Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira

terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

MÁXIMAS NÃO OBSERVADAS

Na política (e também no mundo corporativo) há a máxima de que não se nomeia quem não se pode, depois, demitir. Este foi o erro do Lula ao nomear o José Alencar, vice-presidente, como ministro das Forças Armadas. Ele teve a sorte de que nada de esquisito ou fora do eixo aconteceu e não se viu na saia justa de ter que removê-lo.
O mesmo se deu com a Rosinha Mateus ao nomear o marido, ex-governador, como Secretário da Segurança Pública do Rio. Deu no que deu. Um desastre e nada de solução efetiva. Muita pirotecnia, pouca realização. O mesmo ocorre agora com o Temer que nomeou o Segóvia como Diretor da Polícia Federal. O Segóvia subiu no salto alto, já na primeira declaração pública falou abobrinha e se agora se consolidou como abobrinhologista na entrevista que deu à Reuters. Indicado pelo Sarney (ele tinha um agradecimento ao Segóvia pelo trabalho de obstrução às investigações quando era investigado), foi nomeado sem consultar e à revelia do Ministro da Justiça. Agora está aí o abacaxi para ser descascado.
Nesta mesma linha de raciocínio está a malfadada nomeação do Lula como ministro pela então presidente, quem, caso a nomeação tivesse se consumado, teria um ministro politicamente maior que ela. Seria um absurdo. Graças a Deus, fomos liberados desta excrecência.
Tenho para comigo que o Padilha e o Moreira Franco se enquadram no mesmo quadro. O Temer não tem cacife político para demiti-los, seja pela “gratidão”, seja pelas inúmeras acusações que tem que responder e que os dois o blindam. No mesmo raciocínio está a nomeação do nunca empossada Ministra do Trabalho, cuja folha corrida é maior que a biografia para ocupar a pasta.
Como desgraça pouca é bobagem e os sucessivos erros e recuos são a marca registrado do governo (??) Temer, depois de ver a Reforma da Previdência ir água abaixo (nunca entendi qual o ganho que o Temer tinha/teria em aprovar tal legislação), vem ele oferecer uma solução para os problemas que há décadas aflige o Rio. Joga o Exército na fogueira, nomeia um general como “semi-interventor”, deixa o Pezão no governo, anuncia a intervenção, mas ainda não tem planos, não sabe quanto vai custar, nem como tais operações se darão. É uma operação caída de paraquedas.
Se o Exército resolvesse em algo, alguma coisa teria mudado no Rio desde que vem atuando na cidade. Que nada! O roubo de carga continua solto, os confrontos entre as fações têm feito vítimas civis, muitas delas crianças, o tráfico rola solto, os arrastões continuam e o saque em plena área nobre acontece.
Eu me pergunto: e o serviço de inteligência serve para que? Não conseguiram descobrir onde o segundo homem da facção paulista estava? Não sabem por onde e quem está por trás do tráfico de armas? Apreenderam alguns fuzis no Rio há um ano, mas foi fruto de denúncia anônima. Pegaram dois caminhões carregados com cigarro contrabandeado, também com denúncia anônima. Será a inteligência policial brasileira a que funciona por denúncia anônima?
A solução da intervenção é irreversível para o Temer. Diferentemente do que costuma fazer, nesta não dá para voltar atrás. OU assume de vez, ou se ferra. Acho que vai se ferrar porque o homem não tem pulsos (e isto está demonstrado nos inúmeros recuos que já deu) para aguentar o tranco.
Marcos Inhauser



Nenhum comentário:

Postar um comentário