Bala, por não ver atendido o pleito de se dar aos policiais e relacionados a mesma deferência dada aos militares, afirma que, ao menos 27 votos do PSL (partido do presidente), não votarão com o governo.
Eleitos pelo povo, trabalham pouco e defendem os interesses de uma minoria privilegiada. Quem paga seus salários e aposentadorias rala todos os dias da semana para sustentar uma nata de folgados e braços-curtos.
Uma lei de “abuso da folga” deveria ser editada para colocar esta gente nos trilhos e trabalhando.
Marcos Inhauser

quarta-feira, 26 de junho de 2019

MOLHANDO DESERTOS


Aposto como o leitor já deve ter passado por uma experiência destas.
Há alguns tipos de pessoas com quem a gente precisa conversar, negociar ou buscar um consenso. Há aquelas que são abertas a qualquer argumento e cedem sem pestanejar. Concordam com tudo o que se diz ou se pede. São de uma passividade bovina (frase que devo ao Clovis Rossi, quem deixou saudades). A impressão que passam é que não têm opinião, não buscam realizações pessoais ou nem mesmo têm identidade firmada. A gente começa a conversa e já sabe como vai terminar: “faça do seu jeito que eu assino em baixo.”
O segundo é formado por aquelas que têm opinião, mas estão abertas ao diálogo, à troca de ideias, ouvem o que se lhes é apresentado, refletem, explicitam seus pontos com clareza e assertividade. Conversar com elas é um desfrute. A conversa flui, é lubrificada pelas novidades que ambos podem trazer, é temperada com os assentimentos e dissentimentos educados e bem ponderados. Sente-se que as pessoas escutam e falam na mesma proporção, com equilíbrio. Pode até haver empolgação, afirmações mais categóricas, um tom de voz mais alto, sem ser grito. É a defesa honesta que cada qual faz do seu ponto de vista.
O terceiro é formado por pessoas que são verdadeiras pedras no sapato. Quando a gente precisa conversar com elas, a gente reza uma meia dúzia de Pai Nosso. Sabe-se de antemão que a conversa será difícil e, na quase totalidade das vezes, uma perda de tempo. Elas apresentam algumas características que devem ser explicitadas. São donas-da-verdade. Adoram começar suas exposições com as frases: “o certo é”, “na verdade”, “realmente”, “a verdade é que ...”, “na realidade”, “eu, no lugar dela ou dele...” e outras típicas. Elas têm visão tapada das coisas, não conseguem ver a floresta e acham que o galho da árvore que elas veem é toda uma floresta.
Quando elas se apresentam para colocar suas questões, seus posicionamentos ou decisões costumam ser prolixas, demoradas e confusas. A gente fica ouvindo e se perguntando: ö que é que elas estão querendo dizer?”
A gente pode deixar falar o tempo que quiserem e não interromper a fala por nada. Quando a gente pensa que chegou a nossa hora de dizer algo e, mal iniciamos a fala, somos interrompidos com mais um discurso. Espera-se o término dele e nova tentativa. Outra interrupção. Isto se sucede indefinidamente. É impossível terminar um raciocínio.
Se, por acaso, a gente apresenta um raciocínio que desmonta o que ela está colocando ou propondo, há algumas reações possíveis. A primeira é acusar. Acusa que a gente não entendeu, que a gente sempre vence (como se todo diálogo fosse uma batalha com vencidos e vencedores), que a gente, um dia, vai reconhecer que ela estava certa. A segunda é sair da conversa batendo porta ou o pé, numa clara manifestação de desagrado. A terceira é ofender, com maior ou menor intensidade, dependendo da cara que fazemos: se de passividade, se de desprezo, ou de ironia.
Elas não têm o DNA de “encerramento de uma conversa”. Ela tem o dom da última palavra: sempre precisam falar e repisar o que falaram aos montes. No pior dos casos, a última palavra é uma chantagem: “você vai se arrepender disto!”
A tarefa de conversar com elas é como a missão de molhar o deserto: nunca se vê resultado, são sempre conversas áridas.
Marcos Inhauser

