Leia mais

Há outros artigos e livros de Marcos e Suely Inhauser à sua disposição no site www.pastoralia.com.br . Vá até lá e confira

quarta-feira, 16 de janeiro de 2019

AMIZADE NÃO É IOGURTE

Uma das coisas mais preciosas do ser humano é ter amigos. Ainda que outras espécies animais tenham seus relacionamentos, façam suas alianças e vivam em bandos ou grupos, falta-lhes a capacidade de ter e ser amigo. Amizade é algo divino, algo que tem a ver com a Imago Dei que o relato da criação diz que temos. Muito já se discutiu e se refletiu sobre o significado desta imagem e semelhança de Deus em nós. Há quem diga que é a nossa conformação trina (corpo, alma e espírito), há quem diga que é o desejo da adoração do ser superior que só os humanos têm, outros afirmam que é a capacidade humana de estabelecer comunicação em nível superior. Outros dizem que é a capacidade humana de planejar, de pensar no futuro, de mudar a cultura e interferir na história. Tenho pensado que é a capacidade humana de se relacionar em níveis altruísticos e estabelecer laços afetivos não erotizados.
A amizade se inclui nisto. Ela é algo indefinível na sua totalidade, mas experienciável em sua plenitude. Ela é algo que não é como iogurte que tem prazo de validade curto. Ela não é namoro e acho que é mais sublime que ele. Ninguém pede alguém em amizade, tal como ocorre no namoro, noivado ou casamento. A amizade tem geração espontânea: acontece! Não busca a reciprocidade: ela é doação incondicional. A amizade não é ciumenta, nem grudenta, nem supervisora, nem asfixiante. Ela é amizade e ponto final.
Amigos não precisam se ver a toda hora. Basta saber que são amigos e que um pode contar como outro sempre que precisar. Ela é uma relação bilateral de ajuda, onde o equilíbrio do dar e receber é uma constante. Amigo que só explora, que é folgado, que “encosta”, que não se dispõe a dar sua cota, é chupim e não amigo. Amigo enriquece pelo que traz de conteúdo e conhecimento à relação. Ele ensina e aprende com a relação.
Não há divórcio nem separação de bens na amizade. Se algo acontece e ela é rompida, cada qual vai para o seu lado e as coisas se acertam. Podem ficar algumas rusgas, mas nunca soube de um processo por danos e perdas porque uma amizade terminou.
Amizades são como carvalhos: árvores longevas que sempre têm sombra para aninhar os cansados. Pode haver tempestade, ventos fortes, muita trovoada, mas lá está o carvalho. Assim é o amigo. Amizade é como vinho: vai pegando mais sabor com o tempo. A idade adoça as amizades, tira o adstringente, acrescenta o amaderado. A amizade não exige encontros constantes: o amor, se não está em constante contato com a pessoa amada, esfria. A amizade não. Ela se mantém.
Velhos amigos não são, necessariamente, os amigos velhos, ainda que a relação tenha certa constância. Amizades existem para durar. Feliz a pessoa que tem amigos de longa data. O tempo pode tirar de nós algumas amizades, porque somos finitos. Perder um amigo é perder alguém que é mais que um irmão. Bem diz a Bíblia que há amigos mais chegados que um irmão. Cultivar e celebrar as amizades é sinal de sabedoria!
Ontem soube que um grande amigo, o Gerson Urban, está na UTI em estado grave. Levei um baque! O Gersão é destes amigos que nos falamos de tempo em tempo e, quando nos encontramos, é uma festa. Doeu saber da saúde do Gersão. Mas também foi o aniversário do Christian, outro amigo de longa data. Poucos nos temos falado e encontrado, mas sei que a amizade não se definhou, antes, o respeito de um para com o outro cresce cada vez mais.
Aos meus amigos (que não são poucos), a minha gratidão por este amor que é ágape!
Marcos Inhauser

quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

DEPRESSÃO VIRTUAL


Em  conversas com amigos e lendo em noticiosos, percebo que há uma generalizada debandada das redes sociais. Parece que a coisa saturou. Ouvi de mais de um que é muito tempo gasto para nada. O que estão dizendo é      que nas redes sociais, se a pessoa quer ler e responder ao que chega, gasta muito tempo e nada ou quase nada é acrescentado ao conhecimento.
As redes são o palco de uma miríade de platitudes, lugares comuns, obviedades e senso comum. Não é para menos que seja terreno propício para as Fake News porque as pessoas consomem o que leem e repassam, sem um olhar crítico.
Não sou afeito às redes e já escrevi que, por vezes, me sinto jurássico por não estar em dia com estas novidades tecnológicas. Uso o Facebook para postar a minha coluna, tenho o Whatsapp para me comunicar com uma dúzia de amigos, um ou dois grupos e nada mais que isto. Confesso que já tive mais gente no meu Whatsapp, mas percebi que me enviavam tanto lixo que bloqueei. Tinha quem me mandasse dez ou mais memes por dia!
Era muito tempo lendo lixo, mais tempo ainda limpando o lixo nos arquivos baixados. Não ganhei um centavo com o que recebi da maioria das postagens, mas preservo alguns contatos porque estes, sim, ainda que de forma esporádica, me enviem coisas interessantes e instrutivas.
Pesquisas têm revelado uma forte tendência de declínio no uso do Facebook, Whatsapp, Instagram e outras. Tanto assim que o Whatsapp, por razões de evitar a disseminação de notícias falsas, já limitou o envio de mensagens para não mais que 5 contatos (o que celebro).
O uso político destes apps também tem contribuído, especialmente porque gerou tensão e atritos, inclusive dividindo famílias e rompendo amizades. A presença dos haters e a facilidade com que agridem algo postado e a pessoa que postou, pode ser outro elemento causador desta tendência.
Mas o afastamento das redes vem acompanhado ou é precedido de um sentimento de desmotivação, de tristeza, de falta de esperança. Tenho ouvido de gente que, por ter sido rudemente atacada por causa de uma foto postada, algo escrito ou opinião dada, entram em crise. As redes são espaço fácil para destilar ódio. Vi uma foto postada por uma mãe com sua filha e vários comentaram com as afirmativas comuns: lindas, duas gatas, maravilhosas. Mais à frente o marido postou: mocreias!
Este exemplo é paradigmático dos dois polos: afirmativas positivas pelo uso de expressões que não dizem nada (gatas, lindas, maravilhosas) e que são a grande parte dos comentários e as expressões agressivas, despropositais, amargas, biliáticas. Estas, ainda que, no mais das vezes usem frases useiras e vezeiras, ferem, machucam, ofendem. As primeiras não elogiam ao ponto do ego se sentir massageado (salvo para os narcísicos patológicos) e as segundas, ofendem profundamente e levam as pessoas à depressão virtual, mas tão real quanto a depressão tal como é conhecida.
Se a justiça reconheceu há pouco um caso de estupro virtual, por que não também o de depressão virtual? Se os pedófilos e caluniadores podem ser processados pelo que postam, por que não também os que produzem tristezas e depressão pelas amarguras destiladas nas  redes?
Para mim nada substitui o canto físico, o olho no olho, a conversa ao redor da mesa, as gargalhadas, o riso e as lágrimas das recordações. Rede social para mim é o tempo que desfruto do cafezinho com o Samuel, a pizza com o Daniel, a conversa com o Alexandre, as aulas privativas com o Zé Lima, os comentários sobre as leituras de livro que fazemos eu e o Silvarinho. Tantas outras experiências maravilhosas poderia citar, mas o espaço não permite e nem por isto, meu amigo e amiga, não se sinta excluído.
Marcos Inhauser

ESPERANDO RECOMEÇOS

Já escrevi aqui que deve ser chato ser Deus porque nada é novo ou diferente para Ele, nada pode maravilhá-Lo. Ele sabe de tudo, criou tudo.
Mas há um outro elemento que me inquieta neste final de ano. Deus, porque é Deus, não pode nem pôde nunca recomeçar algo. Ele faz tudo tão certo que não há necessidade de refazer. Ele não precisa aprender com os erros porque, segundo a definição, é impossível que Ele erre.
Fiquei me imaginando no lugar de Deus e não posso dizer que gostei. Uma vida certinha, sempre fazendo tudo tão correto, certo e perfeito me cheirou algo meio cansativo (há uma expressão melhor no espanhol: aburrido).
Pense nisto: ficar a vida toda sem a possibilidade de recomeçar a fazer algo, sem a possibilidade de aprimorar na segunda vez o que se fez na primeira, de dar um toque especial.
O fato de fazer tudo certo já na primeira vez não exige que a vida tenha recomeços. Recomeçar é característica dos seres criados, dos humanos e animais. A necessidade de recomeçar, de ter a esperança de que na próxima vez será melhor, é coisa tipicamente humana. Deus não precisa disto. Deus não tem esperança porque espera quem não tem todas as condições de realizar o que quer que aconteça.
Deus não tem a limitação do tempo. Os entendidos e definidores de como Deus é dizem que Ele é um ser atemporal, ou seja, que não está afeito às condições do tempo. Por isto também o definem como eterno, sem princípio nem fim de dias. Não teve começo e não terá fim. Deus não se rege pelos meses, estações, luas, anos, séculos ou milênios.
Isto é coisa aqui do “andar de baixo”. Nós precisamos de uma noite para descansar (Deus não descansa, ainda que a Bíblia diga que Ele descansou e mais tarde Jesus contradiz isto dizendo que Ele e o Pai trabalham até agora). Precisamos de uma noite para renovar forças e esperanças. O salmista, afirmando algo que todos gostamos de acreditar, diz: o choro pode durar uma noite, mas a alegria vem pela manhã.
Os dias terminam com a entrada da noite e isto é o recomeço. A noite termina com a entrada do dia e isto é recomeço.
Recomeçamos com as trocas das luas, com a entrada das estações, com a mudança dos meses, com a entrada de um ano novo. Precisamos destes recomeços, porque vivemos de esperança. E esperamos que amanhã seja melhor, que o próximo verão seja mais ao meu gosto, que no próximo Natal toda a família esteja reunida, que no próximo ano seja promovido ou ganhe mais, etc. e tal.
A vantagem de ser humano é esta capacidade de recomeçar, de aprender com os erros e acertos da vida. A beleza da vida é a esperança, coisa típica e maravilhosamente humana. Quem não espera, morre.
Esperar contra toda a esperança foi a grande obra de Abraão, o pai da fé. É esperar o que nos caracteriza nestes dias de expectativa com o novo ano, novo governo, nova Câmara, novo Senado, novos ministros. Queremos dias melhores, com mais empregos, melhores salários, relações mais prazerosas, casamentos mais felizes, sentimento de realização, mais abraços, mais beijos, mais compreensão, etc.
Marcos Inhauser