Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira

quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

O SONHO DO PROFETA

Isaías sonhou com algo que até hoje encanta a muitos e serve de lema para muitas ações: “Vinde, e subamos ao monte do Senhor, à casa do Deus de Jacó, para que nos ensine os seus caminhos, e andemos nas suas veredas; porque de Sião sairá a lei, e de Jerusalém a palavra do Senhor. E ele julgará entre as nações, e repreenderá a muitos povos; e estes converterão as suas espadas em relhas de arado, e as suas lanças em foices; uma nação não levantará espada contra outra nação, nem aprenderão mais a guerra.” (is 2:4,5)
O sonho do profeta é algo revolucionário. Quando os meninos tiverem leite e teto; os pobres tiverem educação decente nas escolas; quando os professores tiverem condições de ensino com recursos pedagógicos; quando o ser humano for respeitado e honrado, a paz poderá reinar. As roças produzirão o grão, as mães criarão filhos que poderão brincar nas ruas, os políticos serão pessoas honradas e de bem, o governo terá a população e seu bem-estar como prioridade.
Não será a paz da ausência da luta, do conflito, da violência, porque, ainda que estes deixem de existir por algum tempo, não necessariamente haverá paz. A trégua não é paz. É uma suspensão da violência. A paz deve passar pelo repouso sem preocupações; pelo sono sem sobressaltos; pelo caminhar livre e inocente não se preocupando com quem caminha ao lado; pelo deixar o filho sair para brincar sem ter que dizer “tome cuidado”, “não aceite nada de estranhos”.
É a paz da convivência em uma ordem estabelecida pela verdade, justiça, amor, liberdade e perdão. Não é paz dos santos porque esta nunca poderá acontecer entre pecadores, mas a paz que se estabelece nas relações fraternas, de tolerância e perdão. É a paz que vence o egoísmo, a jactância, a arrogância.
A paz, tal como é apresentada pelos ensinos bíblicos, é a manifestação da graça de Deus, é ingrediente essencial da esperança que se dá nas pequenas coisas, nas micro relações, nos pequenos gestos, no plantar da semente de mostarda para que se transforme em grande árvore.
Sementes de paz que vão sendo plantadas como o foi a equipe de hockey no gelo que uniu as duas Coreias, algo inimaginável há alguns meses. Foi a iniciativa de Obama de se levantar, durante o funeral de Mandela, e se dirigir a Raul Castro para apertar-lhe a mão, gesto que trouxe muitas consequências, inclusive de reatamento das relações diplomáticas rompidas há décadas entre os dois países.
Ela é graça de Deus, mas também deve ser compromisso humano. Cada um de nós tem o desejo da paz e nossos atos devem ser no sentido de construir reações de paz com as pessoas ao nosso redor. Perguntas fáceis como “o que eu vou dizer produz paz ou raiva?”, “o que vou fazer ajuda a construir ou é para destruir?”, “trago solução ou problema?” “as últimas coisas que fiz estava pensando em mim e no meu bem-estar ou estava pensando em ser benefício para os outros?” Podem ser pequenas coisas, mas que ajudarão na construção da paz.
Quando a paz reinar, já não mais haverá lugar para as armas de morte e instruções para matar. Não haverá necessidade de polícia, nem de exército. As armas serão transformadas em arados e em brinquedos. A indústria das armas desaparecerá e em seu lugar aparecerão centros de lazer e diversão, onde crianças, jovens e velhos viverão intensamente os prazeres da vivência comunitária. As reuniões de condomínio serão tempo de festa e não de atritos.