EVANGELIZAÇÃO DA GANÂNCIA


Nos idos de 1514, vinte e dois anos depois que Colombo aportou às terras da América, na ilha que hoje é Santo Domingo, se fez o relatório Albuquerque, onde se relatava o massacre a que os indígenas estavam sendo submetidos. Neste processo de extermínio era comum uma prática espanhola que cortava as mãos dos prisioneiros de guerra e, em seguida, se obrigava aos assim mutilados a sair correndo até que morressem, prática esta também usada por Espanha no extermínio dos indígenas. Para as mulheres a prática consistia, ademais da mutilação das mãos, também a dos seios. Ela tinha o objetivo de semear o terror nos nativos.
Para se ter uma ideia da sanguinolência dos “colonizadores”, deve-se mencionar o Campo de batalha de Añaquito. Benito Juárez de Carbajal buscava o representante do monarca Carlos, o vice-rei Blasco Nuñes de Vela. Ao encontrá-lo, o cobriu dos mais variados impropérios, desconsiderando que o vice-rei já estava enfermo e combalido. O próprio Benito teria cortado a cabeça do infeliz, não fosse a admoestação de Pedro Puelles, pelo que pediu a um escravo que o fizesse, mas teve o cuidado de pegar a cabeça pelas barbas, pintar-lhe os lábios, passar uma corda pelos olhos e o amarrar em seu cavalo, desfilando com o troféu por onde fosse. Se fez isto com um conterrâneo, o que não fez com os nativos?
E por que o faziam? Pelo ouro e pela prata que extraiam daqui e mandavam a Europa. A riqueza dos países de Europa está vestida do sangue destes nativos que, ou foram mortos, ou foram obrigados a trabalhar para os colonizadores que vieram trazer a nova fé pela evangelização. Bartolomé de las Casas, voz profética neste império de terror, disse: “A causa foi a cobiça e ambição insaciáveis que (os colonizadores) possuíam, que foram maiores que podem existir no mundo, por ser aquelas terras (América) tão felizes e ricas, e as pessoas tão humildes, tão pacientes e tão facilmente submissas, pelas quais (os colonizadores) não tiveram respeito, nem estima, que não as trataram como bestas, mas como esterco das praças”.
Muitas outras coisas poderiam ser descritas para que se tenha uma ideia mínima do que foi o horror da “evangelização da América pela mão dos colonizadores”. Este afã de dar cores religiosas ao ímpeto ambicioso, levou sacerdotes a fazer batismo no atacado, reunindo todos de uma aldeia e borrifando água sobre eles, na convicção de que estavam batizando a todos e assim salvando suas almas do inferno. Com Atahualpa, a quem a lenda atribui ter muito ouro, se conta que pagou uma montanha aos seus captores e em seguida o levaram para o sacrifício. No desejo que que não morresse pagão, o batizaram momentos antes de sacrificá-lo.
Conta-se ainda que, mais especificamente no Brasil, com o surto da malária, muitas crianças estavam morrendo. Os sacerdotes, no desejo de salvá-los, iam até eles e os batizavam. Como morriam logo em seguida, a água do batismo passou a ser chamada de “água da morte”, e os pais recusavam que fossem batizadas. Inventou-se então o “batismo sub-reptício”, quando o sacerdote levava escondido um pano molhado e, sem que os pais percebessem, apertavam o lenço e umas gotas de água deles saíam, considerando isto como batismo salvador.
Trago estas coisas porque, no momento que vivemos, muitos há que estão imbuídos de uma religiosidade da ganância, onde o ouro e a prata dos fiéis o que os move, onde a teologia da prosperidade só enriquece os pregadores e donos de igrejas, onde as práticas sub-reptícias e terroristas, incitam os incautos a encher as borras dos “evangelizadores”. E há os que ostentam títulos de deputados e senadores!
Marcos Inhauser

quarta-feira, 12 de junho de 2019

FÉ E CULTO HISTÓRICOS

Uma das características do culto ancestral relatado no Antigo Testamento é que ele era baseado numa teologia da história, os seus fundamentos são os fatos históricos onde o teólogo vê a mão de Javé que modela, interfere, muda e faz na história os seus desígnios.
Oscar Cullman, Otto Piper, G. Ernest Wright, Gerhard Von Rad, Edward Schillebeeckx, H. H. Rowley, Martin Noth são alguns dos que mostraram este aspecto fundamental do culto veterotestamentário. Para o teólogo veterotestamentário a revelação feita através da história é feita mediante pessoas interdependentes umas das outras e vinculadas entre si, o que possibilita a mútua confirmação.
No entanto, há quem faça uma diferenciação entre a História como relato verdadeiro de fatos e a Geschichtlische (que é a história interpretada pelos olhos da fé). Esta última não é não-história, uma vez que se baseia em fatos reais e não em invenções. No mais das vezes, esta Geschichtlische relata uma série de experiências históricas avaliadas e relatadas à luz da fé do povo. É o fato com sentido espiritual que penetra inteiramente no sentido histórico, muitas vezes tomando a liberdade, perfeitamente natural, de lhe dar um esplendor que transcende o que realmente passou.
Ela tem uma conotação confessional, porque é o relato de alguém que se envolve apaixonadamente com os fatos, por ver neles a mão de Deus. É o querigma que ascende ao teológico! Não é uma afirmação feita por uma crônica histórica, mas a declaração de fé em Deus, pois é Ele quem dirige os acontecimentos. É um passado que se presentifica pela profissão de fé.
Não se deve esperar de um povo antigo que tivesse a acuidade historiográfica que hoje se espera da historiografia moderna, que exige a correspondência racional e objetiva entre os fatos e a sua descrição.
Ao trazer os olhos para a vida e pregação de Jesus, percebe-se que ele, especialmente com suas parábolas, olhava ao seu dia-a-dia, aos fatos cotidianos e corriqueiros e os tomava como exemplos para o Reino. Ao fazer isto, trazia para o cotidiano o que os teólogos de sua época esperavam para um futuro glorioso com a chegada do Messias. Achavam que o Messias iria irromper na história e dar um fim a ela. É o que modernos apocalipsistas pregam e esperam.
O manual de vida cristã ensinado por Jesus (As bem-aventuranças) não trata de coisas a-históricas ou anti-históricas, mas de atos concretos a serem perpetrados no contexto histórico onde vivemos. Os cultos e missas, na maioria das vezes, falam do céu, do inferno, da vitória sobre a hostes inimigas, da expulsão de Satanás, da cura miraculosa de enfermidades, mas pecam ao não olhar para o chão, para o seu redor para ver o desemprego, a fome, o problema educacional, a crise da saúde, a corrupção, os ataques aos ecossistemas, etc.
Neste universo a-histórico o profeta que fala do cotidiano, que acusa governantes de corrupção e mal gerenciamento da coisa pública, que desmascara as mentiras proferidas pelos políticos é visto como “perturbador da ordem”. Parece que a moderna religiosidade é avessa à denúncia. Quando se denuncia um político de direita vem a turba dizer que se deve orar pelos dirigentes porque foram escolhidos de Deus. Quando o governante é de esquerda, nunca vi pedir que orassem pela Dilma ou Lula, nem mesmo pelo FHC.
São cristãos, aceitam as bem-aventuranças, mas apoiam o armamento da população e o porte de armas, a matança de bandidos, a pena de morte. E dane-se o Deus da história!
Marcos Inhauser

O COLEGIADO DOS DIFERENTES


Há os que, no fundo, criticam o fato de Ele ter escolhido doze, de cepas tão diferentes, comportamentos variados e visões de mundo incongruentes. Por que Ele escolheu do revolucionário (Judas, o Iscariote) ao meloso João, passando pelo odiado publicano, coletor de impostos?
Para a empreitada que tinha em mente não teria sido mais lógico e prudente escolher uma elite de estudiosos, oradores, teólogos e renomados religiosos? Não teria sido melhor começar seu ministério a partir da capital nacional e religiosa, Jerusalém? Não teria sido estratégico fazer aliança com os sacerdotes?
A opção periférica do ministério de Jesus é acessória ou é essencial? Ainda que os evangelhos mostrem enfoques diferentes sobre a obra e ministério de Jesus, todos concordam com sua origem a partir de uma família simples, morando em lugares sem expressão, iniciando o seu ministério com alguns também sem expressão social, fazendo curas e milagres em lugares pequenos e sem capacidade de grande repercussão.
Estas considerações me vêm à mente por causa de uma plêiade de coisas. Vejo uma fascinação de certos líderes religioso pelo grandioso, pelo poder, pela exposição midiática, pelas construções faraônicas. A vitalidade de uma igreja se mede pela quantidade de horas de televisão que tem, pelos metros quadrados de construção, pela quantidade de gente reunida, pela arrecadação.
Parece que o exemplo que Jesus deixou da bacia e da toalha, lavando os pés aos discípulos, não tem lugar neste universo de pompa e circunstâncias. O amor ao próximo na sua necessidade deu lugar ao amor à estrela do momento. Gastam-se fortunas para ir ver o “cantor gospel do momento”, para produzir Marchas para Jesus. A vida cristã é feita de empolgação e nada de instrução. Vale o que se sente e não o que se pensa e crê.
Há quem creia que a igreja está bombando porque tem uma esposa do presidente que é membro de uma igreja batista, porque um dos deputados mais próximos é o Marcos Feliciano, o Silas Malafaia é amigo, que o presidente mencionou que deve haver um evangélico no STF, que a bancada evangélica é composta por mais de 90 deputados e senadores, que há chances de que o novo presidente seja evangélico, etc.
O cerne do evangelho que é amar a Deus e ao próximo como a si mesmo. Isto está, há muito, na berlinda da prática cristã. Busca-se a homogeneização das práticas “litúrgicas” (ainda que eu tenha meus pruridos em dizer que o que se faz é algo parecido à liturgia), uma busca acelerada por algo que seja “diferente” na concepção da “doutrina”. A máxima é a do surfista: o que importa é estar na crista da onda.
O recente episódio em que um pastor esfaqueou o outro por desavenças quanto a posições bíblicas divergentes, no que pese ser um ato isolado, é sintomático da dificuldade em conviver com o diferente. Se pudessem interfeririam na escolha feita por Jesus de apóstolos tão diferentes. O certo seria ter um grupo coeso, unido, marchando ao passo marcado pelos princípios bíblicos.
A ortodoxia deve ser buscada, entendida como todos afirmando as mesmas coisas e se reunindo nos mesmos horários e nos mesmos locais. Para o diferente, o inferno!
Marcos Inhauser