Marcos Inhauser

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

MÁXIMAS NÃO OBSERVADAS

Na política (e também no mundo corporativo) há a máxima de que não se nomeia quem não se pode, depois, demitir. Este foi o erro do Lula ao nomear o José Alencar, vice-presidente, como ministro das Forças Armadas. Ele teve a sorte de que nada de esquisito ou fora do eixo aconteceu e não se viu na saia justa de ter que removê-lo.
O mesmo se deu com a Rosinha Mateus ao nomear o marido, ex-governador, como Secretário da Segurança Pública do Rio. Deu no que deu. Um desastre e nada de solução efetiva. Muita pirotecnia, pouca realização. O mesmo ocorre agora com o Temer que nomeou o Segóvia como Diretor da Polícia Federal. O Segóvia subiu no salto alto, já na primeira declaração pública falou abobrinha e se agora se consolidou como abobrinhologista na entrevista que deu à Reuters. Indicado pelo Sarney (ele tinha um agradecimento ao Segóvia pelo trabalho de obstrução às investigações quando era investigado), foi nomeado sem consultar e à revelia do Ministro da Justiça. Agora está aí o abacaxi para ser descascado.
Nesta mesma linha de raciocínio está a malfadada nomeação do Lula como ministro pela então presidente, quem, caso a nomeação tivesse se consumado, teria um ministro politicamente maior que ela. Seria um absurdo. Graças a Deus, fomos liberados desta excrecência.
Tenho para comigo que o Padilha e o Moreira Franco se enquadram no mesmo quadro. O Temer não tem cacife político para demiti-los, seja pela “gratidão”, seja pelas inúmeras acusações que tem que responder e que os dois o blindam. No mesmo raciocínio está a nomeação do nunca empossada Ministra do Trabalho, cuja folha corrida é maior que a biografia para ocupar a pasta.
Como desgraça pouca é bobagem e os sucessivos erros e recuos são a marca registrado do governo (??) Temer, depois de ver a Reforma da Previdência ir água abaixo (nunca entendi qual o ganho que o Temer tinha/teria em aprovar tal legislação), vem ele oferecer uma solução para os problemas que há décadas aflige o Rio. Joga o Exército na fogueira, nomeia um general como “semi-interventor”, deixa o Pezão no governo, anuncia a intervenção, mas ainda não tem planos, não sabe quanto vai custar, nem como tais operações se darão. É uma operação caída de paraquedas.
Se o Exército resolvesse em algo, alguma coisa teria mudado no Rio desde que vem atuando na cidade. Que nada! O roubo de carga continua solto, os confrontos entre as fações têm feito vítimas civis, muitas delas crianças, o tráfico rola solto, os arrastões continuam e o saque em plena área nobre acontece.
Eu me pergunto: e o serviço de inteligência serve para que? Não conseguiram descobrir onde o segundo homem da facção paulista estava? Não sabem por onde e quem está por trás do tráfico de armas? Apreenderam alguns fuzis no Rio há um ano, mas foi fruto de denúncia anônima. Pegaram dois caminhões carregados com cigarro contrabandeado, também com denúncia anônima. Será a inteligência policial brasileira a que funciona por denúncia anônima?
A solução da intervenção é irreversível para o Temer. Diferentemente do que costuma fazer, nesta não dá para voltar atrás. OU assume de vez, ou se ferra. Acho que vai se ferrar porque o homem não tem pulsos (e isto está demonstrado nos inúmeros recuos que já deu) para aguentar o tranco.
Marcos Inhauser



quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

FESTIVAL DA MESMICE

Eu tentei! E o fiz várias vezes. Confesso que não consegui gastar muito tempo vendo televisão nestes dias de Carnaval. Mesmo para ler ou ver o jornal foi problemático.
Há um abuso na quantidade de notícias parecidas e sem importância nos destaques das coberturas. Coisas como: “fulana comeu um cachorro quente”, “é maravilhoso estar aqui”, “gastei dois carros nesta fantasia”, “aqui estão as celebridades....”, “como você se sentiu desfilando pela ...”.
Dias destes, com a televisão ligada e tentando me interessar pelo que apresentavam, cochilei e, quando acordei, pensei que não tinha dormido ou que a imagem tinha congelado. Era a mesma imagem. Comecei a prestar atenção. Estavam passando algo do Bloco Tal na Tijuca, aí o narrador/apresentador dizia: “agora vamos ver como estão as coisas no Recife” e a coisa era igual. Mudava a cor da roupa, a música era igual, o bando de gente com lata de cerveja na mão, levantando as mãos e “sambando”. Mudava a cidade, o apresentador, mas as frases descritivas do que se via eram as mesmas, numa enxurrada de obviedades.
Tentei, por várias vezes, ao longo dos últimos anos, ver os desfiles das escolas de samba. Ou sou um analfabeto completo ou não vejo diferenças entre uma ou outra. É verdade que os carros alegóricos são diferentes, mas, para mim, a música dos sambas-enredo é parecidíssima. Parecem ter a mesma toada, a mesma melodia e a mesma cansativa e repetitiva interpretação. São 65 a 75 minutos com a mesma música que se caracteriza pela repetição dos bordões.
Além do mais, ficar pendurado na TV para ouvir comentarista esportivo e apresentadora de beldades apresentando o que posso ver, falando óbvio e se embasbacando quando a Tuiuti fez a crítica à legislação trabalhista e ao presidente vampiro, para mim é perda de tempo. Parece que a escola não passou pela avenida dado o mutismo que imperou, com falas prá lá de óbvias. Ler o que está escrito e que eu podia ler, é me xingar de analfabeto.
Não fosse o destempero do Segóvia com a entrevista em que antecipou o não-indiciamento do Temer e as repercussões do fato, o final de semana teria sido terrível. Não haveria o que ler e pensar neste fim-de-semana prolongado. O diretor-geral da PF, o indicado pelo Sarney, nomeado no atropelo pelo Temer, sem a anuência do Ministro da Justiça, sob quem deve trabalhar, veio a público pagar a fatura da sua nomeação. Em fato que nunca antes ocorreu, o Segóvia antecipou o resultado de uma investigação que não é dele, de um delegado que é um desafeto seu, de algo ainda inconcluso. Deu no que deu.
Veio a público com a mesmice: culpa da imprensa que disse o que ele não disse, que o que disse não é o que foi dito, que .... blá... blá... blá. Neste episódio a celeridade do Ministro Barroso e pedir explicações e em ordenar o “fecha a boca” se contrapõe à demora do STF em julgar o que se espera há anos. Recordista em processos inconclusos o STF deve explicações sérias e honestas por que o Renan, Jucá, Sarney, Maia, Padilha, Franco e outros, ainda não foram julgados.