quarta-feira, 29 de maio de 2019

SOU IDEOLÓGICO!


Nas caminhadas da vida e pelas bibliotecas e livros, aprendi algo sobre ideologia que gostaria de compartilhar. Reconheço que é difícil dar uma definição exata. Para se ter uma ideia, um dos estudiosos de Karl Marx encontrou mais de trinta significados diferentes para a ideologia apenas nos escritos de Marx. Como já disse alguém, não há nada mais ideológico do que falar de ideologia. Existe um universo tão grande de afirmações sobre o que se refere ao ideológico que, por razões didáticas, quero levantar alguns níveis de ideologia. 

A primeira delas é a ideologia do pressuposto, que é o conjunto de conhecimentos que se tem e que é determinado e condicionado histórica, política e socialmente e que serve como ferramenta para interpretar coisas e eventos. Ninguém analisa nada, nem conclui nada, se não fizer parte de determinada informação prévia. Eles são os "pressupostos". O que eu suponho determinará o que concluo, porque, dependendo dos instrumentos com os quais trabalho para revelar, compreender, julgar, tenho o resultado do meu julgamento. Esta ideologia é formada pelo conjunto de valores que se tem, fruto de interações com o meio ambiente, seja ele educacional (prioritariamente) ou não. Só não tem ideologia o sujeito totalmente imbecil e idiota.

Há outra ideologia: a ideologia da visão de mundo. É sobre o conjunto de conhecimentos que temos, as ideias, julgamentos e valores que determinam o nosso modo de ser, de agir. A ideologia do "pressuposto" determina a "ideologia da visão de mundo". Somos o que somos baseados no que temos como instrumentos de análise, como um produto histórico por pertencermos a uma sociedade histórica e geograficamente situada. Pensamos e atuamos de acordo com este momento e a cultura da qual dependemos. A ideologia de pressuposição, determinada pelo momento em que vivemos, determina nossa ideologia de visão de mundo, que se adapta em termos gerais à ideologia dominante do contexto em que nos situamos.

Outro tipo de ideologia é a da imposição. É o que aceitamos e que queremos impor aos outros. Essa "imposição aos outros" deve-se ao fato de que acreditamos que nossas verdades são melhores que as do outros, ou que nossas verdades, quando aceitas pelos outros, determinam que temos mais espaço de poder, de gestão, ou queremos manter o espaço que já temos.

Assim, a ideologia é um conjunto de verdades relativas: é a verdade de alguém. A burguesia tem sua ideologia de pressuposto, visão de mundo e imposição e é uma verdade para eles. É uma verdade a tal ponto que eles querem impor isso a todas as pessoas, porque isso as leva a consolidar suas pressuposições, que eles acham que deveriam ser mantidas. O imperialismo, marxismo, liberalismo ou seja o que for, têm sua ideologia de imposição na medida em que querem ter e manter o poder, segundo a verdade que sustentam.

É impossível alguém ser a-ideológico e nada mais ideológico que ser anti-ideológico. Descobri que mentes analfabetas de conceitos, chamam de ideológico tudo aquilo que o outro pensa e que é diferente do que o imbecil “pensa” (se é que pensa).

A diferença é ideológica e, no fundo dever ser. A diferença é a contraposição de duas visões de mundo, duas ideologias. O problema está quando uma das partes, pela ingenuidade, falta de conhecimento ou imbecilidade, acha que o que ele pensa não é ideológico e só o que o diferente pensa é que está eivado de ideologia. Para estes se deve aplicar outro significado de ideologia: o discurso que busca esconder uma ideologia, ocultar intenções.

Por isto sou e assumo que sou ideológico: penso e argumento!

Marcos Inhauser


quarta-feira, 22 de maio de 2019

RELACIONAL OU CONCEITUAL?


Estou no mundo da teologia há 47 anos. Estudei em alguns seminários, dei aulas em outros, li um bocado, viajei e conheci as mais diversas igrejas. Com tudo isto devo dizer com toda a sinceridade: sei quase nada da teologia. Tem gente, especialmente um leitor que tenho, que nunca estudou e que sabe mil vezes mais que eu e vive me espinafrando!
Confesso minha ignorância e minha incapacidade de ter opiniões dogmáticas sobre assuntos pertinentes. Como diz um meme que recebi, não estudei matérias filosóficas ou sociológicas: estudei as divinas. E quando se estuda as divinas, se faz o trabalho de Sísifo, um personagem da mitologia grega condenado a repetir ad eternum a tarefa de empurrar uma pedra até o topo da montanha. Toda vez que quase alcançava o topo, ela rolava montanha abaixo invalidando o esforço despendido.
Neste caminhar, durante muito tempo, acreditei que a vida cristã consistia no entendimento, compreensão e ensino das verdades teológicas, tal como expressada pelos grandes teólogos da Igreja. Estudei Agostinho, Erasmo, Aquino, Lutero, Calvino, Zwinglio, Bultmann, Barth y outros. Quanto mais eu lia, mais me confundia. Um diz uma coisa, outro diz outra, eles se contradizem e eu me perco. Não achei um Waze ou GPS para o mundo da teologia! Quando achava que estava chegando ao topo com minha pedra, lá ia ela, morro abaixo.
De “dono-das-certezas-bíblicas” passei a ser o “eterno-interrogante” ou a “eterna-interrogação”. O jargão “a-Bíblia-diz” foi substituído pelo “eu-hoje-acho-que-a-Bíblia-diz”. A verdade universal e absoluta cedeu para a posição subjetiva. O “impositor de verdades” sobre os outros, pela autoridade da verdade que cria e ensinava, foi ocupada pelo “professor do talvez”.
Você pode estar pensando: ele se perdeu, apostatou, está em surto, ou qualquer outro diagnóstico teológico ou psiquiátrico que me queira rotular. Olhando para trás e avaliando minha caminhada, digo com a sinceridade que a natureza humana me permite: nunca estive tão bem.
Aprendi com os anabatistas que mais vale uma vida obediente ao que entende da Palavra de Deus, do que a mil afirmações ortodoxas. Mais vale poucos em comunhão que muitos em reunião. Mais vale alguns reunidos em nome de Jesus que uma multidão reunida para ver uma estrela gospel. Mais vale poucos obedientes que muitos contentes. Mais vale a instrução que o louvorzão. Mais vale o serviço ao próximo que a confissão de fé.
Aprendi que a igreja se faz com relacionamentos e não com doutrinas inflexíveis e descontextualizadas. Aprendi que a igreja deixa de ser igreja quando houver alguém que a frequenta e que eu não sei o nome. O púlpito vira palco quando há holofotes sobre ele, quando é necessário um telão para o pessoal de longe ver o “iluminado” quem está pregando. A igreja deixa de ser igreja quando ela gasta mais com manutenção, eletricidade, equipamentos de som e vídeo do que com as necessidades do próximo. Quando ela ensina o amor ao pastor e à denominação, quando o ensino enfatiza o amor a Deus e esquece do amor ao próximo, quando exige compromisso total com o custo do amor próprio e à família. Pede e perde mais tempo nas atividades da igreja que na atenção à família.
Igreja é relação, comunhão, serviço, amor a Deus e ao próximo. O que foge disto, seja anátema!
Marcos Inhauser