Se o Carnaval suspende a vida nacional por alguns dias, se tudo parece ser cor-de-rosa nestes dias (ao menos para os carnavalescos), o Segóvia entrou no ritmo de jogar confetes no Temer e suspender o inferno criminal que o mesmo vive. A coisa melou. Ainda bem!
Marcos Inhauser

quinta-feira, 1 de fevereiro de 2018

SILÊNCIO LUCRATIVO

Acabei de ler a notícia do UOL de que as empresas de transporte de valores não informam os valores roubados em seus carros-fortes. Nunca vi também um banco vindo a público e afirmando que foram levados tantos mil reais. Pensar nos centavos é utopia.
Como pode um carro de transporte de valores ser roubado e a empresa não ter condições de dizer o quanto foi roubado? Não têm eles controle sobre a quantia que carregam? Não assinam um documento de recebimento de valores na hora que os pegam no comércio ou nos bancos? Custa fazer a soma o cálculo e dar cifras exatas?
Não sabem os bancos o quanto de dinheiro havia no caixa eletrônico explodido? Que controle eles tem sobre os valores que guardam se, a cada assalto ou roubo, a notícia vem com a sempre presente afirmação: “os valores roubados não foram informados”.
Conheço uma pessoa que foi contratada para trabalhar no setor de controle de fraudes de um dos grandes bancos, isto lá no final dos anos 70. Era a época em que começavam a ser utilizados os primeiros cartões magnéticos que possibilitavam retirar dinheiro no caixa. Esta pessoa, que estava encarregada de descobrir as fraudes, percebeu que o que acontecia era algo que só se explicava se alguém de dentro do banco estivesse fazendo a falcatrua. Juntou as evidências e foi a seu chefe, mostro o que havia coletado, o que estes dados indicavam e pedia autorização para seguir adiante na investigação, uma vez que se tratava de coisa interna corporis.
Para surpresa, sua, dois dias depois foi demitido. A tentar saber a razão teve a resposta clássica dos modelos hierárquicos: “ordem superior”. Ele saiu de lá com a certeza de que a coisa era fabricada pelo próprio banco para acobertar alguma coisa, ou para diminuir o lucro fiscal ou para abastecer algum caixa dois.
Desde então tenho minhas barbas de molho. Acho que a não publicação dos números, a não cobrança da polícia em saber com exatidão os valores roubados, tem alguma coisa que cheira lona queimada.
Porque o Palocci não teve, até agora, a sua delação premiada homologada? Nas entrelinhas das notícias, li que ele estava disposto a relatar o papel dos bancos no propinoduto. Como pode ter acontecido o que aconteceu e não ter um só banco envolvido até agora? O banco do mensalão teve seus dirigentes penalizados, mas o banco mesmo passou incólume. Será que o setor que mais liberdade teve para atuar, que ganhou fortunas cobrando o que quer de taxas e juros, não irrigou campanhas políticas? Por que, toda vez que se fala em fiscalizar mais profundamente o setor, vem a lenga-lenga do risco sistêmico?
Como podem a Caixa Econômica Federal e o Banco do Brasil ter diretores envolvidos em esquemas, ao ponto de, sob pressão o governo ter demitido quatro deles, e nenhum dos bancos privados ter algo a “contribuir”?
Quem está por trás das transportadoras de valores? Alguém já leu, alguma informação dando conta quem são, quanto cobram pelo transporte, quanto pagam de seguro, se vale a pena transportar todo este dinheiro, quem paga a conta destes brucutus de ar-condicionado rodando ruas e estradas?
Há algo de podre nesta salada de negócios. É daquelas coisas que você cheira que há algo fedendo em casa, e vai para todos os cantos buscando descobrir onde está. Às vezes, a melhor coisa e esperar para que a apodreça de vez, para então eliminar. Outras, pela persistência, se logra eliminar com o trabalho investigativo correto.
Marcos Inhauser